PUBLICIDADE

Topo

Larissa Cassiano

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Amamentar é um processo íntimo entre 2 pessoas que acabaram de se conhecer

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto
Larissa Cassiano

Larissa Cassiano é médica ginecologista e obstetra, especializada em gestação de alto risco pela USP (Universidade de São Paulo). Fez residência médica na Maternidade de Vila Nova Cachoeirinha (SP), uma das maiores do Brasil, referência em parto humanizado no SUS e em gestação de alto risco.

Colunista do UOL

13/04/2021 04h00

A amamentação é um momento muito importante para o desenvolvimento dos seres humanos, além de todos os benefícios e vantagens para o recém-nascido e para a puérpera, diversas questões nutricionais, imunológicas, emocionais e financeiras também estão envolvidas.

Mas vale ressaltar que esse processo, mesmo parecendo simples e instintivo, nem sempre acontece com tanta facilidade e pode levar tanto a puérpera quanto o recém-nascido a momentos desafiadores. É bom que todos conheçam um pouco do que está envolvido na amamentação, pois em algum momento é possível que se depare com alguém amamentando e ser apoio tem um papel muito importante.

Para que a amamentação ocorra da melhor maneira possível é importante que ela seja avaliada e pensada desde o início do pré-natal, pois neste momento é possível examinar as mamas e pensar em possíveis dificuldades.

Para aumentar ainda mais as chances de sucesso, é importante que a amamentação possa ocorrer logo na primeira hora do nascimento ainda na sala de parto, pois o recém-nascido já possui aptidão de procurar e sugar o mamilo espontaneamente, isso aumenta o vínculo e favorece a continuidade da amamentação. Ou seja, a amamentação na primeira hora pode trazer reflexos e memórias para toda a vida.

Algumas situações podem dificultar o processo, como no parto prematuro em que o bebê pode necessitar de internação na UTI, como dificuldade para descida do leite, ansiedade e desafios ligados a mama ou mamilo.

Essas dificuldades não devem ser ignoradas pela puérpera e nem por quem está acompanhando o bebê e a mãe, além de não serem motivos para suplementações sem tentativas adequadas para a amamentação.

Mesmo com todos os cuidados alguns incidentes podem ocorrer durante a amamentação:

Fissura no mamilo: tem um aspecto parecido com pequenos "cortes" que causam dores intensas e dificultam a amamentação nas primeiras semanas do pós-parto. A fissura pode ocorrer quando as mamas estão com muito leite e algum tipo de dificuldade para esvaziamento pela pega incorreta, falta de orientação sobre a amamentação e alterações na boca do recém-nascido. O tratamento depende da causa e em alguns casos é possível utilizar pomada cicatrizante e laser, mas sempre com avaliação profissional.

Mastite puerperal: é uma inflamação que ocorre durante a amamentação e pode ou não estar relacionada a uma infecção e que geralmente ocorre entre a segunda e quarta semana do pós-parto. O diagnóstico pode ser feito com exame físico das mamas, que pode mostrar a região dolorida, avermelhada e endurecida. Neste momento a indicação é de esvaziar o leite, aumentar as mamadas e usar compressa fria para evitar uma piora.

Conversando com Bianca Balassiano, consultora de amamentação, ela ressaltou diversos aspectos importantes: "Conhecer o comportamento esperado do recém-nascido é, sem dúvida, a informação que mais tem o potencial de aumentar a autoconfiança e a autoeficácia de alguém que amamenta, portanto recomendo investir em leituras que podem desmistificar quem é o bebê que acaba de nascer e, se possível, conviver e conversar com pessoas que já tem seus bebês de colo e amamentam dia e noite.

Saber que um recém-nascido mama inúmeras vezes ao longo do dia e também da noite, sem intervalos regulares e, muitas vezes, de forma prolongada não traz alívio algum para o cansaço do puerpério, mas pode elucidar questionamentos importantes quando achamos que nosso leite é pouco ou é fraco."

Para auxiliar as famílias, profissionais especializados em amamentação desempenham um papel extremamente importante para que o processo ocorra da melhor forma possível.

Dayse Melo, também consultora de amamentação, explica um pouco mais sobre o trabalho dos consultores: "Esses profissionais que conduzem um processo tão complexo devem ser contratados antes mesmo da chegada do bebê, para que possam orientar de maneira efetiva a família e a rede de apoio, pois o entorno faz toda a diferença para continuidade e extensão do aleitamento materno."

A amamentação pode ser muito simples para uns e extremamente complexa para outros, não existe um modelo igual para todos, cada um deve se ajustar à sua realidade sabendo que a amamentação é um processo íntimo entre duas pessoas que acabaram de se conhecer e que podem precisar de tempo até esse ajuste.

Gostou deste texto? Dúvidas, comentários, críticas e sugestões podem ser enviadas para: dralarissacassiano@uol.com.br.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL