PUBLICIDADE

Topo

Jairo Bouer

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Por que nós, homens, continuamos obcecados com o tamanho 'dele' (o pênis)?

Cauã Reymond mandou nude em cena de "Um Lugar ao Sol" - Reprodução/ Globo
Cauã Reymond mandou nude em cena de "Um Lugar ao Sol" Imagem: Reprodução/ Globo
Conteúdo exclusivo para assinantes
Jairo Bouer

Jairo Bouer é médico psiquiatra formado pela Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) e pelo Instituto de Psiquiatria do HC-USP. Bacharel em biologia pela UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) e mestre em evolução humana e comportamento pela University College London (UCL). Nos últimos 30 anos, trabalha com comunicação em saúde e sexualidade nos principais veículos de mídia do país.

Colunista do VivaBem

12/11/2021 13h30

Sempre "ele"! Nesta semana o pênis voltou a "bombar" (sem trocadilho) nas redes sociais. Em uma cena da nova novela da Globo "Um Lugar ao Sol" exibida terça (9), o ator Cauã Raymond tira um "nude" para enviar para a namorada. Em poucos minutos, homens e mulheres "empolgados" já brincavam nas redes sociais pedindo para receber a foto "dele".

Para completar, no mesmo dia, o cantor Tiago Piquilo, um dos peões de "A Fazenda 13", da Record, revelou detalhes da cirurgia para aumento peniano realizada em julho desse ano. Ele comparou o procedimento a uma "harmonização facial", diz que ficou em recuperação um mês, que só teve um inchaço no local e afirmou que a "sensação" melhorou para ele e para a parceira. O sertanejo ainda comentou a repercussão que a cirurgia gerou na mídia.

Eterno gerador de angústia

Curioso notar que entra geração, sai geração, e o tamanho do pênis continua a ser um dos principais geradores de dúvidas e angústias do homem quando o assunto é saúde sexual. Aliás, essa questão parece incomodar muito mais os próprios homens do que as mulheres.

Na incursão mais recente que tenho tido nas redes sociais, no TikTok @jairobouer, trabalhando basicamente com adolescentes muito jovens, o assunto "tamanho do pênis" está entre os s campeões de audiência e um dos principais geradores de questionamentos. Separei, abaixo, alguns deles para você entenderem a dimensão dessa história:

  • "Tenho 14 e meu pênis é normal, mas chega na metade e ele afina e depois engrossa novamente. Tudo bem? " (Dúvida enviada com direito a desenho esquemático do dito cujo)
  • "Tenho 12 e meu pipi tem 7,5 cm. Isso é normal?"
  • "Estou com 17 e tenho problema com o tamanho do meu pênis. Também tenho muita vergonha. Existe alguma forma segura de deixar ele maior?"
  • "Tem um produto na internet que promete aumentar e engrossar o pênis. É farsa ou não?

Autoestima e masculinidade

A preocupação com tamanho e aparência do pênis, comum entre os mais jovens, acompanha muitos homens ao longo de boa parte da sua vida. A questão, que começa na adolescência como uma afirmação da masculinidade e da autoestima, pode ser reforçada por estereótipos sociais e culturais, que associam virilidade e desempenho ao tamanho do órgão sexual, e pode gerar um desconforto psíquico muito grande.

Antenado com essa angústia masculina, o mercado não demorou a oferecer toda sorte de métodos que prometem "entregar" o que os homens tanto buscam: tamanho e espessura. Pomadas, cremes, extensores, injeções e cirurgias podem brilhar aos olhos e desejos dos mais desavisados. Mas, além de resultados pífios, há riscos importantes.

Os riscos

Conversei com o urologista Daniel Suslik Zylbersztein sobre o assunto. Não existe hoje nenhuma técnica reconhecida pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) para aumento peniano. A exceção é o corte do ligamento suspensor do pênis para que ele "caia" um pouco e se projete um pouco mais para a frente. Na realidade, ele não aumenta de tamanho, só fica mais exposto e para baixo. Esse método tem resultado bem limitado e está indicado para situações específicas.

A maior parte das técnicas oferecidas traz riscos como cicatrização inadequada, deformidades no aspecto do pênis, além da possibilidade de infecção na região, que pode evoluir até para gangrena e necrose —às vezes até com necessidade de amputação de parte do pênis. Não é pouca coisa!

Meu corpo

Claro que as insatisfações com o corpo existem e é importante que sejam trabalhadas. Para algumas delas, com a evolução da medicina, há alternativas. Para outras, os resultados e problemas não compensam a aventura. Nesse caso, a ciência deve falar mais alto, e as pessoas precisam aprender a lidar com o que incomoda.

Será que um pênis de tamanho médio ou um pouco abaixo da média (cerca de 13 cm aqui no Brasil) precisa pesar tanto na vida e nas emoções dos homens? Educar sexualmente os mais jovens (e os mais velhos, por tabela) significa, também, fazer com que as pessoas aprendam a viver melhor com seu corpo, seu pênis e suas emoções.

Para saber sobre saúde e comportamento jovem, cheque meu site doutorjairo.uol.com.br/.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL