PUBLICIDADE

Topo

Gustavo Cabral

Vacina vai proteger da covid mas, mesmo imune, você poderá transmitir vírus

Mesmo após o início da vacinação, deveremos seguir usando máscara para não espalhar o coronavírus - iStock
Mesmo após o início da vacinação, deveremos seguir usando máscara para não espalhar o coronavírus Imagem: iStock
Gustavo Cabral

Gustavo Cabral é imunologista PhD pela USP (Universidade de São Paulo), pós-doutorado pela Universidade de Oxford (Inglaterra) e pela Universidade de Berna (Suíça), e pesquisador da USP/Fapesp

Colunista do VivaBem

01/12/2020 12h18Atualizada em 01/12/2020 13h54

Toda a população aguarda ansiosamente por uma vacina segura e eficiente para combater o novo coronavírus (Sars-CoV-2). E uma dúvida muito comum é como essas imunizações vão funcionar: elas vão proteger nosso organismo da infecção pelo vírus ou permitir que o corpo seja infectado e impedir que a covid-19 se desenvolva?

Pode parecer a mesma coisa, afinal, de qualquer jeito quem tomar a vacina não ficará doente. Mas não é e a forma como a proteção funciona vai determinar os cuidados que teremos que tomar para conter a pandemia após a vacinação começar.

De forma simples, o princípio de uma vacina é a prevenção. Ou seja, ela estimula o nosso organismo a desenvolver uma defesa para, se tivermos contato com o agente agressor —vírus ou bactéria— o sistema imune esteja apto a destruir esse agente antes que ele infecte nossas células, órgãos e desenvolva uma doença.

Pensando assim, o objetivo da vacina ante o Sars-CoV-2 seria estimular uma resposta imune que, se tivermos contato com o coronavírus, o sistema imunológico aja rapidamente e elimine o vírus antes que ele entre nas células de nosso corpo. Mas, infelizmente, as vacinas que estão sendo desenvolvidas não têm essa capacidade. O potencial das vacinas em testes tem como objetivo primário a proteção da doença. Ou seja, desenvolver uma resposta imune que consiga lutar contra o vírus ao ponto de ele não se espalhar pelo corpo de uma forma que desenvolva a covid-19. Isso, em princípio, também é algo muito bom, pois vai evitar a internação de muitos pacientes e ajudar a salvar muitas vidas.

Contudo, um ponto crucial é que, mesmo vacinada e sem desenvolver a covid-19, uma pessoa pode pegar o coronavírus e transmitir para outras pessoas.

Isso pode acontecer pois, para desenvolver a doença no ser humano, o vírus se prolifera no organismo e cria uma carga viral alta. Se o sistema imunológico já tiver uma preparação prévia para enfrentar esse vírus, por exemplo por ter recebido uma vacina, o corpo vai lutar de maneira mais eficientemente para que esse vírus não prolifere ao ponto de adoecer. Porém, em muitos casos, nesse período de luta entre sistema imune e vírus, mesmo com uma carga viral baixa, o coronavírus pode ser transmitido para outras pessoas.

Cuidados deverão continuar após vacinação

Essa informação de que a vacina protege "só" contra a doença é muito relevante, pois boa parte das pessoas dizem estar só esperando a hora de tomar a vacina para deixar de usar máscara e acabar com o distanciamento social.

Porém, levando em consideração que a vacina pode proteger da doença, mas não necessariamente do vírus, mesmo vacinados, ainda precisaremos continuar usando máscara e evitar beijos, abraços e aglomerações até que a pandemia esteja controlada. Isso porque, mesmo que você esteja vacinado, pode transmitir o vírus para quem ainda não recebeu a imunização. Ou seja, em 2021, mesmo com vacinas licenciadas para aplicação em humanos, continuaremos usando máscara e tomando certos cuidados.

Estou dizendo isso só para gerar susto ou chateação? Não!

Meu objetivo aqui é levar informação e provocar o maior senso de responsabilidade das pessoas. Chamar a atenção de que o uso da máscara não é nada perto de vidas que temos perdido diariamente. Um sacrifício que não afeta a vida de ninguém. Aliás, afeta, sim, mas para o bem. Quando usamos a máscara, salvamos vidas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.