PUBLICIDADE

Topo

Fernando Guerreiro

Treino regenerativo: entenda seus benefícios e quando fazer a atividade

Fernando Guerreiro

Fernando Guerreiro é formado em educação física e especializado em treinamento funcional. Atleta amador, já completou ultramaratonas e triatlos, e é também head coach da We Move Brasil, equipe de treino especializada em desenvolver um estilo de vida saudável e transformador.

Colunista do UOL

24/10/2020 04h00

Quer saber como diminuir aquela sensação de cansaço e dor muscular por causa da rotina de exercícios físicos e otimizar a recuperação muscular? Uma boa opção para isso é investir no treino regenerativo, que nada mais é do que uma atividade feita em ritmo bem leve, como um trote ou caminhada (dependendo do seu condicionamento).

O treino regenerativo deve ser realizado no dia seguinte a um treino muito intenso ou longo, que gera grande desgaste físico no corpo e dores.

Ao movimentar o corpo de maneira leve na atividade regenerativa, ocorre uma pequena aceleração da frequência cardíaca, o que aumenta o fluxo sanguíneo. Isso ajuda o organismo a eliminar algumas substâncias tóxicas (produzidas no treino intenso) com mais facilidade e se restabelecer em menos tempo. Além disso, o treino promove a produção de substâncias que ajudam a relaxar.

Veja alguns dos benefícios do treino regenerativo:

- Contribui para a remoção do excesso de lactado nas fibras dos músculos;

- Reduz o risco de surgirem lesões e distensões musculares;

- Acelera o processo de recuperação dos tecidos musculares;

- Proporciona uma sensação de bem-estar e conforto;

- Aumenta as chances de melhorar a performance na próxima sessão de treino;

- Transporta o oxigênio para todas as partes do corpo com mais eficiência;

- Relaxa as fibras musculares;

O tempo de duração costuma variar entre 30 minutos e a atividade deve ser combinada com uma alimentação saudável e balanceada, com esse método incluso na sua rotina certamente você verá grande evolução nos seus treinos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL