PUBLICIDADE

Topo

Fernanda Victor

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Você sabe quando procurar um endocrinologista?

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Fernanda Victor

Fernanda Victor é médica endocrinologista e metabologista. É titulada pela SBEM (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia) e mestre em ciências da saúde pela UPE (Universidade de Pernambuco)

Colunista do UOL

13/01/2022 04h00

A especialidade médica denominada endocrinologia aborda uma ampla variedade de problemas de saúde. Nem todo mundo sabe quais são as áreas de atuação do médico endocrinologista, mas já adianto que não se limita aos cuidados com obesidade, diabetes e tireoide.

A endocrinologia cuida dos transtornos relacionados ao sistema endócrino, que contém as glândulas responsáveis por produzirem e liberarem os hormônios —substâncias químicas que regulam o funcionamento do organismo.

Essa especialidade, portanto, tem como objetivo reconhecer e tratar qualquer distúrbio de ordem hormonal, ajudando a restabelecer o equilíbrio do nosso corpo.

É recomendado procurar um médico endocrinologista em situações que podem indicar alguma disfunção hormonal, tais como:

Oscilações no peso: ganho de peso excessivo ou perda de peso inexplicada.

Doenças da tireoide: deficiência (hipotireoidismo) ou excesso (hipertireoidismo) de hormônios tireoideanos, lentificando ou acelerando o metabolismo; nódulos ou aumento do volume do pescoço.

Diabetes: alteração na produção ou na ação da insulina podem provocar aumento na glicemia (açúcar do sangue). Embora o diabetes seja predominantemente uma doença silenciosa, é importante reconhecer alguns sinais de alerta: perda de peso involuntária, sede excessiva, aumento do apetite e da frequência urinária podem ser indicativos de excesso de glicose no sangue.

Distúrbios do colesterol e triglicerídeos: elevações no colesterol e/ou nos triglicerídeos dificilmente ocasionam sintomas, mas precisam ser avaliados periodicamente, pois suas alterações estão associadas a um maior risco de desenvolver problemas cardiovasculares (infarto e AVC).

Queda de cabelo: nosso cabelo é bastante sensível às alterações hormonais. Diante de uma percepção real de queda de cabelo acentuada, disfunções hormonais precisam ser investigadas.

Excesso de pelos no corpo: causas hormonais podem estar associadas ao aumento de pelos grossos no corpo. Nas mulheres, quando o excesso de pelos surge em regiões tipicamente masculinas (rosto, barriga, seios e costas), é chamado hirsutismo.

Osteoporose: a perda de massa óssea pode ser investigada e tratada por um médico endocrinologista, minimizando o risco de desenvolver fraturas por fragilidade.

Doenças da hipófise: localizada na base do cérebro, a hipófise é a glândula que regula o funcionamento das outras glândulas endócrinas. Disfunções na hipófise podem acarretar secreção de leite pelas mamas, problemas na visão, dores de cabeça, infertilidade, dentre outras alterações.

Distúrbios da menstruação: irregularidade menstrual e sangramentos disfuncionais podem representar algum problema hormonal.

Dificuldade para engravidar: alterações hormonais estão entre as principais causas de infertilidade e precisam ser descartadas durante a investigação.

Menopausa/andropausa: nesse período de tantas mudanças e flutuações hormonais, a avaliação dos riscos e benefícios da reposição hormonal é uma das atribuições do endocrinologista.

Como os hormônios regulam praticamente todas as funções orgânicas, o endocrinologista te ajudará a garantir o bom funcionamento do seu corpo.

Esteja atento aos sinais de alerta, mas, sempre que possível, priorize a prevenção. Para cuidar da sua saúde, não deixe de se certificar que o profissional escolhido é realmente especialista na área.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL