PUBLICIDADE

Topo

Elânia Francisca

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Psicoterapia na adolescência é algo realmente necessário?

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Elânia Francisca

Elânia Francisca é psicóloga, especialista em gênero e sexualidade e mestra em educação sexual. Realiza atividades educativas, consultoria e supervisão nas temáticas de gênero, sexualidade e direitos sexuais e reprodutivos.

Colunista do UOL

17/09/2021 04h00

Muitas pessoas ainda acreditam que adolescência e puberdade têm o mesmo significado, por isso vou começar essa reflexão explicando a diferença entre as duas.

A palavra puberdade vem do latim pubertas e significa "coberto de pelos". Trata-se de um momento do desenvolvimento humano no qual acontecem mudanças corporais e também emocionais. Ela, normalmente, acontece entre 8 e 14 anos de idade e é nesse período que nossos corpos começam a produzir hormônios como testosterona, estrogênio e progesterona. Esses hormônios são responsáveis pelo aumento e engrossamento dos pelos nas axilas, púbis, pernas e rosto. Também acontece a menarca (primeira menstruação) e semenarca (primeira ejaculação com a presença de espermatozoides).

Já a palavra adolescência vem do latim adolescere, que significa crescer. O termo adolescente se refere à pessoa que está na fase crescente. E essa fase da vida não está relacionada a nenhuma questão fisiológica, mas parte dela acontece junto com a puberdade, por isso muitas pessoas confundem a adolescência com a puberdade.

Então, recapitulando: a puberdade ocorre entre os 8 e 14 anos, já a adolescência, por ser uma construção social e histórica, pode variar de cultura para cultura. Aqui no Brasil temos a definição do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), que diz que essa fase começa aos 12 anos e finda aos 18.

Saúde mental na segunda década da vida

Independentemente de serem duas coisas diferentes, é importante saber que tanto a adolescência quanto a puberdade provocam intensas mudanças. Além disso, a segunda década da vida ainda é muito estigmatizada, sendo muitas vezes adjetivada, de forma pejorativa, por pessoas adultas, como "aborrecência", que dá conotação de que essa é a fase do aborrecimento.

Se para pessoas adultas lidar com as mudanças de adolescentes já é difícil, imagine ser a pessoa que está sentindo essas mudanças, literalmente, na própria pele?

Imagine acordar um dia e seu corpo estar totalmente mudado, sua voz falhando, espinhas pelo rosto e costas, pelinhos crescendo em regiões inesperadas e seu humor mudando a cada hora. Agora imagine tudo isso somado ao desconforto de se olhar no espelho, ter vergonha da não-aceitação em grupos de amizades e o conflito de querer conversar sobre tudo isso e temer não ser compreendida em sua angustia?

Muitas pessoas que estão na adolescência sentem a pressão de ter que pertencer a um grupo social e, ao mesmo tempo, lidar com novas formas de olhar para o próprio corpo e compreender suas emoções.

A psicoterapia, nessa fase da vida, surge como um espaço seguro que possibilita a expressão de sentimentos sem julgamento, além de ser sigiloso. É importante que saibamos que o processo terapêutico pode auxiliar no desenvolvimento saudável, contribuindo para que a passagem pela adolescência seja feita com potência e autocuidado.

Como escolher uma profissional?

Se você é uma pessoa adulta e está buscando profissional para atender algum adolescente, o primeiro passo é dialogar com o adolescente em questão sobre a possibilidade da psicoterapia. Pergunte se ele sente o desejo de iniciar esse percurso e se quer conhecer um profissional. Explique que a psicoterapia não significa que ele está doente ou fragilizado, mas que esse é um espaço de autocuidado seguro e sigiloso.

Agora, se você é adolescente e quer iniciar um processo de psicoterapia, dialogue com a pessoa adulta responsável por você e informe de seu desejo.

O próximo passo é buscar o profissional. Existem algumas formas de fazer essa pesquisa. Você pode procurar em seu convênio médico, por indicação de pessoas que já estão em psicoterapia, além disso, alguns profissionais possuem perfis em redes sociais. Também é possível buscar atendimento em clínicas-escola, que são as clinicas de universidades que têm o curso de psicologia. Lá, o adolescente será atendido por estudantes do último ano que recebem supervisão do corpo docente.

A psicoterapia para adolescentes é uma possibilidade de reflexão sobre si e pode auxiliar bastante nessa fase da vida. É importante dizer que familiares e responsáveis por adolescentes também podem se beneficiar de um processo em psicoterapia, afinal muitas mães, pais e cuidadores apresentam dificuldade em aceitar que aquela criança, que até ontem engatinhava pela casa, cresceu.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL