PUBLICIDADE

Topo

Edmo Atique Gabriel

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

É fim de ano: dicas para uma mente saudável mesmo com o corpo cansado

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Edmo Atique Gabriel

Professor livre-docente na Unilago (União das Faculdades dos Grandes Lagos), palestrante, especialista em cirurgia cardiovascular com aprimoramento em centros como Harvard Medical School e Cleveland Clinic e pós-graduado em nutrologia médica pela Abran (Associação Brasileira de Nutrologia).

Colunista do UOL

11/12/2021 04h00

Estamos encerrando mais um ano. E que ano! Vivenciamos as oscilações de uma pandemia que ainda nos incomoda, mas que finalmente acusa sinais de cansaço. Estamos saturados, todos sonhamos com a retomada de uma vida mais próxima da normalidade do passado. Ainda que as cicatrizes deste difícil período sejam intocáveis na mente e alma de todos nós, temos de prosseguir.

As festas de fim de ano estão chegando. Nota-se aquela movimentação típica nas ruas, o comércio tentando se desdobrar para fazer negócios e ao menos recuperar uma parte das incontáveis perdas financeiras. Não temos como deixar em segundo plano a questão do excessivo estresse acumulado nestes últimos dois anos.

Desta forma, estresse acumulado e a iminência de um descanso nestes dias festivos podem aflorar uma perigosa tendência em cada um de nós, popularmente conhecida como "chutar o balde".

Sabe aquela perigosa sensação de liberdade, de achar que podemos fazer tudo e que não haverá consequências. Seria como acumular dívidas sempre achando que um dia teremos condições de pagar.

Nesta linha de raciocínio errôneo, muitas pessoas não percebem que os dias festivos no fim de ano são dias apenas um pouco diferentes do padrão, talvez em relação ao grau de convivência familiar, reunião de amigos e um certo compromisso de presentear os entes queridos.

Mas se analisarmos friamente, são dias comuns do ponto de vista dos limites que devemos respeitar, das necessidades orgânicas que devemos considerar e dos riscos que corremos de acordo com a força de nosso "chute no balde".

Como as doenças não escolhem datas, horários, não esperam o Papai Noel passar nem tampouco o novo ano entrar, devemos estar atentos com algumas dicas saudáveis que permitirão que estes dias tão especiais sejam efetivamente dias festivos e de celebração familiar.

Dica 1 - Descansar não é pecado

Muitas pessoas ficam nitidamente incomodadas com o ócio, com ambientes mais silenciosos, com ruas menos movimentadas. Buscar a reflexão, a paz do silêncio, aquela leitura sem pressa, caminhar sem preocupação com horário —isto tudo é um verdadeiro antídoto contra qualquer doença.

Dica 2 - Evitar dormir muito tarde

Quando o propósito é descansar, o cardápio deve obrigatoriamente incluir um sono reparador, sendo que para isto precisamos organizá-lo. Esta organização significa tentar dormir mais cedo ao longo da maior parte dos dias festivos, evitando também qualquer alimento ou bebida que possa interferir com nosso nível de humor e de relaxamento.

Alimentos muito condimentados e bebidas estimulantes à base de cafeína deveriam ser consumidos com extrema moderação, principalmente no período noturno.

Dica 3 - Evitar desgastes desnecessários com suas contas e compromissos

Cartão de crédito cartão de débito carteira vazia finanças pessoais dinheiro falência dívidas orçamento - Doucefleur/iStock - Doucefleur/iStock
Imagem: Doucefleur/iStock

Então é Natal! Isto não significa que as contas, as despesas corriqueiras e os compromissos estarão dando uma trégua. Tudo continua como sempre foi, exigindo de nós um planejamento financeiro, uma otimização dos gastos e uma programação para os primeiros dias de 2022. As pessoas que ignoram este fato começam a se estressar, ficar irritadas, perder a paciência facilmente, como se estas reações fossem mudar alguma coisa ou trazer qualquer alívio.

Dica 4 - Não queira ser herói ou heroína

Nos fins de ano, todos nós ficamos empolgados com a possibilidade de fazer mudanças em nossas vidas. Na vida pessoal, queremos melhorar nosso papel dentro do núcleo familiar; na vida profissional, planejamentos e estratégias que beiram a perfeição.

Na prática, no entanto, sabemos que as coisas não funcionam desta forma. Precisamos ter paciência com nossas limitações e encarar a necessidade de trabalhar em grupo como uma eterna meta a ser aprimorada. Querer resolver tudo, deixar todas as arestas aparadas, literalmente "abraçando o mundo", o que pode significar doenças pela frente, decepções e sentimento de autoestima baixa. Precisamos sobreviver a mais um ano; não precisamos de heróis ou heroínas.

Dica 5 - Olhar para frente

Sabe aquele famoso peso de consciência? Quem nunca sentiu isto? Seja na forma de arrependimento, remorso ou tristeza, todos nós, nos finais de ano, começamos um processo de autopunição pelos erros, falhas e oportunidades perdidas.

Como não temos forma de voltar no tempo, precisamos tomar muito cuidado para que estas sensações não criem sintomas orgânicos limitantes, como constantes palpitações e dores pelo corpo. O que for possível reverter, fica como uma meta para o próximo ano. O que for irreversível —temos de caminhar e saber conviver.

Dica 6 - Sorria mais

amigas rindo, amizade, risada, sorriso, alegria, satisfação - iStock - iStock
Imagem: iStock

O rosto que estampa um sorriso não reflete necessariamente um estado de felicidade. Você pode estar com muitos problemas e preocupações, mas conseguindo manter uma rotina mais leve a partir do ato solene de sorrir, pode aliviar a dor física e da alma e, desta forma, não sobrecarregar seus órgãos. Não podemos subestimar o potencial de uma ansiedade intensa em desencadear um desequilíbrio hormonal e repercussões orgânicas significativas.

Dica 7 - Leia mais

A leitura pode ser um exercício mental capaz de acalmar pensamentos revoltos e angústias. Manter a mente focada em um texto, em uma determinada narrativa, alivia tensões e pode esfriar todo o fardo que tivemos de carregar ao longo de um ano difícil.

Dica 8 - Observe mais a natureza

Regeneração da natureza - Amenic181/iStock - Amenic181/iStock
Imagem: Amenic181/iStock

As leis da natureza são muito objetivas quanto a dois ensinamentos —moderação e periodicidade. Esta moderação reflete-se nos hábitos alimentares, consumo das bebidas alcoólicas e também na questão de nossa empolgação individual. A periodicidade implica em saber respeitar o tempo e seu ritmo, não querer avançar nas expectativas e depois se frustrar.

Dica 9 - Aprenda com as adversidades

Fazendo uma estatística muito simples: nós agradecemos ou reclamamos mais ao longo de cada ano? Blasfemamos ou agradecemos a possibilidade de vivenciar situações difíceis? Saber extrair os pontos positivos de uma situação difícil faz muita diferença em nossa saúde.

Dica 10 - Adapte-se ao "novo normal"

Precisamos recriar um novo mundo. Mas o começo está em nós mesmos, na forma de pensar e agir. Querer insistir com aquilo que um um dia foi bom e deu certo, pode prejudicar nosso equilíbrio orgânico. Ficar irritado e inconformado porque você não gosta de fazer reuniões online e participar de lives são exemplos de intolerância e de conservadorismo que só irão agravar problemas de pressão arterial, problemas digestivos e afecções de pele.

Mente e corpo interligados

A energia de um fim de ano é demasiadamente contagiante. As sensações são diferentes de qualquer outra época do ano. Mas tudo isto não nos protege de problemas emocionais e das doenças. Precisamos seguir uma cartilha básica e considerar que alguns comportamentos adotados serão determinantes em tornar esta época verdadeiramente festiva.

Além de hábitos alimentares saudáveis e cuidar da parte física, devemos cultivar alguns hábitos que começam na consciência individual e se estendem para nosso corpo. Atitudes como valorizar o descanso, organizar-se melhor e sorrir mais podem tornar o efeito de uma alimentação saudável muito mais promissor.

Devemos pensar em terminar o ano de forma saudável, não restritos a simplesmente escolher os melhores alimentos ou cuidar mais do corpo. A mente, a consciência, nossa programação mental são essenciais para que nossos órgãos funcionem bem, nossos hormônios estejam equilibrados e o estresse devidamente estabilizado.