PUBLICIDADE

Topo

Edmo Atique Gabriel

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Sabia que existe relação entre batimentos cardíacos e o câncer? Entenda

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Edmo Atique Gabriel Edmo Gabriel

Professor livre-docente na Unilago (União das Faculdades dos Grandes Lagos), palestrante, especialista em cirurgia cardiovascular com aprimoramento em centros como Harvard Medical School e Cleveland Clinic e pós-graduado em nutrologia médica pela Abran (Associação Brasileira de Nutrologia).

Edmo Gabriel

Colunista do VivaBem

27/11/2021 04h00

Quando se fala em câncer, imediatamente começamos a pensar em algumas coisas —diagnóstico precoce, luta pela vida e busca incansável por novas terapias.

A ciência continuamente tenta encontrar pistas para melhor caracterizar esta terrível doença e um aspecto extremamente interessante e que merece atenção de todos nós é a correlação entre o comportamento dos nossos batimentos cardíacos e o câncer.

Primeiramente, precisamos lembrar que o câncer, em linhas gerais, representa um processo inflamatório intenso associado ao descontrole da multiplicação das células. Para ficar mais fácil de entender, o câncer se instala em um determinado órgão de tal forma que as células deste órgão, anteriormente saudáveis, começam a se multiplicar de acordo com um ritmo "estranho " e agressivo. Dali em diante, o controle da doença tende a ficar cada vez mais difícil.

Essa mudança no comportamento das células de um certo órgão acarreta repercussões em outras partes do corpo e também em parâmetros vitais para nossa saúde, como a pressão arterial e os batimentos cardíacos. Possivelmente muitas mudanças metabólicas podem ser desencadeadas por um câncer, promovendo sobrecarga e estresse ao trabalho do coração.

Todos nós, ao longo de um dia comum, apresentamos uma certa variabilidade de batimentos cardíacos. Algumas condições interferem nesta variabilidade, como o frio, o calor, a sensação de dor, a sensação de fome, o estado de ansiedade, a irritabilidade e os níveis de poluição atmosférica. Dessa forma, é considerado normal que uma pessoa conviva com elevações e quedas dos batimentos cardíacos ao longo do mesmo dia.

Alguns tipos de câncer, como câncer de pulmão, câncer de intestino e câncer de pâncreas podem, ao longo de seu curso natural, provocar mudanças mais repentinas e mais acentuadas nos batimentos cardíacos e este cenário passa a ser altamente indicativo da evolução e prognóstico destas doenças.

Em geral, quando acompanhamos uma pessoa que está lutando contra um câncer, a tendência é focar na aparência física, no emagrecimento, na perda de massa muscular e em alguns sinais ou sintomas muito comuns como falta de ar, febre e perda de apetite. No entanto, cada vez mais tem sido estudada esta relação entre os batimentos cardíacos e o câncer. Muitos estudos têm demonstrado que, quando os batimentos cardíacos atingem níveis muito elevados e permanecem nesta condição por tempo indeterminado, o prognóstico do câncer tende a não ser favorável.

Quando a frequência cardíaca se estabelece em níveis elevados por tempo prolongado, ocorrem alterações no funcionamento de outros órgãos —acúmulo de líquidos nos pulmões ("água" nos pulmões), declínio mental (comprometimento da memória e do raciocínio) e redução progressiva da diurese. Vejam que esta mudança nos batimentos cardíacos, causada pela atividade inflamatória de alguns tipos mais agressivos de câncer, pode abreviar significativamente o tempo de sobrevida.

Os três tipos de câncer citados —pulmão, intestino e pâncreas—, quando não diagnosticados de forma precoce, costumam exigir tempo prolongado de quimioterapia. Não bastasse isto, esses tumores comprometem o equilíbrio alimentar, não somente por afetar nossa flora intestinal, mas também por liberar toxinas que causam muita perda de apetite. A quimioterapia consiste em um tratamento eficaz mas também tóxico, podendo contribuir para a cardiotoxicidade, ou seja, efeitos tóxicos dos medicamentos quimioterápicos no músculo do coração.

O impacto do câncer em nossa flora intestinal e qualidade alimentar, juntamente com os efeitos tóxicos da quimioterapia, acaba causando anemia também, a qual é mais um mecanismo que favorece a elevação dos batimentos cardíacos. Esta anemia pode ocorrer pelo fato do câncer provocar hemorragias, por mudar a absorção intestinal dos nutrientes e por causar perda de apetite com redução do aporte de ferro para nosso organismo.

A radioterapia pode ser um outro tipo de tratamento para o câncer, como no caso de um câncer de pulmão mais agressivo. Este tipo de radiação pode causar pequenas queimaduras nos tecidos e, no caso da radioterapia para câncer de pulmão, o coração acaba sendo comprometido também. Estes efeitos da radiação inflamam o músculo cardíaco (miocárdio), causando uma miocardite, a qual pode cursar com falência aguda ou crônica do coração. Este tipo de miocardite pode manter os batimentos cardíacos elevados também por tempo indeterminado.

Para finalizar esta discussão sobre o impacto do câncer no comportamento dos batimentos cardíacos, vale acrescentar que é muito natural que quadros depressivos estejam presentes desde o diagnóstico do câncer e durante todo o tratamento. Quem enfrentou ou está enfrentando uma depressão sabe que constantemente ocorre elevação dos batimentos cardíacos e sintomas associados como falta de ar e perda de apetite.

Sempre que alguém é diagnosticado com câncer, a vida desta pessoa muda completamente.

São muitas sensações reunidas em um único corpo —medo, apreensão, dor, cansaço e coração acelerado. Esse último deve ser muito bem acompanhado, pois tem importância durante o tratamento, especialmente para melhor compreensão do prognóstico. Lutar contra o câncer também é vigiar os batimentos cardíacos ao longo de todo o processo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL