PUBLICIDADE

Topo

Edmo Atique Gabriel

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Os efeitos de um sorriso para nossa saúde

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Edmo Atique Gabriel

Professor livre-docente na Unilago (União das Faculdades dos Grandes Lagos), palestrante, especialista em cirurgia cardiovascular com aprimoramento em centros como Harvard Medical School e Cleveland Clinic e pós-graduado em nutrologia médica pela Abran (Associação Brasileira de Nutrologia).

Colunista do UOL

13/11/2021 04h00

Em palestras motivacionais e livros de autoestima, somos sempre engajados a sorrir frente às dificuldades da vida. Sorrir como forma de enfrentamento, sorrir como forma de vivenciar corajosamente uma longa tribulação.

A natureza nos ensina que um sorriso pode ser a porta de entrada para um outro sorriso. Observem que quando um bebê sorri, e este sem dúvida alguma consiste num dos mais espontâneos sorrisos, qualquer pessoa não tem outra alternativa que não seja sorrir também.

O sorriso de um bebê acaba sendo o gatilho de um estado de espírito que se estabelece entre aquele pequeno ser ainda inocente e aquele outro ser que certamente se entrega a tamanha energia. O mesmo ocorre quando somos recebidos por nossos animais de estimação, que expressam sua alegria e emoção quando reencontram seus donos ao final de um exaustivo dia.

Imagine que você esteja enfrentando uma batalha contra um determinado câncer, você se sente debilitado e percebe que suas forças estão limitadas. Quando alguém sorri para você, outra paisagem da vida se apresenta diante de você, com outras cores, com um poderoso efeito analgésico que alivia as dores físicas e de sua alma.

Uma pessoa que está enfrentando um quadro depressivo tende a chorar e se isolar constantemente, não quer ver ninguém e prefere ficar longe do mundo que a cerca. Esta pessoa, quase que algemada por este sentimento limitante de uma forte depressão, não consegue resistir ao poder de um sorriso. As coisas podem mudar rapidamente quando um sorriso espontâneo exerce seus efeitos terapêuticos nas dores físicas e anímicas desta pessoa depressiva.

Em alguns momentos, podemos considerar o sorriso como algo que se opõe ao choro. Mas isto nem sempre é uma verdade. Vejam que, em muitas situações, um sorriso está expresso de forma cristalina nas lágrimas de uma pessoa. Quantas vezes já tivemos de chorar para sentir aquele alívio no coração! O choro pode ser um disfarce do sorriso, capaz de mudar a frequência cardíaca e até mesmo os níveis da pressão arterial de uma pessoa.

O sorriso tem uma capacidade esplendorosa de valorização de uma pessoa. E valorizar alguém significa estimular seu bem-estar e aguçar sua autoestima. Uma pessoa plena quanto a esta sensação de bem-estar e autoestima dificilmente fica doente, dificilmente terá um infarto do coração e um AVC.

amigas rindo, amizade, risada, sorriso, alegria, satisfação - iStock - iStock
Imagem: iStock

Ainda que pareça especulativo, sorrir efetivamente pode mudar o curso de uma doença ou a predisposição para uma certa doença. Muitos estudos já mostram que os efeitos de um sorriso e de um estado de humor positivo podem ser decisivos durante o tratamento de várias doenças.

Um coração angustiado não é pura e simplesmente uma figura de linguagem usada em poemas e textos românticos. Existem, sim, angústias em nosso coração e quem de nós nunca experimentou esta sensação? A morte de um ente querido, uma traição, uma revelação bombástica, uma grande decepção, uma injusta agressão.

Um coração angustiado pode mudar radicalmente nosso equilíbrio imunológico. Em nosso corpo, existem células conhecidas como "natural killers", ou também chamadas de assassinas naturais, as quais participam de nossas defesas orgânicas contra muitas doenças, como o câncer. Muitos pesquisadores já observaram que as pessoas que estão sob forte estado de tristeza e angústia apresentam redução importante do número destas células.

Assim, dizer que uma determinada pessoa desenvolveu um câncer ou foi vitimada por um infarto, em um cenário de profunda angústia, nunca será uma balela, mas, sim, uma dura realidade que certamente já atingiu nossos familiares e amigos.

E quanto a sorrir diante da morte iminente? Seria possível isto? Veja bem, ninguém em sã consciência irá sorrir sabendo que sua morte se aproxima ou diante da morte de outra pessoa . O sentido é outro completamente diferente. Sorrir diante da morte seria ativar certos circuitos em nosso cérebro que nos permitem conviver com a realidade, ter paz.

Em nosso corpo, dois sistemas muito importantes coordenam nossas funções orgânicas —conhecidos como sistemas simpático e parassimpático. Ambos se equilibram e se complementam, de tal forma que os batimentos cardíacos, a pressão arterial, o fluxo sanguíneo e tantos outros parâmetros permanecem estáveis.

O poder de um sorriso é tão significante que ele é capaz de atuar neste equilíbrio e nesta estabilidade. Basta que tenhamos este hábito, mesmo em situações difíceis e adversas.

Para aqueles que ainda duvidam, experimentem sorrir mais. Cultivem este hábito que é tão saudável como praticar atividades físicas e escolher os melhores alimentos.

Nossa saúde não depende daquilo que aparentamos ser, uma aparência pode ser enganosa. Nossa saúde depende daquilo que sedimentamos e assimilamos em nosso corpo e nossa alma.

O sorriso é capaz de mudar paradigmas hormonais, cardiovasculares e neurológicos. Sorrir é um ato de amor que favorece sua própria saúde e a saúde de quem está próximo de você.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL