PUBLICIDADE

Topo

Edmo Atique Gabriel

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Você sabia que o ferro é essencial para a prática da corrida?

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Edmo Atique Gabriel

Professor livre-docente na Unilago (União das Faculdades dos Grandes Lagos), palestrante, especialista em cirurgia cardiovascular com aprimoramento em centros como Harvard Medical School e Cleveland Clinic e pós-graduado em nutrologia médica pela Abran (Associação Brasileira de Nutrologia).

Colunista do UOL

21/08/2021 04h00

A natureza ensina que o movimento é salutar para a vida, o movimento conduz a vida. O movimento produz renovação, reciclagem e desintoxicação. As águas se movem, os ventos fluem, as labaredas do fogo liberam calor e os animais correm em busca de alimentos e sua sobrevivência. Dessa forma segue o curso da vida, baseada no movimento, na dinâmica do constante deslocamento.

E o ser humano, como se comporta neste cenário? A realidade é a mesma: as pessoas precisam "correr" atrás dos seus objetivos, dos sonhos projetados, trabalhar em busca de seu sustento. Ainda que basicamente instintiva, esta necessidade de executar movimentos fez com que com as pessoas também apreciassem os movimentos, em busca de plasticidade corporal, condicionamento e melhor controle de seus reflexos.

Todos os tipos de movimentos são fundamentados por sua intensidade e também pelos limites necessários a manutenção de um certo equilíbrio. Explicando melhor: quando as ondas do mar extrapolam nos quesitos altura e intensidade, causam destruição; quando as chamas do fogo assumem um formato gigantesco, destroem de forma impiedosa e quando o fluxo dos ventos torna-se demasiadamente desorganizado, tufões e furacões formam-se e arrasam tudo o que estiver pela frente.

O mesmo princípio vale para o movimento físico de um ser humano: quando uma pessoa pratica uma atividade aeróbica, a corrida por exemplo, esta pessoa está sujeita ao confronto entre seu limite físico e suas reservas de fôlego e de nutrientes.

Ocorrendo um desequilíbrio significativo, podemos verificar que o corredor ou aquele atleta já condicionado, começa a fadigar, tendo como um dos fatores um quadro de deficiência progressiva de ferro e das reservas de ferro no seu corpo.

O ferro é um mineral essencial à saúde e necessário a um bom desempenho físico, sobretudo em atividades como a corrida. O ferro está envolvido na produção de proteínas que transportam oxigênio em nosso corpo, como a hemoglobina, presente nos glóbulos vermelhos de nosso sangue e a mioglobina, presente nos nossos músculos.

Aliás, por falar em músculos, não devemos nos esquecer que os músculos são estruturas que abrangem quantidade significativa de vasos sanguíneos e, portanto, dependem de muito fluxo de oxigênio para seu adequado movimento. Quando praticamos a corrida, este suprimento incompleto de oxigênio aos músculos pode causar inflamações, dores e roturas indesejáveis.

No tocante a esta relação entre os níveis e reservas de ferro e o desempenho físico numa corrida, existem dois aspectos importantes a considerar.

Primeiramente entender que uma pessoa que apresenta deficiência de ferro não conseguirá ter fôlego nem resistência para manter uma atividade de corrida em bom nível. Lembrem-se sempre de que o ferro está intrinsecamente relacionado ao transporte de oxigênio em nosso corpo.

A segunda análise que devemos fazer é que, dependendo da intensidade e periodicidade da corrida, tal como o padrão adotado em termos de alimentação e suplementação, sabemos que a corrida pode gradativamente causar e agravar a deficiência dos níveis e reservas do ferro.

Seja qual for o ponto de vista, devemos destacar que a pessoas com deficiência de ferro e que praticam corrida, tendem a se queixar de muita fadiga, intolerância às variações de velocidade, problemas na regulação da temperatura do corpo, queda de imunidade e muita dificuldade para se adaptar às situações de estresse.

Uma causa básica da deficiência de ferro pode ser uma alimentação inadequada, frente às demandas energéticas que a corrida impõe. Nem todos os alimentos são ricos em ferro e muitas vezes é necessária uma suplementação rigorosa.

Neste campo de discussão, vale a observação acerca das pessoas vegetarianas ou veganas, as quais precisam de uma suplementação muito especial do ferro, a fim de tolerar as exigências de uma corrida.

Outra situação que pode comprometer os níveis e reservas do ferro é a existência de algum tipo de sangramento ou hemorragia, pode ser um fluxo menstrual acentuado nas mulheres, pode ser a formação de uma hematoma dentro de uma cavidade do corpo ou mesmo um sangramento intestinal ou na urina. Todas estas situações comprometem ou consomem as reservas de ferro, essenciais para um bom desempenho durante uma corrida.

Vamos raciocinar juntos: uma atividade física de grande volume e intensidade como a corrida provoca naturalmente um processo inflamatório em nosso corpo. Este processo inflamatório, por sua vez, pode causar a destruição de glóbulos vermelhos (a chamada hemólise) e irá também exigir maiores reversas de ferro para manter a oxigenação.

Sem uma oxigenação adequada, além da intolerância ao exercício, a pessoa pode começar a desenvolver manifestações cardiovasculares de uma insuficiência cardíaca de evolução progressiva. Outra avaliação fundamental é que, existindo esta destruição dos glóbulos vermelhos, aquela pessoa praticante de corrida passa a conviver com um quadro de anemia.

Assim, vai ficando cada vez mais inquestionável a necessidade de promover alguma modificação ou intervenção, antes que problemas de ordem maior comprometam a saúde deste atleta.

Diante da constatação de importante deficiência de ferro, estando associada ou não com anemia, as principais medidas a serem adotadas seriam:

1) Reduzir o volume, carga e intensidade da corrida

Antes de descobrir o que na verdade está ocorrendo, torna-se fundamental reduzir o processo. Caso os sintomas, como cansaço, tontura e palpitações, sejam profundamente limitantes, a melhor alternativa é cessar as corridas até que haja o entendimento apropriado da situação.

2) Rever os hábitos alimentares

Sabemos que existem fontes alimentares ricas em ferro e que deveriam ser priorizadas, como a carne vermelha, peixes, ovos, feijão e verduras de cor escura.

3) Buscar ajuda para melhorar a função intestinal

iintestino; barriga; digestãontestino; barriga; digestão - iStock - iStock
Imagem: iStock

Não adianta simplesmente manter uma alimentação rica em ferro, quando a função intestinal não é adequada. Muitas pessoas sofrem por problemas como constipação e doenças inflamatórias intestinais, as quais exigem um tratamento muito especial.

4) Atenção para possíveis hemorragias

Precisamos estar atentos para qualquer perda de sangue, seja ela visível ou mesmo oculta.

5) Suplementação do ferro

Em geral, são utilizadas formulações que incluem ferro e algumas vitaminas, como vitamina C e vitamina B12, para melhor potencializar a absorção do ferro. O ácido fólico seria mais um ingrediente que pode ser adicionado nesta formulação, principalmente naquelas pessoas que, além da deficiência de ferro, apresentam anemia.

O principal propósito deste texto jamais será subestimar os valores e vantagens da prática esportiva para o bem-estar e longevidade de qualquer pessoa.

Quanto a corrida especificamente, os benefícios são incontáveis; no entanto, cabe alertar que este tipo de atividade física exige uma rigorosa preparação alimentar quanto às fontes de ferro, como também uma eventual necessidade de suplementação do nutriente, devido ao alto consumo energético.

Procurar ajuda especializada e evitar a automedicação seriam condutas prudentes para evitar ocorrência de anemia e risco de desenvolver insuficiência cardíaca.

Para saber mais sobre a saúde do coração, me acompanhe no Instagram: @edmoagabriel.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL