PUBLICIDADE

Topo

Edmo Atique Gabriel

10 informações certas ou erradas sobre saúde que circularam muito em 2020

saúde, 2020 - iStock
saúde, 2020 Imagem: iStock
Edmo Atique Gabriel Edmo Gabriel

Professor livre-docente na Unilago (União das Faculdades dos Grandes Lagos), palestrante, especialista em cirurgia cardiovascular com aprimoramento em centros como Harvard Medical School e Cleveland Clinic e pós-graduado em nutrologia médica pela Abran (Associação Brasileira de Nutrologia).

Edmo Gabriel

Colunista do VivaBem

02/01/2021 04h00

Será que 2021 começará efetivamente em 1° de janeiro? Às vezes me faço esta pergunta e fico pensando que 2021 irá demorar um pouco mais para começar. Não será fácil desvencilhar 2020 de nossas mentes e isso certamente é o maior empecilho para assumirmos verdadeiramente que um novo ano começou.

O ano de 2020 foi de muitas especulações no campo da saúde, algumas que se consagraram como verdades, outras que se perderam ao longo do tempo e algumas que ainda carecem de comprovação. O ano de 2020 desafiou a ciência, exigiu precisão e brevidade dos cálculos, modificou paradigmas e criou padrões de comportamento até então pouco vivenciados.

Seria muita presunção afirmar que 2020 já acabou, tampouco celebrar que um novo espetáculo chamado 2021 já hasteou sua bandeira. Ainda há resquícios com os quais teremos de conviver por muito tempo. Ainda há especulações disfarçadas de mitos, mas que, devido ao dinamismo das informações e dos processos, podem mudar de roupagem muito rapidamente, adquirindo a faceta de uma verdade consubstanciada. O ano de 2020 presenteou seu sucessor 2021 com muitas responsabilidades no que se refere a incluir ou excluir conceitos no campo da saúde cardiovascular.

Assim, gostaria de compartilhar com vocês, sob a forma do que é certo e o que é errado, algumas questões que se tornaram polêmicas ao longo de 2020 e que ultrapassarão as fronteiras de 2021. Vamos às questões :

1) As pessoas com mais de 60 anos, com diabetes, com hipertensão ou que estão tratando doenças como câncer fazem parte do grupo de risco da covid-19

CERTO - Podemos inclusive extrapolar e afirmar que estas pessoas estão mais propensas a vários tipos de doenças e agravos, como infecções, infarto do coração e AVC (derrame cerebral).

2) A vitamina D deve mata o coronavírus

ERRADO - A vitamina D tem muitas propriedades benéficas e protetoras para vários órgãos e estruturas, como ossos, coração e cérebro. A substância é essencial para imunidade e para defesa contra infeções e câncer. Isto não significa que a vitamina D seja uma modalidade terapêutica ou que vá matar o vírus da covid-19.

3) O mundo passou a dar mais atenção a um conceito básico denominado inflamação, a partir do advento da covid-19

CERTO - Os processos inflamatórios regem a orquestra de várias doenças. O acúmulo de gordura dentro das artérias do coração tal como a invasão de um órgão por um câncer consiste num desequilíbrio entre substâncias inflamatórias e substâncias anti-inflamatórias. A infecção causada pelo coronavírus gera uma tempestade inflamatória que muitas vezes vence nossas resistências e culmina com a morte.

4) O sistema de trabalho em home office impede que as pessoas exagerem na alimentação e favorece a prática de atividade física

ERRADO - Assim que esse sistema de trabalho atingiu relevante magnitude ao longo de 2020, pensava-se que as pessoas iriam ter mais cuidados com sua alimentação e também mais atenção com peso e forma física, já economizariam o tempo que gastavam com transporte e poderiam treinar, cozinhar etc. Mas o tempo foi mostrando que, por um lado, o home office foi eficiente no campo da produtividade e, por outro lado, as pessoas não souberam explorar o tempo prolongado em casa em prol de hábitos saudáveis. As pessoas abusaram de fast-food, alimentos doces e gordurosos, bebidas alcoólicas e não se empenharam em cuidar da forma física.

5) Pessoas que praticaram atividade física de forma regular e também os atletas ficaram completamente isentos do risco de ter covid-19

ERRADO - O exercício físico, quando executado de forma moderada e supervisionada, auxilia na manutenção da imunidade. Por meio da atividade física, nosso corpo consegue eliminar toxinas, renovar células e criar mais defesas contra as doenças. Mas não se pode afirmar que o exercício físico consegue isentar uma pessoa do risco de contrair covid-19. Deve-se destacar, também, que a prática exagerada de atividade física, sem o devido suporte alimentar e hídrico, pode expor uma pessoa ao risco aumentado de infecções, como a própria covid-19.

6) Pessoas muito jovens e aparentemente saudáveis não podem ser vítimas de um infarto do coração

ERRADO - Ser saudável não é sinônimo de estar saudável. Muitas pessoas mudam seus hábitos temporariamente e tornam-se saudáveis. Da mesma forma, muitas pessoas que ostentam vigor podem cometer erros e colocar suas vidas em risco. No caso das pessoas mais jovens, é inevitável não mencionar o uso de drogas ilícitas, como possível fator causal para o infarto do coração.

7) Diego Maradona morreu em decorrência de uma parada cardíaca

ERRADO - O ex-camisa 10 argentino acumulava um conjunto de fatores de risco para um infarto do coração. Ele estava obeso, era hipertenso e diabético, consumia bebidas alcoólicas em excesso e ao longo da vida fez uso de drogas ilícitas. Maradona morreu em decorrência de um infarto fulminante do coração. A parada cardíaca não representa a causa da morte, e sim uma ocorrência terminal de um processo patológico irreversível.

8) Mário Frias teve um princípio de infarto

ERRADO - Infarto representa a morte de um conjunto de células. Logo, não seria correto afirmar que houve um princípio de infarto. O que normalmente acontece é que as pessoas podem apresentar sintomas acentuados, como forte dor no peito e falta de ar, sem que haja a morte das células cardíacas, ou seja, sem que haja um infarto. Este contexto de sintomas que prenuncia um infarto acaba sendo erroneamente taxado como princípio de infarto.

9) Dor no peito nem sempre indica problemas de coração

CERTO - Dor no peito é uma manifestação de causas múltiplas. Dependendo das características da dor, pode-se cogitar inflamação muscular, infecção pulmonar, distúrbios digestivos, flatulência e problemas cardiovasculares. A dor no peito não é privilégio do infarto do coração, mas é inegável que, quando esta dor está localizada no lado esquerdo do tórax, existe maior apreensão até que o diagnóstico de infarto seja realmente descartado.

10) Intestino saudável é importante para uma boa saúde cardiovascular

CERTO - As bactérias de nossa flora intestinal desempenham muitos papéis em nosso corpo, contribuindo para regulação do metabolismo de órgãos como coração e cérebro. Manter uma alimentação saudável, rica em fibras e, em alguns casos, utilizar substâncias probióticas são estratégias interessantes para manter bom equilíbrio da flora intestinal.

Em 2021, iremos continuar convivendo com fatos polêmicos e controversos. Muitas coisas ainda acontecem sem o controle e sem a compreensão da humanidade. Teremos de aceitar que a velocidade com que informações certas e erradas se disseminaram ao longo de 2020 foi tamanhamente voraz, e que caberá a 2021 tentar equacionar as dúvidas e aparar as arestas pendentes.

Em meio a tudo isso, restará a nós, seres humanos, compartilharmos perseverança, esperança e resiliência. Cada hora de cada dia de 2021 proverá a expectativa acerca de algo que se consolide perenemente, como também daquilo que se esvairá terminantemente.

Caso queira ler mais sobre saúde do coração, acesse meu site: https://coracaomoderno.com.br/.

Errata: o texto foi atualizado
A forma correta do item número seis é "pessoas muito jovens e aparentemente saudáveis não podem ser vítimas de um infarto do coração". A frase estava antes escrita de forma positiva e foi corrigida.