PUBLICIDADE

Topo

5 sintomas atípicos de um infarto do coração: muita atenção no inverno

iStock
Imagem: iStock
Edmo Atique Gabriel

Professor livre-docente na Unilago (União das Faculdades dos Grandes Lagos), conselheiro de Comissão Nacional de Residência Médica do MEC (Ministério da Educação), especialista em cirurgia cardiovascular, com aprimoramento em centros como Harvard Medical School e Cleveland Clinic, e pós graduado em nutrologia médica pela ABRAN (Associação Brasileira de Nutrologia)

Colunista do UOL

28/06/2020 04h00

Para se fazer um diagnóstico médico preciso, precisamos obter uma história detalhada do caso, valorizando os sintomas e seus aspectos associados, como localização, intensidade e os fatores que eventualmente sejam atenuantes ou agravantes.

Para cada doença, existe um conjunto de sinais e sintomas mais comuns e que normalmente se repetem na maioria dos casos. Isto torna mais factível a precisão do diagnóstico e o subsequente planejamento terapêutico. Pode-se inferir, portanto, que existe uma razoável lógica no entendimento e interpretação dos achados clínicos das doenças.

O corpo humano é dotado de órgãos e sistemas que apresentam correlação anatômica e funcional. Isto não impede que esta correlação possa existir também na presença de eventuais assimetrias e variações que podem produzir sinais ou sintomas diferentes do que se classifica como típico.

O ser humano pode nascer com variações anatômicas e funcionais, cujas manifestações podem ser extremamente atípicas. O coração humano, por exemplo, está situado no lado esquerdo de nosso tórax, mas não seria nada absurdo uma dextrocardia, ou seja, seu coração estar implantando no lado direito do tórax e estar funcionando normalmente.

Os rins são órgãos duplos, responsáveis pela filtração de nosso sangue e eliminação de toxinas; no entanto, há pessoas que nascem com rim único ou, por fatores patológicos, um dos rins tem de ser removido, restando um rim funcionando, o qual agrupará todas as funções de um órgão duplo. Esta situação também é compatível com a sobrevida.

Quando uma pessoa descreve os sintomas de sua doença, ela está retratando determinados aspectos que permitem, graças à trivialidade dos mesmos, um diagnóstico objetivo e a imediata implementação de medidas terapêuticas. Porém, da mesma forma que existem variações e assimetrias na estrutura e função dos órgãos, os sintomas podem retratar uma determinada doença de forma completamente atípica.

Sintomas atípicos são muito perigosos, nem tanto pela sua intensidade ou localização, mas sobretudo pelo maior risco da pessoa não valorizar efetivamente e também pela maior probabilidade de confusão diagnóstica por parte do médico.

No caso do infarto do coração, devemos ter atenção redobrada, pois existem sintomas atípicos que podem se mesclar com os sintomas típicos, ou mesmo os sintomas atípicos podem ser predominantes, retardando o diagnóstico preciso e agravando o risco de morte. Neste período de inverno, devido ao aumento de casos de infarto do coração, os sintomas atípicos poderão estar mais evidentes na rotina das pessoas.

Para entender por que alguns sintomas são considerados atípicos, é fundamental conceituar quais seriam os sintomas mais esperados em um paciente que esteja infartando.

Primariamente, o infarto do coração consiste em um quadro agudo, de início súbito e desenvolvimento rápido —minutos ou horas— culminando com desfechos distintos de acordo com a correta ou equivocada interpretação dos sintomas.

Uma pessoa infartando tende a se queixar de uma forte dor, em aperto ou "queimação" no lado esquerdo do peito, irradiando para o rosto ou para o braço esquerdo, com duração prolongada (acima de 30 minutos), podendo estar acompanhada de náuseas. Este seria o cenário típico de um infarto agudo do coração.

Podemos destacar, pelo menos, cinco sintomas atípicos, mas potencialmente sugestivos de um infarto do coração. São sintomas não menos relevantes que os mais comuns, mas sensivelmente mais difíceis de uma correlação diagnóstica rápida. Estes 5 sintomas atípicos podem estar presentes isoladamente ou combinados entre si. Elucidando melhor:

  • Dor de estômago que não melhora com antiácidos

Quando o infarto acomete a parte inferior do coração, que está próxima ao estômago, a pessoa pode ter uma dor muito forte na região do estômago. Por não melhorar com uso de antiácidos, devemos ter a cautela de considerar que a pessoa possa estar infartando.

  • Sudorese fria

Quando praticamos exercícios ou estamos ansiosos, podemos apresentar sudorese, a qual normalmente é constituída de suor "quente". Quando uma pessoa começa a transpirar excessivamente, um suor gélido, uma das possibilidades é estar infartando. Sudorese fria em grande quantidade neste período de inverno deve ser um sinal de alerta.

  • Falta de ar

Pessoas que se queixam de um cansaço intenso, súbito, limitante, difícil de explicar, pode ser indicativo de um infarto do coração. Esta sensação de cansaço pode ser traduzida por uma falta de ar, que pode estar presente sob esforço ou mesmo em repouso.

  • Palpitações

Quando uma pessoa está infartando, o coração pode acelerar muito. Desta forma, a pessoa tem a sensação de arritmias no coração, o que causa desconforto considerável. Há casos de infarto nos quais o coração pode apresentar bradicardia, ou seja, batimentos baixos. Nestes casos, a pessoa refere que parece sentir o coração "parando e voltando", tudo muito descontrolado.

  • Palidez cutânea

Quando uma pessoa infarta, ocorre uma descarga de adrenalina na circulação, tendo como uma das manifestações a palidez cutânea. A palidez cutânea, de forma isolada ou combinada com outros sintomas, pode ser pista importante no diagnóstico de infarto do coração.

Em alguns grupos específicos de pessoas, os sintomas atípicos do infarto do coração podem ser mais perceptíveis. Os idosos e os diabéticos convivem com muitas alterações na sensibilidade a dor e, na vigência de um infarto do coração, podem não apresentar dor no peito típica.

Qualquer pessoa que esteja apresentando um dos cinco sintomas descritos, de forma súbita, isoladamente ou de forma combinada, com intensidade elevada, sem fatores de melhora, deve procurar auxilio médico para o devido esclarecimento.

Vale lembrar que um infarto do coração mediado por sintomas atípicos é tão importante e impactante quanto um infarto do coração com sintomas típicos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.