PUBLICIDADE

Topo

Dante Senra

Silenciosa e passível de complicação: é preciso falar sempre sobre diabetes

vgajic/iStock
Imagem: vgajic/iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Dante Senra

Doutor em Emergências Clinicas pela FMUSP (Faculdade de Medicina da USP) e médico especialista em cardiologia, clínica médica e terapia intensiva. Também é autor do livro Terapia Intensiva Fundamentos e Prática, ganhador do Prêmio Jabuti.

Colunista do UOL

15/11/2020 04h00

Ontem (14) foi celebrado o Dia Mundial do Diabetes. A data foi criada pela IDF (International Diabetes Federation) em parceria com a OMS (Organização Mundial de Saúde) e tem como objetivo conscientizar a população sobre a importância da doença e seu controle para evitar complicações.

Será que todos têm consciência da importância do controle do diabetes para a manutenção da qualidade de vida?

É fundamental ressaltar que seu mau controle guarda estreita relação com complicações cardiovasculares, renais, cegueira, amputações e até mesmo aumento da mortalidade. No momento atual de pandemia, o descontrole dos níveis de glicemia claramente aumenta o risco de complicações para quem contrai o coronavírus.

Talvez faltem campanhas que esclareçam estes fatos visto que o número de diabéticos no mundo mais que triplicou nos últimos 20 anos. Passamos de 150 milhões de pessoas no ano 2000 para inaceitáveis 463 milhões em 2019 (mesmo considerando o aumento de 25% da população mundial nesse período). Isto quer dizer que uma em cada 15 pessoas sofre desta doença.

A IDF prevê para 2040 que 640 milhões de pessoas serão portadoras de diabetes.

No nosso país, mais de 13 milhões de pessoas convivem com esse diagnóstico, e ainda assim, a desinformação sobre essa doença é grande. Acredita-se que apenas 20% dos pacientes têm controle adequado dos níveis de açúcar no sangue, o que fatalmente implicará em complicações futuras.

Isso talvez por tratar-se de uma doença silenciosa, pois o aumento dos níveis de glicose no sangue nem sempre gera sintomas.

Responsável por perda de produtividade e incapacidade, a doença impõe grande carga econômica aos sistemas de saúde do Brasil e do mundo.

Em 2019, o diabetes foi responsável por 11% do gasto total com saúde no mundo, o que representou aproximadamente US$ 760 bilhões.

Mesmo assim, a doença está entre as 10 principais causas de mortalidade e quase metade desses óbitos em pessoas com menos de 60 anos. Calcula-se que 11,3% das mortes no mundo acontecem devido ao diabetes, o que faz dela a responsável por 4,5 milhões de óbitos em 2019. Ou seja, 1 pessoa a cada 8 segundos.

Por que ocorre esse aumento?

Óbvio está que não tratamos aqui do diabetes tipo 1 (chamado insulino dependente), visto que esta é uma doença imunológica e representa menos de 10% dos diabéticos. Assim, não guarda relação com hábitos e estilo de vida.

Também nesse dados acima, está excluído o tipo gestacional, que é caracterizado pelo aumento dos níveis de glicose no sangue durante a gravidez, embora este também, segundo o Ministério da Saúde, nas últimas duas décadas tenha aumentado sua incidência, pois também guarda relação com a obesidade ou ganho de peso excessivo (a hipertensão e a idade materna mais avançada são outros dos fatores de risco para esta doença).

Tratamos aqui do chamado diabetes insulino independente ou tipo 2, que ocorre quando o corpo não produz insulina ou cria resistência a ela. Esse tipo corresponde aproximadamente a 90% de todos os casos de diabetes.

Uma série de fatores são responsáveis pelo aumento da incidência da desse tipo de diabetes no mundo. O aumento da longevidade, o estilo de vida mais urbano com aumento de ingestão de alimentos processados e o sedentarismo estão entre os principais fatores. A consequência desse estilo é via de regra o ganho de peso e este, sim, tem uma relação estreita e quase que direta com o diabetes tipo 2.

Lógico que uma vida saudável e longeva não se conquista com atitudes isoladas. Ela é a somatória do estilo de vida que engloba a forma como as pessoas vivem, as escolhas que fazem, suas tendências genéticas, seu desenvolvimento emocional e suas relações sociais e práticas sociáveis.

O objetivo aqui é propor reflexões sobre escolhas de vida mais conscientes. Ignorar doenças ou seu controle não é sinônimo de força.

Algumas empresas já perceberam isso e realizam possibilidades de melhorias na qualidade de vida de seus funcionários.

Assim como diz o professor Robert Karch (Universidade Maryland): "Nem todas as empresas precisam investir na qualidade de vida e promoção de saúde. Só aquelas que querem sobreviver e ser competitivas no século 21".