PUBLICIDADE

Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Taise Spolti

Quando foi a ultima vez que você mastigou arroz com feijão?

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Taise Spolti

Formada em educação e em nutrição, Taise Spolti é ex-fisiculturista e participou do programa Masterchef, da Band. Em sua coluna, traz receitas que aliam ingredientes saudáveis à gastronomia, além de mostrar como a alimentação equilibrada, a prática de exercícios e outros bons hábitos são essenciais para trilhar o caminho da saúde e do bem-estar físico e mental.

Colunista do UOL

22/05/2022 10h33

Parece uma pergunta um tanto estranha, mas pense aí, quando foi? Não vale responder que mastigou por que tinha um pedaço de carne junto, ou um pepino, ou um bacon...

Quando eu pergunto isso no consultório, logo vem aquela 'cara de espanto': "Meu Deus, acho que nunca pensei nisso", geralmente essa é a resposta.

Mastigação é um ato que deveria ser natural, mas a depender de qual o tipo de refeição estamos fazendo, como um simples arroz com feijão, ela acaba sendo deixada de escanteio.

Comidas mais cremosas, soltas e leves, ou com molho, muitas vezes passam reto pela boca e garganta, não sendo mastigadas como deveriam, e chegam ao estômago de forma muito íntegra, e aí começam alguns problemas. Pareceu estranho no início, mas agora eu tenho certeza que começa a ficar mais clara a minha pergunta.

E você sabia que o ideal de uma mastigação, seriam entre 18 e 23 mordidas? E claro, isso ficará a critério de muitos fatores, como a pressa, o tipo de comida (se for uma sopa cremosa, por exemplo, você sequer precisa mastigar, mas se for aquela carne super passada e dura, ihhh... serão muitas mastigadas), e até a temperatura, afinal, comidas geladas tendem a ser as menos mastigadas, tal como uma salada verde ou um carpaccio.

A mastigação é a primeira e uma das mais importantes etapas da digestão do alimento, quando mal feita, acaba causando uma cascata de situações dentro do nosso organismo, começando pela maior exigência em sucos gástricos, que poderão causar lentidão na degradação do alimento, menos absorção dos nutrientes, sensação de mal-estar gástrico, e com o passar dos anos, uma má digestão crônica em um indivíduo que ficará refém de antiácidos, protetores gástricos ou os tais inibidores de bomba de prótons (IBP), como Omeprazol, Pantoprazol.

O que é mastigar, por sinal?

É o ato mecânico de triturar, macerar, triturar e pasteurizar um alimento, sem que essa etapa primária da deglutição ou as outras etapas ficam comprometidas.

Durante a mastigação, trituramos o alimento e expomos as partículas, ainda na boca, às enzimas degradativas, como a amilase que é responsável pela degradação do amido, presente na maioria dos carboidratos.

Além desta, há outras exposições a enzimas que já antecipam a produção de suco gástrico, e que ao entrarem no estômago, estarão mais fáceis para a continuação da degradação e, consequentemente, absorção de nutrientes, especificamente os micronutrientes (vitaminas e minerais), através da mucosa intestinal.

Uma má mastigação, lhe causará uma ineficaz absorção destes nutrientes, e sabemos que muitas vezes a pessoa que tem uma boa alimentação, mantém bons hábitos e, mesmo assim, ainda tem alguns problemas relacionados a nutrição, pela má absorção de nutrientes, ou excesso de gazes, estufamento, azia, má digestão, não sendo o problema o alimento ou a dieta em si, mas em como esta alimentação está sendo consumida.

Sabemos, inclusive, que a alimentação daquele indivíduo que está sempre em uma rotina intensa pode ser o mais saudável possível, mas pelo simples fato de consumir sua refeição correndo, sem conexão com a refeição, mexendo no celular, fazendo reuniões, ou comendo em pé pela casa enquanto arruma a criança para a escola, é a que mais apresenta sinais de má absorção dos nutrientes, tendo uma deficiência nutricional aqui ou ali, sintomas como azia, queimação constante, dores de cabeça, estufamentos.

Além desses sintomas, que acabam se somando ao longo dos anos, há ainda uma complicação que acaba em constipação, e que também causa danos colorretais, isso tudo, pensando em bons anos de maus hábitos na mastigação.

Agora responda, novamente, quando foi a ultima vez que você mastigou um purê de batata? Ou um macarrão com molho de tomate? E quantas vezes você mastiga um pedaço de carne, será que chegam nas 23 mordidas?

Não coma correndo e aproveite cada refeição - iStock - iStock
Não coma correndo e aproveite cada refeição
Imagem: iStock

Dicas para melhorar sua digestão, através da mastigação:

  • Coma devagar;
  • Mastigue entre 15 e 18 vezes inicialmente, mas vá aumentando com o passar dos dias;
  • Não consuma bebidas durante a refeição, o fato de precisar de algo líquido para 'empurrar' a comida é o primeiro sinal de má digestão: ela estufa e você acaba literalmente empurrando a comida para dentro sem mastigar;
  • Espere de 12 a 15 segundos entre cada porção ingerida.

Após esses primeiros passos fáceis de mastigação, você consegue adquirir alguns benefícios, que sãos os primeiros e mais notáveis ajudantes na absorção dos nutrientes, além de aliados no comportamento alimentar e consequentemente melhor hábito alimentar: maior saciedade, maior controle da ingestão de alimentos, maior absorção de nutrientes, maior conexão com a refeição, menos efeitos digestivos negativos como má digestão e azia.

Outra dica, é dar preferencia pela mastigação maior e mais eficaz em alimentos crus, principalmente frutas, saladas, e carnes cruas como peixes ou carne de gado, pois os alimentos cruz são os que precisam de maior digestão para quebra e absorção de nutrientes, por estarem 'in natura'.

O processamento desses alimentos se dá de forma mais intensa pelo trato gastrintestinal, e quando não realizado de forma eficaz, causam maiores desconfortos, levando inclusive a diarreias crônicas.

Agora, por fim, prometa: você vai começar a mastigar mais vezes o seu alimento, ok?!