PUBLICIDADE

Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Taise Spolti

Atitudes simples que todos podem ter, e que ajudam a saúde e a natureza

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Taise Spolti

Formada em educação e em nutrição, Taise Spolti é ex-fisiculturista e participou do programa Masterchef, da Band. Em sua coluna, traz receitas que aliam ingredientes saudáveis à gastronomia, além de mostrar como a alimentação equilibrada, a prática de exercícios e outros bons hábitos são essenciais para trilhar o caminho da saúde e do bem-estar físico e mental.

Colunista do UOL

24/04/2022 04h00

A última sexta-feira (22) foi o Dia da Terra, uma data que para a maioria das pessoas não teve o menor 'efeito', não foi um feriado (poderia ser), não foi 'comemorado', não tem grandes lembranças, infelizmente.

Se não fosse pelo Google, uma grande parcela da sociedade talvez não saberia o impacto da mudança climática dos últimos anos. Por um vídeo na tela inicial do site de busca, pudemos acompanhar imagens que mostram a diferença entre os anos em diversos lugares da Terra, algo assustador.

No dia da Terra, uma mensagem muito importante deveria ser passada e insistentemente relembrada a todos: o que você está fazendo pelo planeta?

E como leitor da minha coluna, você também deve estar se perguntando, o que a nutricionista tem com isso?

Bem, de todos os danos que a humanidade vem causando à Terra, a maioria deles está relacionada à alimentação, seja pela produção dos alimentos, pela agricultura não sustentável, pelo desmatamento e poluição. Infelizmente, a alimentação do homem é a necessidade de maior consumo, indiscutivelmente importante, mas a partir desta necessidade se criou a maior oferta e desperdício de alimentos, produzidos por ações contra a própria natureza.

Vocês com certeza já devem ter visto documentários famosos que abordam tudo que poderíamos discutir aqui, seja sobre a vida marítima que está ameaçada com as pescas ilegais e riscos de extinção de muitas espécies, seja pelo desmatamento que visa o crescimento da agricultura em ações não sustentáveis, ou pelo já bem debatido efeito de emissão de gases a partir da criação de gado, que está ultrapassando o que chamamos de larga escala.

Se você não viu estes documentários, espero que assista: "A Lei da Água", "Oceano de Plástico", "Solo Fértil", "Em Busca dos Corais", "Salve a Amazônia" e "Nosso Planeta".

Agora, nos concentrando na alimentação, você notará que todos eles envolvem a alimentação humana, e ainda em um tom contraditório: enquanto cerca de 800 milhões de pessoas passam fome no mundo, mais de 1 bilhão de toneladas de vegetais e mais de 175 milhões de toneladas de alimentos de origem animal são desperdiçados todo santo ano, segundo dados da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura. Todo ano!

E não, nossa matéria de hoje não é para mencionar política, acordos internacionais, organizações ou terceirização de responsabilidades, a mensagem é como você, eu e as pessoas próximas de nós podem adotar ações simples, práticas, baratas e que podem fazer a diferença no meio ambiente. Isso levando sempre em consideração um ponto importante: a saúde. Veja abaixo:

1. Consuma o mínimo possível de alimentos ultraprocessados: óbvio, sim ou claro?

Primeiro ponto: indústria. Segundo ponto: saúde. Alimentos ultraprocessados são produtos, necessitam de grandes indústrias com grandes impactos ambientais para manter a produção de larga escala. Além do uso de aditivos químicos para que sabor, preço e durabilidade sejam os seus pontos fortes. Poderia lembrar do terceiro ponto: embalagem. A geração de lixo advinda dessas embalagens é gigantesca. Você já olhou para a lixeira do seu prédio ou o seu lixo de casa, todo dia, ao final do dia? Repare na quantidade que apenas uma família consegue produzir em um único dia. Multiplique por milhões, 365 dias, ao longo de muitos anos.

2. Vá à feira: o simples e óbvio também podem parecer difíceis para muitas pessoas

Vemos cozinhas sendo projetadas com armários e mais armários prontos para organização minuciosa de potes, embalagens e caixinhas, mas cada vez menos vemos espaço para armazenamento inteligente de alimentos frescos ou de soluções que façam com que as pessoas se interessem em comprar sem desperdiçar dinheiro por verem seus alimentos estragarem rapidamente na fruteira de casa, que geralmente está próxima à geladeira. Vá à feira sempre que possível, compre o mínimo necessário para dois ou três dias, pois isso reduz a probabilidade do alimento estragar antes mesmo de você consumi-lo.

3. Economize com alimentos da época, e que estão um pouco 'passadinhos'

Por serem alimentos naturais, eles irão estragar, isso é fato. Para quem deseja economizar ainda mais, ir no final da feira e comprar com desconto aqueles alimentos ricos em nutrientes, mas que foram 'deixados de lado' por estarem passados, é uma boa pedida. Isso também ajuda na redução de toneladas de alimentos frescos sendo jogados em lixões diariamente. É dinheiro investido em produção, jogados no ralo, para que ainda assim muitas pessoas continuem não tendo o quer comer. É triste! Alimentos passados, como aquele tomate ou berinjela amassados e a penca de banana que está amadurecendo com a casca escura, não são alimentos ruins, que fazem mal ou que não prestam, são puramente alimentos ricos da natureza que no tempo, umidade, armazenamento ou transporte tiveram sua beleza prejudicada, mas continuam desempenhando seu papel. Compre-os, faça kits para doação, molhos concentrados e naturais em casa, doces, compotas naturais de frutas sem açúcar. Use e abuse deles.

4. Use o máximo do alimento

Nada de ficar jogando casca fora, assim como folhas e caules, para depois ter que fazer reposição de vitaminas e minerais por meio de cápsulas! Está tudo ali, indo para o lixo da sua cozinha e aumentando os quilos das toneladas anuais que estão indo fora. Faça chá, sucos, chips, cozinhe junto. Existem muitas opções para aproveitar ao máximo todas as partes dos alimentos.

5. Reduza a quantidade de carne

Não estou dizendo ou pregando que todos devem imediatamente parar de comer carne ou produtos de origem animal, apesar de saber que, mais dia menos dia, todos irão se conscientizar dessa atitude. Você não precisa parar, ou virar vegano (se quiser, tá liberado, viu?), masreduzir a quantidade semanal de consumo de alimentos de origem animal causa um impacto gigante no meio ambiente. Afinal, são milhares de pessoas consumindo milhares de quilos a menos, o que representa toneladas a menos de consumo de água (por exemplo) na produção desses produtos.

6. Tome bastante água, faz bem para a sua saúde, mas: use garrafinha reutilizável (de vidro)

Dê preferencia às garrafas de vidro, nada de ficar comprando aquelas de plástico ou usando 30 copinhos descartáveis por dia. Também use o filtro de barro em casa, comprovadamente e premiado internacionalmente, o item brasileiro deixa a água sempre limpa, segura para o consumo e fresca. Então, use a garrafinha de vidro ao longo do dia, leve para o trabalho sua água de casa, organize-se para não ter que ficar comprando muitas garrafinhas de água em plástico que, além de gerararem lixo, também são produtos resultantes das grandes indústrias.

Eu, obviamente, queria me estender e falar muitas mais dicas, porém, é para ser simples. Não é para ser um martírio realizar trocas inteligentes que farão bem para nossa saúde e que têm um impacto gigante no lugar que moramos: a Terra.

Cuide-se, e cuide do seu espaço aqui, com responsabilidade.