PUBLICIDADE

Topo

Ageless

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Mulher de 50 fica num limbo. Há uma ditadura da juventude, diz Denise Fraga

Cacá Bernardes
Imagem: Cacá Bernardes
Conteúdo exclusivo para assinantes
Silvia Ruiz

Silvia Ruiz é jornalista e trabalha com comunicação digital e PR. Durante mais de 15 anos atuou na cobertura de saúde, bem-estar e estilo de vida. É apaixonada por alimentação natural, meditação e práticas holísticas. Mãe do Tom, do Gabriel e da Myra, tem bem mais de 40 anos e está tentando aprender a viver bem na própria pele em qualquer idade.

Colunista do UOL

10/12/2021 04h00Atualizada em 11/12/2021 10h04

Denise Fraga é daquelas atrizes que são unanimidade nacional. Todo mundo adora, todo mundo admira. Sua interpretação de papéis sempre demasiadamente humanos cria identificação imediata. E hoje ela surge em Um Lugar ao Sol, depois de 25 anos longe das novelas, vivendo mais uma mulher real. Ela será Julia, uma cantora alcoólatra e fracassada de 50 e poucos anos, mãe de Felipe (Gabriel Leone). Uma mulher cheia de sonhos, tentando se "limpar" do vício e com vontade e otimismo para recomeçar (vai mexer com nossas emoções). "É uma garota que não cresceu", diz Denise.

A novela da autora Lícia Manzo está escancarando as questões das mulheres 50+ com as personagens de Denise e Andréa Beltrão (Rebeca), que falam de menopausa, sexo, trabalho, das dores e delícias de envelhecer, de uma maneira franca e sem estereótipos. Conversamos sobre isso na última semana:

O tabu da menopausa

"Eu sou bem diferente da minha mãe aos 57 anos. Eu brinco que a gente está de tênis e mochila nas costas, mas com dor no joelho", diz Denise. Para ela, a novela está tendo um papel importante de levar essas questões para a conversa dos brasileiros. "Todos falam tanto da adolescência, mas ninguém fala da menopausa. Eu acho que porque ninguém quer que pensem que você não transa mais. Mas é preciso falar disso porque tem saídas, tem formas de melhorar os incômodos."

Denise conta que os primeiros momentos da chegada da menopausa não foram nada fáceis. "Você não consegue definir direito o que está sentindo. Tive insônia e até dor nas mãos. Fui descobrir depois com minha médica que até isso era um sintoma. Mas aos 51 anos comecei a fazer reposição hormonal e aí você dá uma estabilizada. Eu faço exames de seis em seis meses, estou bem. Mas muita gente passa por isso sem acesso um tratamento, é muito difícil."

Cobrança pela juventude

"Há uma ditadura num padrão de juventude que a gente precisa questionar. E a mulher de 50 fica num limbo. Já me aconteceu de ser considerada para um papel de avó. E eu tenho idade para ser avó! Mas aí acharam que eu era muito jovem. Ou seja, te acham jovem demais para algumas coisas, velha demais para outras. E os idosos vão sendo colocados num lugar que não valem mais. Por isso acho que essa novela da Lícia é importante, vai levar essa conversa para a vida das pessoas."

Samba e musculação

"Eu sempre me cuidei. Meu prato preferido é feijoada, mas no dia a dia eu como super saudável. Não como muito à noite e, se ganho uns quilinhos, já me mexo para perder. Faço pilates e caminho, além de puxar ferro. Depois dos 50 precisa cuidar dos músculos que nos sustentam. E aprendi a levar meu tapetinho e fazer atividade onde estiver, até no quarto de hotel. Já para cuidar da alegria, eu canto samba. Uma vez por mês me reúno com uma turma e cantamos. A gente não fica tão feliz quando vai a uma festa, canta e dança? Eu decidi criar isso. Ter uma rotina sem precisar esperar uma data especial. Provocar regularmente esses momentos de fazer coisas que me deixam feliz. Na pandemia demos uma parada, mas já estou me organizando para voltar."

A importância do AA

"Eu fiquei muito impressionada com as reuniões do AA (Alcoólicos Anônimos, grupo de apoio que se reúne para alcançar e manter a sobriedade através da abstinência total de ingestão de bebidas alcoólicas) que fui conhecer por causa do papel na novela. Essa coisa de você poder chegar ali, falar do seu problema e ser acolhido. Eu acho que esse é um formato que todo mundo de alguma maneira precisa. Poder dividir o que está passando, falar sem medo do julgamento. É muito importante."

Aguardando ansiosamente os próximos capítulos de Um Lugar ao Sol para saber o que vai acontecer com a Júlia.