Xilitol: conheça os riscos do adoçante natural que ajuda emagrecer

Por VivaBem

O xilitol é um carboidrato que tem sido utilizado como substituto da sacarose (açúcar de mesa) tanto por pessoas como pela indústria em alguns produtos.

iStock

Ele é naturalmente encontrado em mínimas quantidades em alguns vegetais, como ameixa, morango, couve-flor e abóbora.

iStock

A versão em pó é produzida pela indústria por meio de modificações químicas, sendo extraída principalmente do milho. Seu sabor é doce, levemente mentolado, sem sabor residual.

Ulrike Leone/Pixabay

O adoçante tem menor quantidade de calorias e menor impacto na glicemia do que o açúcar de mesa convencional, ou seja, o xilitol pode ser usado com segurança por diabéticos.

Getty Images/iStockphoto

Vale ressaltar que alguns trabalhos têm mostrado que os adoçantes também elevam a glicose no sangue, mas em menor intensidade.

iStock

Por apresentar 40% menos calorias que o açúcar tradicional, também é indicado para quem deseja emagrecer e busca uma redução de calorias e carboidratos na dieta.

iStock

Entretanto, é importante salientar que o uso não é recomendado em dietas saudáveis, o indicado é aproveitar o sabor natural dos alimentos ou adoçar e mascarar o mínimo possível.

iStock

Outra vantagem do xilitol é que ele tem ação anticariogênica pois não é fermentado por bactérias que são responsáveis pela formação de cáries nos dentes.

iStock

Com isso, melhora o pH bucal, controlando a acidez e dificultando a ação de bactérias cariogênicas.

Getty Images/iStockphoto

Porém, quando usado em grandes quantidades e/ou alta frequência, o xilitol pode causar sintomas gastrointestinais, como flatulência, cólicas e diarreia.

iStock

Isso ocorre devido à propriedade de fermentação pela microbiota intestinal. A gravidade dos sintomas depende das características individuais.

iStock

Por exemplo: estado de jejum, dose consumida, modo de ingestão, características moleculares, composição e estrutura dos outros alimentos consumidos simultaneamente.

iStock

Pessoas hipersensíveis aos polióis (xilitol é um deles) ou que tenham doenças como síndrome do intestino irritável podem apresentar sintomas adversos, mesmo com seu uso em pequenas quantidades.

iStock

A OMS (Organização Mundial da Saúde) considera o xilitol seguro para consumo humano e não estabelece um limite para a ingestão diária aceitável em quantidades estabelecidas em mg/kg de peso.

Getty Images
Publicado em 12 de junho de 2024.