Suga açúcar do sangue, retira colesterol e reduz risco de câncer: os benefícios da pitaya à saúde

Por Cristina Almeida

A Pitaya se tornou uma constante em receitas e dietas de quem busca ter uma alimentação mais saudável.

Anastasia Belousova/Pexels

O melhor de tudo é que ela pode ser ingerida de diferentes formas. Mas quais exatamente são os benefícios da pitaya?

Roman Odinstov/Pexels

As frutas frescas são excelentes fontes de nutrientes e compostos vitais para a saúde em geral, e contribuem para a prevenção de muitas enfermidades.

Jeffry Surianto/Pexels

Isso porque elas atuam no metabolismo dos carboidratos, fortalecem dentes, ossos, sangue e tecidos, bem como as defesas do corpo.

Sofía Nuñez/Pexels

Nos últimos anos, vários estudos científicos têm mostrado que a Pitaya parece ter efeitos benéficos nas seguintes situações:

Michal Rosak/Pexels
  • Redução do colesterol
  • Controle glicêmico no diabetes tipo 2
  • Prevenção do câncer colorretal
  • Fortalecimento das funções dos rins e ossos
  • Melhora das funções cerebrais e da saúde ocular
Allec Gomes/Pexels

Por ter baixas calorias e tantos benefícios, ela pode ser consumida por todas as pessoas. Uma boa opção é incluí-la como lanche da manhã ou da tarde.

Jess Loiterton/Pexels

Na feira ou no mercado você pode encontrar quatro tipos de pitaya: amarela de polpa branca, vermelha de polpa branca, vermelha de polpa roxa e minipitaya brasileira.

iStock

Apesar dessas variações, por dentro, todas elas estão carregadas de antioxidantes, como a vitamina C --cuja concentração é três vezes maior do que a da cenoura.

Flavio Moraes/UOL

A fruta ainda é boa fonte de fibras e altamente hidratante. Com boa proporção de ferro, seu suco se mostrou eficaz na melhora de níveis de hemoglobina e glóbulos vermelhos.

Roman Odinstov/Pexels

Das sementes da pitaya se extrai um óleo rico em ácidos linoleico e linolênico, gorduras poli-insaturadas conhecidas como ômegas 3 e 6.

Anastasia Belousova/Pexels

Essas substâncias são comprovadamente amigas da saúde cardiovascular, cerebral e das células --desde que suas concentrações no organismo sejam equilibradas.

Jeffry Surianto/Pexels

Além disso, a presença de grupos de carboidratos como polissacarídeos e oligossacarídeos faz delas bons estimulantes da microbiota do intestino, ou seja, são um probiótico natural.

Sofía Nuñez/Pexels
Publicado em 01 de março de 2024.