Topo

Viagem


Cidades desertas devastadas por terremoto há 10 anos são atração turística

21/05/2018 11h58

Tremor de magnitude 7.9 matou 87 mil pessoas na região de Sichuan em 2008; um ano depois, várias 'cidades fantasmas' já atraíam turistas, em negócio estimulado para ajudar região.

“Turismo de desastre”. A China abraçou o inusitado: ante um terremoto que destruiu cidades e vilas na província montanhosa de Sichuan há 10 anos, completos neste mês, o país abraçou essa “modalidade” turística para ajudar a região que foi devastada.

O terremoto, de magnitude 7.9, matou 87 mil pessoas - o mais fatal no país desde o tremor de 1976, que havia matado cerca de 240 mil pessoas.

Os destroços e partes inteiras de cidades e vilas que foram destruídas há 10 anos em Sichuan viraram atração turística em 2009.

Na época, Wu Min, diretor do departamento de turismo da província de Sichuan disse à agência de notícias Xinhua News que havia um “gigante mercado de turismo nas ruínas”. “Não podemos proibir que os turistas entrem. Esperamos que eles respeitem os sobreviventes do terremoto.”

Uma das vilas "fantasmas" que mais fazem "sucesso” é a de Donghekou, onde só 300 de mais de 1,4 mil moradores sobreviveram.

Moradores de algumas cidades tiveram suas casas reconstruídas em lugares próximos, deixando as cidades destruídas para trás. Agora, prédios antigos, inclinados ou em parte destruídos estão se integrando à natureza - e consolidando-se como atração turística.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Viagem