PUBLICIDADE

Topo

Viagem

Roteiros culturais


Grátis, passeio pelo centro de SP destaca mulheres que fizeram história

Guia mostra foto de Maria Soldado, que pegou em armas na Revolução Constitucionalista de 1932 - Marcel Vincenti/UOL
Guia mostra foto de Maria Soldado, que pegou em armas na Revolução Constitucionalista de 1932 Imagem: Marcel Vincenti/UOL

Marcel Vincenti

Colaboração para o UOL

20/03/2019 04h00

Grande parte do centro de São Paulo é marcado por referências a célebres ou obscuras personalidades masculinas. As ruas são batizadas como Libero Badaró, Quintino Bocaiúva e Benjamin Constant. Os prédios, por sua vez, levam nomes como Sampaio Moreira (por causa do banqueiro José Sampaio Moreira) e Altino Arantes (arranha-céu hoje conhecido como Farol Santander).

E, no meio de jardins ou na frente de edifícios históricos, aparecem bustos de gente como Álvares de Azevedo e Padre Manoel da Nóbrega. Onde estão as mulheres?

A Semana de Arte Moderna, realizada no Theatro Municipal, teve uma importante protagonista feminina - alffoto/Getty Images
A Semana de Arte Moderna, realizada no Theatro Municipal, teve uma importante protagonista feminina
Imagem: alffoto/Getty Images

No meio desta região recheada de homenagens a homens, está sendo realizado, neste mês de março, um tour gratuito que busca desvendar a trajetória de mulheres que foram importantes para a história de São Paulo -- seja para a cidade ou para o Estado.

Organizado pelo Pátio Metrô São Bento e a entidade turística Caminhos do Triângulo, o passeio começa no Largo São Bento e, em duas horas, dá uma volta pelo coração do centro antigo da capital paulista. No trajeto, visita edifícios e vias que têm relação com a vida de mulheres que marcaram época em São Paulo, como a Marquesa de Santos, Yolanda Penteado e Maria Augusta Saraiva.

O tour que conta a história das mulheres importantes em São Paulo começa no Largo São Bento - Marcel Vincenti/UOL
O tour que conta a história das mulheres importantes em São Paulo começa no Largo São Bento
Imagem: Marcel Vincenti/UOL

De artista genial a mulher guerreira

Há poucas referências físicas a mulheres importantes no centro de São Paulo. Em toda a capital, aliás, existem, sob a responsabilidade da Secretaria de Cultura da prefeitura paulistana, apenas oito monumentos (como estátuas e bustos) que rendem homenagem a figuras femininas. Monumentos masculinos, por sua vez, há aproximadamente 100.

Contadas no tour, entretanto, as histórias de personagens femininas têm potencial para fascinar (e muito) o público.

Ao cruzar a região da Praça da Sé, a guia Ana Kátia Santos da Silva aponta para um edifício chamado Ouro Para o Bem de São Paulo, localizado na rua Álvares Penteado e que tem um nome que faz referência à doação que mulheres paulistas fizeram de suas alianças de casamento para levantar fundos e apoiar a Revolução Constitucionalista de 1932.

Antiga residência da Marquesa de Santos é uma das paradas do passeio no centro paulistano - Sylvia Masini/Divulgação
Antiga residência da Marquesa de Santos é uma das paradas do passeio no centro paulistano
Imagem: Sylvia Masini/Divulgação

"É uma história que nos remete a uma interessante personagem deste conflito armado: Maria José Bezerra, também conhecida como Maria Soldado", diz Ana Kátia.

Cozinheira, Maria José Bezerra não doou ouro para as forças de São Paulo. Fez mais: ela pegou em armas e se juntou aos combatentes paulistas para participar da guerra. Há relatos de que ela teria lutado com extrema valentia no conflito, o que a fez ganhar fama na época da Revolução.

O passeio também aborda mulheres que se destacaram em outros campos de atuação. No Largo São Francisco, o passeio traz à tona a trajetória de Maria Augusta Saraiva, a primeira mulher da história a ingressar na faculdade de direito que ali existe, em 1897.

Maria Augusta Saraiva é uma das célebres mulheres da faculdade de direito que fica no Largo São Francisco; na foto, busto de Álvares de Azevedo  - Marcel Vincenti/UOL
Maria Augusta Saraiva é uma das célebres mulheres da faculdade de direito que fica no Largo São Francisco; na foto, busto de Álvares de Azevedo
Imagem: Marcel Vincenti/UOL

Ela também chegou a ser nomeada Consultora Jurídica do Estado de São Paulo ("uma espécie de cargo de honra", segundo a Ordem dos Advogados do Brasil).

E o que dizer de Anita Malfatti, figura importantíssima da Semana de Arte Moderna de 1922 (e que é citada quando o passeio passa perto do Theatro Municipal, palco deste fundamental evento da história cultural brasileira)?

No centro de São Paulo, é possível conhecer a história de mulheres protagonistas de suas épocas - Marcel Vincenti/UOL
No centro de São Paulo, é possível conhecer a história de mulheres protagonistas de suas épocas
Imagem: Marcel Vincenti/UOL

A referência a Anita traz à tona, automaticamente, o nome de Tarsila do Amaral, artista paulista com a qual ela interagiu no modernismo brasileiro.

Nem todos sabem, mas é de Tarsila o quadro brasileiro mais valioso na atualidade: "Abaporu", que faz parte do acervo do Museu de Arte Latino-Americana, em Buenos Aires, e que já recebeu uma proposta de compra de cerca de R$ 120 milhões, segundo informação publicada na coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S. Paulo.

Da Marquesa de Santos a Hebe Camargo

Domitila de Castro Canto e Melo, a Marquesa de Santos, é conhecida por muita gente por causa de seu relacionamento amoroso com Dom Pedro 1º.

Mas, em vida, ela fez muito mais do que isso.

Uma das paradas do passeio é o Solar da Marquesa, linda edificação do centro que, no século 19, pertenceu a Domitila. O local foi palco de inúmeros eventos culturais promovidos pela marquesa, que contaram com a participação de parte da intelectualidade brasileira na época. E ela também se destacou na ajuda a pessoas necessitadas mais para o final de sua vida.

Hebe Camargo é tema de uma exposição realizada no Farol Santander - Marcel Vincenti/UOL
Hebe Camargo é tema de uma exposição realizada no Farol Santander
Imagem: Marcel Vincenti/UOL

Yolanda Penteado também é relembrada quando o tour passa perto de um edifício que leva o nome Matarazzo, família à qual ela pertenceu.

Mais do que isso, Yolanda foi uma das pessoas responsáveis pela organização da primeira Bienal Internacional de Arte de São Paulo, em 1951.

E já que o assunto é arte, a guia Ana Kátia faz questão de apontar o Farol Santander para contar que, neste momento, o local sedia uma exposição sobre Hebe Camargo, "uma das paulistas mais famosas da história do Brasil".

E, não muito longe dali, na rua Quintino Bocaiúva, o destaque vai para o Palacete Tereza Toledo Lara, antiga sede da Rádio Record e onde mostraram seu talento artistas como Inezita Barroso e Nair Bello, ambas muito ligadas à cidade de São Paulo.

Carioca radicada na capital paulista, Gisele Lopes gostou do tour: "é um passeio importante, que revela detalhes da vida de mulheres que antes eram obscuros. A história das mulheres nem sempre foi contada como deveria, mas é legal ver que isto está mudando".

SERVIÇO

Este passeio será novamente realizado no centro de São Paulo nos próximos dias 23 e 30 de março, com início às 11h (é recomendável chegar com pelo menos 30 minutos de antecedência).

O ponto de partida é a Praça da Colmeia, no Pátio Metrô São Bento.

Mais informações: patiosaobento.com.br

Roteiros culturais