12 horas

Um passeio pela Berlim do passado, presente e até futuro

Por Juliana Simon

10 HORAS

Irresistível começar pelo monumento mais conhecido da cidade: o Portão de Brandemburgo. Cenário de viradas políticas, símbolo da reunificação e de muitas festas, o local é bem aberto e acessível.
Juliana Simon/UOL

10:30 HORAS

Em 15 minutos de caminhada, uma viagem no tempo. Não deixe de conhecer o mais novo museu da cidade, o Futurium. Alguma pista do que se trata a atração às margens do Rio Spree?
Jan Windszus/Divulgação/Futurium
Aberto em setembro de 2019, o local reúne três correntes para pensar o futuro: as pessoas, a ecologia e a tecnologia. Tudo com muitas instalações interativas para se perder e rever quantas vezes voltar a Berlim.
Jan Windszus/Divulgação/Futurium

13 HORAS

A comida do futuro já está entre nós... e é deliciosa! No térreo do Futurium é possível saborear opções voltadas para quem está pensando no cardápio dos próximos anos. Aqui, o curry orgânico é servido com arroz, amêndoas torradas e alga Nori.
Jan Windszus/Divulgação/Futurium

14 HORAS

Na Museumsinsel (Ilha dos Museus), são cinco opções para todos os olhares: Museu Pergamon, Altes Museum, Neues Museum, Alte Nationalgalerie e Museu Bode. Para se decidir entre as opções, a caminhada nos arredores já é garantia de queixo caído.
Divulgação/Vist Berlin

14:30 HORAS

Quer uma ideia rapidinha e sensacional? No Pergamo, o Panorama de Yadegar Asisi mostra a antiga cidade romana em 360° no ano 129 A.C. Sons, iluminação que remete do nascer ao por do sol, fotos e arte gráfica fazem da obra uma joia do museu - que também conta com descobertas de escavações.
Divulgação/Tom Schulze © asisi

15:30 HORAS

Para dar uma olhada nas mudanças gritantes do que antes foi o lado oriental e comunista da cidade, caminhe pela Friedrichstrasse - importante centro de compras onde está, por exemplo, a Galeries Lafayette Berlin.
Divulgação/Visit Berlim

16 HORAS

O controle de fronteira mais famoso do mundo, o Checkpoint Charlie é um destaque para os turistas curiosos pela divisão de Berlim durante a Guerra Fria - ainda que não tenha mais ninguém vestido de soldado para tirar uma selfie.
Claudio Schwarz/Unsplash

16:15 HORAS

Bem perto está um dos pontos onde é possível ver de perto o que sobrou do Muro. Ao lado, o museu aberto Topografia do Terror, onde se localizavam escritórios do regime nazista e da Gestapo.
Juliana Simon/UOL

16:40 HORAS

Depois de muita caminhada, fome. Nada melhor que o tradicional currywurst, um berlinense típico: salsicha com um molho que mistura curry e ketchup (herança dos soldados ingleses e americanos no pós-guerra).
Juliana Simon, UOL

17:15 HORAS

Agora do lado ocidental da cidade, a Igreja Memorial Kaiser Wilhelm - parcialmente destruída por ataques aéreos de aliados em 1945 - chama atenção. À pé, de ônibus ou de carro, vê-la é uma imagem inesquecível de Berlim.
Reprodução/Facebook oficial

17:30 HORAS

Com dizem os berlinenses, se não tem na KaDeWe é porque não existe. O símbolo do luxo na cidade reúne moda, decoração e gastronomia para um público endinheirado.
Divulgação/Visit Berlin

19:30 HORAS

Na noite cool de Berlim, não é fácil se destacar. Para uma janta vegetariana surpreendente e drinques com toques inusitados como beterraba e abóbora, executados pela premiada bartender Yvonne Rahm, o lugar é o Bonvivant Cocktail Bistro.
Reprodução/Instagram

22 HORAS

A discreta porta no térreo de um hotel cinco estrelas revela um dos bares mais famosos de Berlim, o Crackers.
Juliana Simon/UOL
Instalado em um cinema antigo e herdeiro do icônico Cookies Club, é o lugar ideal para fechar a noite - ou dar início a ela - com uma enorme carta de bebidas, comidinhas e sobremesas.
Reprodução/Instagram
Publicado em 11 de dezembro de 2019.

Reportagem e edição
Juliana Simon

A jornalista viajou a convite da Lufthansa, Visit Berlin e Vienna Tourism

Continue navegando por UOL Viagem