PUBLICIDADE
Topo

Cultura e lazer

Viva a cidade. Saboreie experiências.


Cultura e lazer

Cinco figurinhas carimbadas de uma inauguração de exposição de arte

Africa Studio/Adobe Stock
Imagem: Africa Studio/Adobe Stock

Luiza Sahd

Colaboração para o UOL

19/06/2018 04h00

Consumir arte é bom e pega bem -- se bobear, até a pele fica mais bonita. Por isso, poucas opções de lazer vêm mais a calhar do que o chamado vernissage, que basicamente é a inauguração de uma exposição de obras de arte. Nesse tipo de evento, encontramos os três C fundamentais para sobreviver a mais um dia nesta nave louca chamada Brasil: cultura, comida e cachaça.

Mas você já se perguntou quem é você no vernissage? Caso a resposta seja não, estamos aqui para dar uma forcinha. Confira qual é o perfil que mais se adapta a sua personalidade e aproveite para convidar aquele amigo ou aquele crush para uma voltinha cultural neste final de semana.

O artistão

Adobe Stock
Imagem: Adobe Stock

Você é o cara que ficou fulo das cuecas com a hipótese de que uma série de pessoas frequentem vernissages para forrar a barriga e economizar um troco. Provavelmente, sua visão de mundo vai em caminho totalmente oposto ao utilitarismo que assola a população que nem sabe o que é o conceito de utilitarismo.

Conselho: calma, cara.

O louco das referências

Este perfil está um degrauzinho abaixo do artistão. Você ainda não encontrou o método perfeito para exteriorizar tanta criatividade e suas crenças sobre o mundo, a vida e tudo mais. Então, você virou uma espécie de rato de vernissage em busca de referências que, quem sabe um dia, despertarão a sua própria genialidade.

Conselho: fica esperto, quase ninguém é gênio. Ou não.

O acumulador de amigos

De repente, arte nem é muito a sua, mas sabe como é: o amigo do irmão do vizinho da sua ex peguete comentou que tinha um evento massa rolando sobre a contemporaneidade através das pinceladas de não-sei-quem e, quando você viu, já estava lá.

Conselho: saiba ao menos o tema do evento antes de encaminhar o endereço no grupo do zap.

O passa-fome

Africa Studio / Adobe Stock
Imagem: Africa Studio / Adobe Stock

OK, pode ser que haja comida e até mesmo bebidas na sua casa, mas, ponderando bem, você sabe que houve gasto de dinheiro para adquirir o que tem na sua geladeira, enquanto o rango e o coquetel do vernissage são gratuitos. Sua visão da arte não implica muita reflexão e sua filosofia de vida é “de graça, até injeção na testa”.

Conselho: dê uma olhadinha no que está exposto. Muitas vezes, são coisas bonitas.

O amigo do passa-fome

Você não é exatamente um caçador de vernissages porque você sequer sabe explicar para si mesmo como foi parar ali. Na dúvida sobre como se portar, você tenta emplacar conversas e dançar conforme a música do passa-fome que te chamou -- muitas vezes sendo até mais voraz do que ele, já que não conhece absolutamente ninguém do ambiente além do garçom, com quem falou sete vezes nos últimos três minutos.

Conselho: cuidado para não assustar o garçom. Ele também tem um coração.

Veja também:

Cultura e lazer