PUBLICIDADE

Topo

Podcast

Sexoterapia

A sexóloga Ana Canosa e a jornalista Marina Bessa conduzem o papo sobre sexo e relacionamento.


Sexoterapia

Sexoterapia #9: "Tenho orgasmos intensos sem ser tocada." Isso é possível?

Mais Sexoterapia
1 | 23
Siga a Universa no

Do UOL, em São Paulo

14/02/2020 04h01

Cerca de 30% das mulheres relatam dificuldades para ter um orgasmo, de acordo com as estatísticas mundiais. No Brasil, o número chega a 50%. Mas existem algumas sortudas que além de chegar lá, nem precisam ser tocadas. É o caso da Bruna, 42, professora, de São Paulo. Ela contou sua história ao podcast Sexoterapia.

"A primeira vez que tive um orgasmo inusitado, foi com um beijo. Só um beijo! Claro que foi um beijão daqueles apaixonados, cheio de tesão, mas a gente nem estava se tocando. Eu fiquei tão surpresa, que minha reação foi esconder do meu namorado na época. Deveria ter contado, como fiz com meu atual namorado, o segundo cara com quem rolou esse tipo de orgasmo. E ele adorou saber que me causa um tesão dessa proporção. Isso só aconteceu com esses dois namorados (foi mais de uma vez com cada um), o que me leva a achar que deve ter alguma relação com paixão (fui muito apaixonada por esse ex, e sou muito apaixonada por esse atual).

Além de gozar beijando, eu também já tive dois outros episódios de orgasmos aleatórios. Um foi no cinema, assistindo a uma cena de sexo com aquele ex-namorado do beijo com orgasmo. Eu morria de tesão por ele, daí acho que foi o contexto todo: a cena, ele do meu lado, já comecei a imaginar a gente transando, minha cabeça foi longe, e eu gozei sentada na cadeira do cinema, sem nenhum estímulo em nenhum lugar do corpo! Foi a primeira e única vez que isso me aconteceu! E esse orgasmo não deixou nada a dever aos outros que tive em situações mais sexuais.

Também teve outro episódio curioso, que foi um orgasmo durante uma massagem relaxante! Sério! Contexto nada sexual, a massagem era em um quartinho bem feio, com uma terapeuta que eu nem achava atraente. Mas quando ela começou a fazer um movimento de baixo pra cima nas minhas costas, começando ali pela região do cofrinho, perto da bunda, e subindo até o meio das costas, eu comecei a sentir umas contrações na vagina, que foram ficando mais intensas, e logo eu estava gozando. Tentei disfarçar, mas não sei até hoje se consegui ou não, porque meu corpo fez aqueles espasmos involuntários. O mais curioso é que até os 30 anos, eu nunca tinha tido um orgasmo!"

Isso é mesmo é possível?

Ana Canosa, sexóloga e apresentadora do Sexoterapia diz que sim. "Não é preciso, necessariamente de estímulo clitoriano ou penetração para ter um orgasmo. Só com a concentração, com esse mergulho nas sensações, é possível ter", explica. Ela conta ainda que já ouviu relato de mulheres que tiveram orgasmo dançando, pintando quadros, ou dormindo. "Mas é importante ressaltar que esse tipo de experiência é exceção. Esse tipo de orgasmo, sem estimulação, pode acontecer, mas não é o mais habitual", conclui.

Ok, é difícil, mas não impossível. E uma maneira de conseguir esse verdadeiro milagre do prazer é por meio do autoconhecimento. Entender quais são as partes mais sensíveis do seu corpo, além dos genitais, que tipo de fantasia e de pensamento te excita. Ajudar nessa descoberta faz parte do trabalho da terapeuta orgástica Charlise Freitas de Andrade, que também já chegou ao orgasmo sem nenhum toque, como contou durante sua participação no podcast Sexoterapia: "Eu estava vestida, com o corpo quente, e a água gelada caindo no meu corpo. Gozei três vezes. E não foram orgasmos quaisquer, foram orgasmos dignos de sessão de terapia orgástica".

Acompanhe o Sexoterapia

Orgasmo é o tema do nono episódio do podcast Sexoterapia, um espaço criado por Universa para falar de sexo e relacionamento. Nesse episódio, as apresentadoras Marina Bessa, editora chefe de Universa, e Ana Canosa, sexóloga, recebem a terapeuta Orgástica Charlise Freitas de Andrade.

Sexoterapia está disponível no UOL, no Youtube de Universa e nas plataformas de podcasts, como Spotify, Apple Podcasts, no Castbox e Google Podcasts.

Sexoterapia