PUBLICIDADE

Topo

Direitos da mulher

EUA: estado do Arkansas proíbe aborto em caso de estupro ou incesto

10/03/2021 08h46

O estado americano de Arkansas aprovou nesta terça-feira (9) uma lei proibindo o aborto, mesmo em casos de estupro ou incesto. O objetivo é pressionar a Suprema Corte dos Estados Unidos a reverter sua decisão, que em 1973 estendeu esse direito a todo o país.

O estado americano de Arkansas aprovou nesta terça-feira (9) uma lei proibindo o aborto, mesmo em casos de estupro ou incesto. O objetivo é pressionar a Suprema Corte dos Estados Unidos a reverter sua decisão, que em 1973 estendeu esse direito a todo o país.

A única exceção prevista no texto promulgado pelo estado, que tem divisa com o Mississippi e é conhecido por seu conservadorismo cristão, é "salvar a vida da mãe durante uma emergência médica", anunciou seu governador, Asa Hutchinson.

Hutchinson, declarou ter "sinceras e duradouras convicções pró-vida" e que, com a decisão, "prepara o terreno para a Suprema Corte anular a jurisprudência atual". O texto não deve entrar em vigor antes de meado de 2021. A organização de direitos civis American Civil Liberties Union, a ACLU, já anunciou que irá contestar a lei no tribunal. O aborto ainda divide a população americana. A oposição ainda é muito forte, especialmente nos círculos religiosos.

Desigualdades territoriais

Nos últimos anos, diversos estados do sul e do centro do país aumentaram as leis restritivas ao aborto, obrigando muitas clínicas a fecharem suas portas.

A nomeação pelo então presidente Donald Trump de Amy Coney Barrett como juíza da Suprema Corte, em outubro do ano passado, resultou em uma maioria conservadora de 6 a 3 na instância e levantou a possibilidade de derrubar a decisão de 1973 sobre os direitos ao aborto.

Se a decisão histórica for derrubada, cada estado poderá passar a estabelecer as regulamentações sobre o aborto, aumentando ainda mais as desigualdades territoriais. Trump se tornou um ferrenho oponente da prática na tentativa de atrair os cristãos evangélicos durante sua campanha de reeleição.

Com informações da AFP.

Direitos da mulher