PUBLICIDADE

Topo

Moda

Estilista Stella Jean protesta contra racismo na moda italiana

A estilista Stella Jean protestou contra o racismo na moda e anuncia boicote à desfile - Mondadori Portfolio/Mondadori via Getty Images
A estilista Stella Jean protestou contra o racismo na moda e anuncia boicote à desfile Imagem: Mondadori Portfolio/Mondadori via Getty Images

Sophie Davies

Da Reuters

11/09/2020 12h47

Stella Jean, a estilista italiana de origem haitiana que acaba de anunciar um boicote à Semana de Moda de Milão, disse que sofreu racismo a vida toda.

Mas foi só quando a estilista, de 41 anos, encarou isso na indústria da moda italiana, majoritariamente branca, que ela percebeu o quão relutantes as pessoas são em falar sobre o assunto.

Agora, Stella Jean, cujas saias e vestidos de cores vivas são usados por celebridades como Beyoncé e Rihanna, afirma que não pode mais ficar em silêncio diante do que ela vê como um aumento nos incidentes raciais na moda italiana.

A ex-modelo, apadrinhada de Giorgio Armani e única negra a ser indicada para o influente Conselho de Moda da Itália, não exibirá sua última coleção na Semana de Moda de Milão no final deste mês em um protesto contra o racismo.

"Como a primeira e única estilista negra na história do Conselho de Moda, é minha responsabilidade explicar para aqueles que não perceberam a extrema marginalização em que vive minha minoria", disse ela à Thomson Reuters Foundation.

Uma geração inteira de novos italianos viveu por muito tempo em uma condição de invisibilidade total.

Stella Jean afirmou que embora a discriminação tenha sido uma "companheira de viagem desagradável e pontual" em sua vida, ela só a encontrou na indústria da moda recentemente, quando levantou questões de raça.

Ao fazê-lo, ela descobriu que "abordar o assunto do racismo na Itália é até hoje um tabu inconfessável".

A Itália é mais branca do que a maioria dos outros países europeus e tem havido relativamente pouco debate sobre o passado colonial do país, racismo ou integração.

Moda