Topo

Universa

Financial Times terá mulher como editora-chefe pela primeira vez

Lionel Barber, ex-editor chefe do Financial Times, e Roula Khalaf, sua sucessora no cargo - Charlie Bibby/Financial Times
Lionel Barber, ex-editor chefe do Financial Times, e Roula Khalaf, sua sucessora no cargo Imagem: Charlie Bibby/Financial Times

Kate Holton

Da Reuters, em Londres

12/11/2019 13h56

Resumo da notícia

  • Roula Khalaf será a primeira editora-chefe do Financial Times em 131 anos
  • Libanesa substitui Lionel Barber, considerado o jornalista financeiro mais experiente do Reino Unido
  • Ela foi vice-editora, editora internacional e editora de Oriente Médio durante mais de 20 anos no jornal

Roula Khalaf se tornará a primeira mulher a editar o Financial Times nos 131 anos de história do jornal, depois que Lionel Barber, considerado o jornalista financeiro mais experiente do Reino Unido, anunciou sua saída do cargo.

Barber disse nesta terça-feira que deixará o jornal em janeiro, depois de 14 anos com editor e 34 anos na publicação de propriedade da Nikkei, que tem 1 milhão de leitores pagantes em 2019 e assinantes digitais que representam mais de 75% de sua circulação total.

Khalaf atuou como vice-editora, editora internacional e editora de Oriente Médio durante suas mais de duas décadas no FT, e nos últimos anos procurou aumentar a diversidade da redação e atrair mais leitoras.

"É uma grande honra ser escolhida como editora do FT, a maior organização de notícias do mundo. Espero conseguir levar adiante as conquistas extraordinárias de Lionel Barber", disse Khalaf, cujo trabalho anterior na revista Forbes lhe rendeu um pequeno papel no filme O Lobo de Wall Street, de Martin Scorsese.

Um texto dela descrevia o protagonista, Jordan Belfort, como uma versão deturpada de Robin Hood que tira dos ricos para dar a si mesmo e ao seu grupo de corretores.

Assim com Katharine Viner, do Guardian, a libanesa Khalaf se torna uma das poucas mulheres editando grandes jornais britânicos e uma das poucas editoras de grandes publicações no mundo desde que Jill Abramson deixou o New York Times.

Antes de ir para o FT, em 1995, Khalaf trabalhou na Forbes em Nova York, graduou-se na Universidade de Syracuse e obteve um mestrado na Universidade Columbia.

Universa