Conteúdo publicado há 7 meses

Empresária é morta em falsa entrega em MT; ex é suspeito de ser mandante

Uma empresária de 26 anos foi morta a tiros ao atender um falso entregador em Lucas do Rio Verde, no interior de Mato Grosso. O ex-marido dela é apontado pela polícia como suspeito de ser o mandante do crime.

O que aconteceu:

A investigação aponta que Camila Brito da Silva estava em casa com o namorado quando foi chamada por um motoboy que disse ter uma entrega para a mulher na última segunda-feira (27). Quando a vítima abriu o portão, o criminoso fez diversos disparos de arma de fogo contra ela, que não resistiu e morreu.

O criminoso também teria tentado atirar contra o atual companheiro de Camila.

A Polícia Civil fez diligências e apontou o ex-marido de Camila, identificado apenas como E. M.D.S, como suspeito de ser o mandante do crime. O suspeito teria mandado mensagem para a empresária perguntando se ela estaria em casa e, logo depois, o falso entregador, já identificado pela polícia, cometeu o crime.

Os agentes descobriram que o carro do ex-marido da vítima, um Jeep modelo Renegade de cor preta, havia seguido para a cidade de Brasnorte, ainda em Mato Grosso, e foi parado pela Polícia Militar. Um homem que dirigia o veículo disse que é amigo do suspeito e que o colega pediu que o automóvel fosse levado da cidade de Campo Novo dos Parecis para Brasnorte.

De acordo com o amigo do ex-marido da empresária, o homem havia dito que teria feito "uma cagada, um trem que não era para ter acontecido" e que explicaria depois o que aconteceu.

O homem apontado como o falso entregador e executor do crime também estava no automóvel. Ele conseguiu fugir do local e é procurado pelas autoridades. Dentro do carro, havia uma arma que pode ter sido usada no assassinato.

Suspeito de ser mandante é preso

O ex-marido de Camila foi preso ontem em Barra do Garças. Ele estaria tentando fugir para outro estado, segundo a Polícia Civil. A ação foi realizada em trabalho conjunto entre a Polícia Civil e a PRF (Polícia Rodoviária Federal).

Continua após a publicidade

O homem foi abordado no posto do município e, após confirmação dos dados pessoais junto à delegacia da cidade, foi confirmado que ele estava com mandado de prisão em aberto.

Na terça-feira (28), a delegada Ana Caroline Mortoza Lacerda representou pela prisão do ex-marido pelos crimes de homicídio qualificado (por motivo fútil e feminicídio) e tentativa de homicídio.

O suspeito de ser mandante foi conduzido à delegacia de Barra do Garças e, informalmente, confessou o feminicídio e disse que a vítima teria envolvimento com crimes e ele vinha recebendo ameaças, segundo a Polícia Civil de Mato Grosso.

O suspeito deve ser interrogado na Delegacia de Barra do Garças hoje (1º) e depois deve ficar à disposição da Justiça. Como o nome dele não foi divulgado, a reportagem não conseguiu encontrar a defesa para pedido de um posicionamento. O espaço segue aberto para manifestação.

As buscas continuam para encontrar o suspeito de ser o executor do crime.

Em caso de violência, denuncie

Ao presenciar um episódio de agressão contra mulheres, ligue para 190 e denuncie.

Continua após a publicidade

Casos de violência doméstica são, na maior parte das vezes, cometidos por parceiros ou ex-companheiros das mulheres, mas a Lei Maria da Penha também pode ser aplicada em agressões cometidas por familiares.

Também é possível realizar denúncias pelo número 180 — Central de Atendimento à Mulher — e do Disque 100, que apura violações aos direitos humanos.

Há ainda o aplicativo Direitos Humanos Brasil e através da página da Ouvidoria Nacional de Diretos Humanos (ONDH) do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH). Vítimas de violência doméstica podem fazer a denúncia em até seis meses.

Deixe seu comentário

Só para assinantes