PUBLICIDADE

Topo

Como Camila Coelho: mulheres com epilepsia falam dos desafios da gravidez

Elisa Brino, 29 anos, tem epilepsia e está grávida do terceiro do terceiro filho: apoio do neurologista é fundamental - Beatriz Magalhães Fotografia
Elisa Brino, 29 anos, tem epilepsia e está grávida do terceiro do terceiro filho: apoio do neurologista é fundamental Imagem: Beatriz Magalhães Fotografia

Rafaela Polo

de Universa, São Paulo

08/04/2022 04h00

A influenciadora Camila Coelho, que sempre falou abertamente sobre sua epilepsia, anunciou recentemente que está grávida de seu primeiro filho. Ela levou a público a informação apenas no quinto mês de gestação e disse em seu Instagram que tem sido uma "jornada sensível, com medos e frustrações devido à epilepsia".

A gestação de uma mulher com epilepsia pode ser, sim, categorizada como de risco. As grávidas epilépticas têm duas grandes preocupações: convulsões na gestação e o impacto dos remédios na formação dos bebês. Mas segundo Mário Macoto Kondo, obstetra do Hospital e Maternidade da Pro Matre Paulista, não há nada que as impeça de engravidar. Basta manter os cuidados corretos. "Se a mulher não fizer um pré-natal adequado pode ter risco de pré-eclâmpsia, um risco maior de um parto prematuro, mas nada que não seja contornável. O pré-natal é muito importante", diz. O acompanhamento médico é fundamental para todas mulheres, e mais ainda para quem sofre com essa doença neurológica. "O papel do obstetra do pré-natal é estar atento a essas questões e tranquilizar a paciente", afirma o médico.

Mário explica que em alguns casos, os médicos podem sugerir a troca de algumas medicações. "Existem discussões que ligam algumas más formações fetais e alguns remédios. Quem planeja engravidar começa a tomar ácido fólico um mês antes das tentativas. Para quem tem epilepsia, o recomendado é de dois a três meses antes. Essa atitude diminui os riscos eventuais", diz o médico

Já sobre as convulsões, o risco de abalar o bebê, quando ela está com a doença sendo cuidada, é raro. "O problema maior seria se ela entrasse em estágio de mal epilético, com várias convulsões. Isso traz o risco de diminuir o fluxo de oxigênio e sangue na placenta, o que colocaria o bebê em risco. Mas é raro", diz o médico, que reforça a importância do pré-natal.

A seguir, mulheres com epilepsia contam como lidaram com a doença durante a gestação de seus filhos.

'Só descobri que estava grávida aos quatro meses'

 Erika Almeida, 40 anos, achou que tinha entrado na menopausa quando a menstruação atrasou. Ela tentava engravidar há dois anos sem sucesso, então nao imaginou que poderia ser possível  - Acervo pessoal - Acervo pessoal
Erika, 40 anos, achou que tinha entrado na menopausa quando a menstruação atrasou. Ela tentava engravidar há dois anos sem sucesso, então nao imaginou que poderia ser possível
Imagem: Acervo pessoal

"Por causa da epilepsia, engravidar me preocupava. Quando descobri a gestação fiquei desacreditada. Eu estava há 4 meses sem menstruar, mas achei que, na verdade, estava entrando na menopausa. Não estava vindo de um cenário fácil na minha vida. Meu último emprego foi há 10 anos, quando me demitiram justamente por causa da doença, o que me fez entrar em depressão.

Com tantas portas se fechando e já há dois anos casada sem engravidar, pensava que, na verdade, eu não poderia ter filhos. Por isso fiquei tão chocada e nem liguei para a minha falta de menstruação.

Como não passava pela minha cabeça, fiquei muito nervosa depois que fiz meu teste. Descobri a gestação quando já estava com quatro meses. Procurei meu neurologista, porque tomo vários remédios, inclusive tarja preta - este último costuma ser retirado quando a mulher engravida. Mas como o bebê e eu estávamos bem, ele não viu necessidade de parar com nenhuma medicação. Segui com a minha rotina normal de remédios.

Todos estávamos preocupados: eu, minha família, meu marido... Mas não tive crises no período.

O meu parto foi cesárea. Minha ginecologista estava preocupada de eu ficar nervosa durante o processo de dar a luz em um parto normal, onde a mulher faz força e participa mais, e me acarretar uma crise. Então, no fim, correu tudo bem.

Uma questão para as mães com epilepsia é que não dava para eu amamentar. Como eu tomava remédio tarja preta, poderia passar para a bebê no leite, então não passei por isso. O puerpério nos deixa muito cansadas, mas só voltei a ter crise quando minha filha tinha um ano.

Avisei minha mãe por telefone, que não tinha conseguido dormir e deitei na cama com a minha filha quando ela cochilou. Meu pai foi até em casa e precisou arrombar a porta para me socorrer. Nem sei direito o que aconteceu, porque não me contaram, mas precisei ficar uns dias internada", Erika Almeida, 40 anos, assistente social, São Paulo (SP)


'Na primeira gravidez tive cinco crises'

Elisa teve cinco crises de epilepsia durante sua gestação. Ela acredita que os episódios foram culpa do medo que sentia na época - Acervo pessoal  - Acervo pessoal
Elisa teve cinco crises de epilepsia durante sua gestação. Ela acredita que os episódios foram culpa do medo que sentia na época
Imagem: Acervo pessoal

"Mesmo sendo epiléptica, sempre tive vontade de ser mãe - e sou! Tenho duas filhas e estou grávida pela terceira vez. Minhas gestações foram bem tranquilas. A única coisa que me deixava preocupada eram minhas crises de ansiedade, que podem ocasionar convulsão. E grávida eu não podia tomar remédios para isso. Segui com as medicações para epilepsia certinho e foi tranquilo.

A primeira vez que engravidei, eu tomava pílula. Não estava nos meus planos engravidar. Eu era muito nova, estava na faculdade e tinha outros planos. Foi um susto. Não consegui marcar consulta com o meu neurologista, então passei com outro. Ele trocou totalmente minha medicação, disse que era melhor porque assim eu correria menos riscos do meu bebê ter má formação. Então, passei bem mal.

Eu tive crises, mas acho que foi de medo. Nada que me fizesse ir para o hospital. Algo de 10 minutos e logo depois minha consciência voltava Na primeira gravidez isso aconteceu umas cinco vezes.

Minha segunda gestação foi planejada, então os processos foram um pouco diferentes. Consultei com o neuro antes de engravidar, não troquei meus remédios... E foi tudo bem tranquilo, como essa que estou tendo. O único problema são os enjoos. Normal para toda grávida", Elisa Brino, 29 anos, empresário, Brotas (SP)

'Eu me preparei para engravidar'

Clarice Marques, 41 anos, plenejou suas duas gestações e teve apenas uma crise convulsiva em cada uma delas. Os bebÊs nasceram ótimos  - Acervo pessoal  - Acervo pessoal
Clarice planejou suas duas gestações e teve apenas uma crise convulsiva em cada uma delas. Os bebês nasceram ótimos
Imagem: Acervo pessoal

"Tenho epilepsia desde os 10 anos, o que significa que convivo com a doença há 31 anos. Quando eu e meu marido decidimos engravidar pela primeira vez, foi tudo planejado. Conversamos com o neurologista, fomos ao posto de saúde falar com o médico que acompanharia a gestação e checamos com os especialistas se estava tudo certo com a medicação. A gravidez do Davi, que nasceu em 2011, foi tranquila. Eu tive apenas uma crise convulsiva no sétimo mês.

Acho importante deixar claro que para nós, mulheres com epilepsia, um acompanhamento multidisciplinar é fundamental. Temos que cuidar da nossa saúde como um todo durante a gestação.

Fiz tudo pelo SUS, então procurei atendimento no posto de saúde e também no hospital onde o bebê iria nascer, para fazer o acompanhamento de gestação de alto risco. O bom disso é que o hospital já sabe o que toma, se você está com as crises controladas - ou não. Se você tiver convulsões, eles já vão saber o histórico.

O Davi nasceu sem nenhuma intercorrência, mas não consegui amamentar. Fiquei muito nervosa, porque as emoções ficaram muito afloradas. Com um mês e meio ele já estava tomando fórmula. Mesmo com a medicação, como a minha dosagem era baixa, e não seria eliminada por completo no leite, eu poderia dar de mamar. O máximo que aconteceria era um pouco de sonolência no bebê. Mas não consegui.

Passados cinco anos, planejamos mais uma vez a gestação do nosso segundo filho. Eu estava com 35 anos e consegui engravidar no terceiro mês de tentativa. Assim como na primeira, tive uma única convulsão na gestação.

Os processos foram os mesmos e foi tudo muito tranquilo. Precisei suspender uma medicação, mas não influenciou em nada, e fiz os mesmos acompanhamentos no posto de saúde e onde o Lucas nasceria. Desta vez consegui amamentar até o décimo primeiro mês. O médico falou que eu poderia tentar até quando conseguisse, que não me sentisse muito cansada, e que eu tinha feito o meu melhor.

O pós-parto é muito cansativo e quem tem epilepsia precisa de sono regular, algo que com um bebê recém-nascido não acontece. A maternidade não é fácil para ninguém, mas nós temos uma doença neurológica para levar em conta.

Meus filhos hoje têm 11 e 6 anos e são saudáveis. Minha epilepsia não é genética, então eles não apresentaram nenhum atraso na aprendizagem, problema de cognição ou intelectual. Se eu puder dar uma dica seria: planejar a gestação é primordial.

E se descobriu que está grávida, vá direto ao médico e informe que você tem epilepsia. O preconceito nasce da gente, que estamos acostumados a esconder para nos proteger, mas precisamos falar mais", Clarice Marques, 41 anos, estudante de ciências sociais, Curitiba (PR)