PUBLICIDADE

Topo

'Não sou mulher nem homem. Sou travesti': entenda identidade de Linn do BBB

BBB 22: Linn da Quebrada diz que sonhou com Brunna, mãe de Ludmila e a cantora no "BBB" - Reprodução/Globoplay
BBB 22: Linn da Quebrada diz que sonhou com Brunna, mãe de Ludmila e a cantora no 'BBB' Imagem: Reprodução/Globoplay

Mariana Gonzalez

De Universa

24/01/2022 04h00Atualizada em 26/01/2022 10h31

Durante a edição ao vivo do "BBB 22" de domingo (23), Linn da Quebrada deixou claro deve ser tratada por pronomes femininos — motivo pelo qual tem a palavra "ela" tatuada na testa. Em outro momento do programa, ao se apresentar para os demais colegas de confinamento, também falou sobre sua identidade de gênero: "Eu não sou homem, eu não sou mulher. Eu sou travesti".

Quando Linn foi anunciada como participante, muita gente celebrou que, após 11 anos, uma representante transexual estaria no reality de maior audiência do país. A última foi Ariadna Arantes, em 2011. Mas, também, houve quem chamasse atenção para o fato de que Linn se identifica como travesti, e não como uma mulher trans, como Ariadna.

Enquanto as mulheres trans se identificam como mulheres, as travestis também estão no campo feminino e geralmente preferem ser chamadas por pronomes femininos, como "ela" e "dela", mas não necessariamente seguem o binarismo "homem X mulher".

Em vídeo gravado antes do confinamento, a própria Linn explica:

Vale um adendo: diferentemente do que algumas pessoas pensam, a distinção entre mulher trans e travesti não tem a ver com qualquer procedimento médico. Vale a identidade de gênero com a qual a pessoa se identifica, tendo passado ou não por uma cirurgia.

Linn, portanto, é a primeira travesti a participar do BBB

"É imprescindível reconhecer Linn da Quebrada como travesti. Isso é um indicativo de respeito ao modo como ela se reconhece", fala Caia Maria Coelho, pesquisadora e vice-coordenadora da Nova Associação de Travestis e Transexuais de Pernambuco.

"Essa palavra é muito grandiosa, especialmente no país que mais mata travestis e transexuais no mundo", completa a ativista e compositora Angella Ohana.

Para entender a importância do termo, Universa ouviu três travestis que estão acompanhando o reality: Caia, Angella e Maria Gabriela Almeida, escritora e performer.

"Vê-la ocupando esse espaço é uma revolução"

As três entrevistadas declaram suas torcidas para Linn da Quebrada, que em 24 horas de reality show sofreu transfobia: quando foi chamada de "ele" pela participante Eslovênia. Mais tarde, Rodrigo Mussi, do Pipoca, usou o termo "traveco" para se referir a travestis, considerado pejorativo.

"Jamais fomos invisíveis, a sociedade sabe aonde ir quando quer encontrar uma travesti. Mas, com ela lá dentro, o Brasil conhecerá outras maneiras de nos ver, e a televisão ganha muito conforme se abre a outras narrativas", acredita Caia.

Angella completa e celebra: "Em 22 edições, ver a primeira travesti e segunda representante da letra T da sigla ocupando esse espaço é uma enorme revolução"

Usar palavra é maneira de combater o preconceito

Caia, Maria Gabriela e Angella concordam que há resistência de usar a palavra "travesti" entre pessoas cisgênero, que se identificam com o sexo que nasceram, isto é, que não são transexuais ou travestis.

No Twitter, Caia contou que já ouviu do editor de um jornal que não usava a palavra "travesti" no veículo porque "o caderno policial foi extinto" — o que, diz ela, contribui para associar essa população à criminalidade e à violência.

"Há uma tentativa das pessoas cisgênero de higienizar a palavra dos meios de comunicação e, por isso, ignorar a identidade de gênero que a Linn afirma e reafirma. Parece mais 'limpo' tratá-la como uma mulher trans, e não como travesti, que é a identidade de gênero com que ela se identifica", fala Angella.

"E essa resistência se deve ao fato de que existem vários mitos e estereótipos, que foram criados por pessoas cisgênero e reforçados pela mídia, que demonizam o termo. O mito da travesti violenta, que rouba, que causa medo, que não deve estar em sociedade. É uma palavra carregada de muitos estigmas e, por isso, usá-la é uma forma de assumir um compromisso pelo fim desses estereótipos", completa Maria Gabriela.

Além disso, explica, a palavra "travesti" também carrega um peso histórico: "Quando falo que sou travesti, não falo só de mim, mas de muitas outras pessoas que vieram antes e que sou a continuação delas, que lutaram em uma época que a gente não tinha direito sequer de sair à rua durante o dia".