PUBLICIDADE

Topo

Minha história

'Tenho 43 anos e venci um câncer de mama e outro de útero'

Jane Kodama Gimenes é formada em Gestão Financeira e pós-graduada em Economia, bancária, confeiteira, casada e mãe de duas filhas - Arquivo pessoal
Jane Kodama Gimenes é formada em Gestão Financeira e pós-graduada em Economia, bancária, confeiteira, casada e mãe de duas filhas Imagem: Arquivo pessoal

Jane Kodama Gimenes, em depoimento a Ed Rodrigues

Colaboração para Universa

15/01/2022 04h00

"Tenho 43 anos, sou formada em Gestão Financeira e pós-graduada em Economia, bancária, confeiteira, casada e mãe de duas filhas. A vida testou minha força por duas vezes, mas graças a Deus, à minha perseverança e ao amor da minha família superei dois cânceres distintos: um no útero e o outro na mama.

Depois que a minha filha caçula nasceu, em 2015, optamos por morar em Ourinhos, no interior de São Paulo, onde temos nossa família, e eu viajava para trabalhar em Ipaussu.

Em junho de 2017, em uma consulta de rotina, meu ginecologista pediu um novo exame porque tinha dado uma alteração no papanicolau.

Quando saiu o resultado, marcamos de conversar. Fomos eu e meu esposo, e a notícia veio: um câncer de colo de útero (neoplasia intraepitelial de alto grau NIC 3 carcinoma in situ). Como essa palavra nos abala. Em segundos veio um milhão de pensamentos.

Mas parei, respirei e fomos ao que era mais importante: o tratamento. Meu médico sugeriu, como eu já tinha duas filhas, e estava com 39 anos, uma cirurgia de retirada total do útero e trompas, chamada histerectomia. Como o nódulo era 'in situ' (não invasivo e no primeiro estágio) não precisaria de outros tratamentos.

Jane - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Jane Kodama Gimenes (ao lado do marido): 'Foi um período de muitas emoções e provações'
Imagem: Arquivo pessoal

Fizemos a cirurgia em agosto de 2017, e foi um sucesso. Tive de fazer repouso por 45 dias e já estava pronta para retornar à vida normal. Meu esposo me acompanhou em todo o processo, minha mãe ficou na minha casa, minha tia e amigas me mandavam almoço e jantar, iam tomar café comigo; sem contar as orações.

Em 2018, fui transferida para a agência de Ourinhos. Em julho de 2019, refiz os exames preventivos, acrescentando a mamografia e graças a Deus deu tudo normal.

Além de bancária, sou confeiteira e, em dezembro de 2019, bombamos no Natal e no Ano Novo. No entanto, na primeira semana de janeiro, senti um caroço na mama direita, e na hora pensei ser uma íngua de tanto que tinha trabalhado no final do ano.

Então, no outro dia, já liguei para o médico para pedir a guia e consegui um encaixe no primeiro horário para a mamografia. Eles sempre pedem para levar o exame anterior, e quando fui procurar, achei o exame de julho.

Chegando na clínica até falei para a atendente que eu tinha me enganado, perguntei se precisava fazer mesmo, mas, como estava tudo autorizado e tinha essa 'íngua', acabamos fazendo novamente. Fizemos uma, duas, três vezes, e a radiologista falando que o médico queria outra posição, que não estava bom ainda. Até que, na última, ela veio e o médico disse que queria conversar comigo. Me abraçou e falou que Deus cuidaria de tudo.

Jane - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Jane com a equipe do hospital em que foi atendida
Imagem: Arquivo pessoal

Não estava entendendo nada, mas quando o médico começou a falar, que eu precisava de um mastologista, precisaria de outros exames porque estava com um nódulo com 6 cm e aspecto maligno, ali meu chão se abriu. Voltei para o trabalho meio desnorteada.

Aqui em Ourinhos temos o Hospital de Oncologia, referência em câncer de mama, com um dos melhores mastologistas. Digo sempre que Deus coloca anjos em nossas vidas. A atendente do hospital me recebeu com carinho e já conseguiu me encaixar em uma consulta.

Doutor Leonardo me explicou tudo o que teríamos de fazer, me pediu outros exames e fizemos a punção para a biópsia. Assim que saiu o resultado, ele confirmou o diagnóstico de carcinoma mamário invasivo luminal B birads 5.

Precisaria de cirurgia, quimioterapia e rádio, e marcamos com a oncologista. Saímos da consulta eu e meu esposo, atordoados. Cheguei na agência e desabei em um abraço com uma amiga.

Em consulta com a oncologista Ana Beatriz, um dos maiores anjos da minha vida, entendi o desafio que teria pela frente. Como o nódulo estava grande, decidimos fazer primeiro a químio, depois a cirurgia e, por último, a rádio.

Já saímos para conhecer a equipe de infusão, onde são realizadas as sessões de quimioterapia, uma equipe extraordinária que transborda amor. E os procedimentos começaram: colocação do cateter, exames complementares, etc..

Até que chegou o grande dia, 19 de fevereiro de 2020, meu aniversário de 42 anos, primeiro dia da quimioterapia, e comemoramos lá, com bolo e parabéns. No total foram 16 sessões, quatro quinzenais da tão temida vermelha e 12 semanais da branca.

Apesar de toda a medicação de suporte, ainda passava muito mal, não conseguia comer, a água me dava enjoo, a indisposição era enorme. Meu esposo ia no mercado e trazia tudo que tinha para ver se eu conseguia me alimentar.

Jane - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Jane e as participantes do projeto Amigas do Peito
Imagem: Arquivo pessoal

Na segunda sessão, tive uma febre e tive de me internar por quatro dias; ali meu cabelo já começou a cair muito. Foi horrível a quantidade gigantesca de cabelos na hora do banho, nos travesseiros.

Saindo do hospital, fui raspar a cabeça e tive uma surpresa no salão: minhas filhas e minha prima apareceram de lenço na cabeça.

Eu estava trabalhando ainda, achei que conseguiria levar o tratamento e o trabalho, mas veio a pandemia e passamos para o home office.

Tivemos de nos afastar de todos, minha prima e meu esposo se revezavam para me acompanhar nas sessões. Minha filha mais velha, Giovanna, estava na faculdade em Cornélio Procópio.

Recebi tantas orações, de tantas pessoas, pessoas que nem conhecia, mas que intercederam pela minha cura. Foi um período de muitas emoções e provações: tive dengue, várias suspeitas de covid, reações no momento das químios, mas olhava para o lado e via que existiam problemas maiores do que o meu.

Em agosto de 2020, fizemos a cirurgia e retiramos o quadrante da mama. Foi um sucesso, um trabalho perfeito do doutor Leonardo. Depois, mais 18 sessões diárias de radioterapia.

Apoio da família

Minha avó e minha tia paterna tiveram câncer de mama. No meu caso, minha família sempre foi muito presente. A Luisa, minha filha mais nova, na época com 5 anos, ficava comigo em casa. E novamente meus amigos amados e minhas tias me deixavam almoço, jantar no portão de casa. Minha mãe e minha sogra eu só via por videochamada, e sem cessar elas rezavam por mim.

Nesse segundo diagnóstico, descobri o que era realmente ter câncer. Conheci muitas pessoas, relatos de sucesso e de perdas. Tive muito medo, sim, mas sempre tive confiança que Deus estaria sempre ao meu lado e nada seria em vão, que Ele teria um propósito para mim.

Esse período foi um ensinamento. Ficar em isolamento, por causa do tratamento e da pandemia, me fez refletir muito no que realmente é importante na vida. Dar valor ao que realmente importa, não deixar nada para amanhã.

Amigas do Peito

No Hospital de Oncologia tem um grupo de mulheres chamado Amigas do Peito, que acolhe as pacientes que estão em tratamento. Essas amigas doam perucas, almofadas terapêuticas, lenços, turbantes, e ainda servem diariamente um café da manhã para os pacientes e acompanhantes.

E eu fui acolhida por essas mulheres iluminadas, muitas delas vencedoras do câncer, e eu me apaixonei pelo projeto. Além do acolhimento, temos o projeto de conscientização, com palestras e visitas.

A sala das Amigas do Peito está aberta a todos que quiserem conhecer e se voluntariar a ajudar nesse projeto de amor.

Agora, anualmente passo pelo ginecologista e faço os exames. A cada três meses faço o acompanhamento com a oncologista e o mastologista e por 10 anos vou fazer uma aplicação mensal na barriga e tomar uma medicação diária, chamada hormonioterapia.

Jane - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
'Tive dengue, várias suspeitas de covid, reações no momento das químios, mas olhava para o lado e via que existiam problemas maiores do que o meu', conta Jane
Imagem: Arquivo pessoal

Além desses, ainda faço semestralmente o acompanhamento de dois nódulos na tireoide, com características benignas, mas tenho que cuidar.

Quero dizer a você que acabou de ter o diagnóstico, que o medo e a incerteza fazem parte desse processo, mas a confiança na equipe que irá cuidar de você é essencial. E, sem dúvidas, é entregar nas mãos de Deus, que Ele conduzirá da melhor maneira.

Procure algum grupo de apoio, converse com outras mulheres que já passaram por isso. Compartilhar nossas histórias faz toda a diferença."

Jane Kodama Gimenes, 43 anos, bancária e confeiteira em Ourinhos (SP)

Minha história