PUBLICIDADE

Topo

Relacionamentos

Maiara diz ter sido traída por Fernando Zor: como superar a infidelidade?

Os sertanejos Maiara e Fernando Zor terminaram o relacionamento novamente - Reprodução / Internet
Os sertanejos Maiara e Fernando Zor terminaram o relacionamento novamente Imagem: Reprodução / Internet

De Universa

26/12/2021 10h46

Em pleno Natal, a cantora Maiara foi às redes sociais afirmar ter sido traída pelo agora ex, o sertanejo Fernando Zor, da dupla com Sorocaba. Nos Stories do Instagram, a irmã de Maraisa escreveu: "Querido Papai Noel, esse ano as coisas não foram fáceis... Me manda um homem decente que eu tô preparada para receber!", avisou Maiara, escrevendo ainda que ganhou dois pares de chifres de presente. O artista negou.

Maiara desabafou sobre suposta traição em stories apagados - Instagram - Instagram
Maiara desabafou sobre suposta traição em stories apagados
Imagem: Instagram

Se houve realmente traição, a dor de ser enganada é grande, e para muitos difícil de perdoar. Mas há quem tenha o desejo sincero de superar a infidelidade e continuar a relação, ou mesmo confiar numa próxima, sem levar para ela fantasmas do passado. Para isso, no entanto, é preciso considerar alguns fatores.

Primeiro que perdoar "da boca pra fora" não dá certo. Caso isso aconteça, a pessoa traída pode ficar remoendo o que aconteceu e aproveitar uma simples oportunidade para jogar sobre o par toda a sua ira contida, conforme explicou em entrevista a Universa a psicóloga clínica e terapeuta de casal Triana Portal.

A especialista aponta que lembrar o outro constantemente do erro que cometeu e de toda a mágoa que causou pode ser catártico, mas causa danos à relação e mostra que a pessoa não está conseguindo superar o trauma.

O ideal, Triana diz, é conversar abertamente sobre o fato e o que o motivou a traição. "Só através do diálogo é possível pensar em aceitar, superar, crescer, mudar, refletir e compactuar para reconstruir a relação, sem culpar ou transferir culpa."

Obedeça as etapas do luto

A psiquiatra suíça Elisabeth Kubler-Ross (1926-2004) ensinou que são cinco as fases do luto: negação, raiva, barganha/negociação, depressão e aceitação. E que enfrentar uma a uma, nessa ordem, é imprescindível para superar qualquer tipo de perda. Segundo a psicóloga Izabel Failde, se a pessoa sair da raiva para a aceitação, por exemplo, em um processo de negação das outras fases, é apenas uma questão de tempo para que elas voltem e, talvez, mais fortes.

Outra etapa importante a se pensar para superar a traição é não se enxergar como a causadora da infidelidade, ensina Izabel. Infelizmente, isso acontece com frequência entre as mulheres, ela aponta: "Para resgatar a autoconfiança, assuma apenas a sua parte no que aconteceu —não mais do que isso. Lembre-se: você não tem controle sobre a vida alheia, é responsável apenas pela sua."

Nada de ataques à suposta amante

A mulher que aparece em vídeo dançando com Fernando Zor —e apontada como pivô da separação do sertanejo com Maraisa—, foi às redes se defender de ataques que viria sofrendo. No seu Instagram, Francieli Padilha, massoterapeuta de Guarapuava, no Paraná diz em vídeo que "o povo está descendo a lenha em mim, mas deveriam estar falando isso para o Fernando, não para mim. Eu sou mãe solteira, tenho dois filhos, ajudo a cuidar da minha mãe que tem câncer, trabalho, estudo, me esforço um monte. E a galera me julgando, me falando um monte."

Para a psicóloga clínica e psicoterapeuta Mônica Bayeh, quem deve explicações à mulher é o parceiro. "As outras mulheres podem, sim, desejar o seu homem. Fazer o quê, se vocês têm o mesmo gosto? Elas não combinaram nada com você. Cabe a ele dizer 'não' e cumprir o acordo de ser fiel e estar ao seu lado por vontade própria", fala.

E ela diz mais: chamar uma mulher de "pivô" de alguma situação e passar pano para o homem só serve para reforçar o comportamento masculino de que pode repetir a ação inúmeras vezes. Afinal, se ele foi perdoado uma vez, por que não o seria novamente?

"Superar não é esquecer"

A Universa, Rejane Sbrissa, psicóloga clínica de São Paulo (SP), afirma que superar uma dor como essa não é simplesmente esquecer, mas entender e reconfigurar suas crenças na relação: "É lembrar não com rancor, e sim com o aprendizado, para que tudo que foi vivido sirva de referência para suas atitudes daquele momento em diante, com ou sem seu parceiro."

Portanto, se o foco é seguir em frente e não se abalar mais pela traição do outro, seja num novo relacionamento ou naquele que causou a dor, o foco deve ser o casal, e não o caso ocorrido, ela conclui.

Relacionamentos