PUBLICIDADE

Topo

Sexo

Por que falar de masturbação feminina, como fez Andréa Beltrão, incomoda?

Rebeca (Andrea Beltrão) se masturbou em cena de "Um Lugar ao Sol" - Reprodução/TV Globo
Rebeca (Andrea Beltrão) se masturbou em cena de "Um Lugar ao Sol" Imagem: Reprodução/TV Globo

Nathália Geraldo

De Universa

21/12/2021 04h00

Interpretando a personagem Rebeca, na novela "Um Lugar ao Sol", da TV Globo, a atriz Andréa Beltrão avançou algumas casas no assunto sexualidade feminina ao fazer uma cena em que aparece se masturbando. A descoberta do próprio prazer pela personagem, na ficção, trouxe o debate para a vida real. Nas redes sociais, a novela recebeu críticas. Andréa foi ao Fantástico, neste domingo (19) para explicar a importância de a mulher se sentir livre com sua própria sexualidade. "Quem é que não se masturba?", perguntou, retoricamente, na reportagem. E, afinal, por que falar sobre masturbação feminina incomoda?

Cena de masturbação em "Um Lugar ao Sol" e o prazer feminino

Na cena, a personagem Rebeca escolhe um livro e, enquanto o marido está tomando banho, decide tocar a região genital e se masturbar. Para a psicoterapeuta de casal Solange D. Santana Affonso, o bafafá que procedeu esse trecho da novela tem a ver com a forma com que homens e mulheres foram criados a respeito da sexualidade e do prazer. "Por vivermos no patriarcado, há a ideia de que mulher não pode sentir prazer, principalmente sozinha."

Investigar o próprio corpo, percebendo as áreas mais sensíveis ao toque para despertar o prazer, faz parte das recomendações de sexólogas e terapeutas para mulheres que ainda se sentem pressionadas a só terem satisfação sexual com alguém fazendo companhia.

"A micropolítica dominante quer que a mulher não faça nada sem o parceiro. Mas tenho visto no consultório mulheres com mais de 50 anos que estão descobrindo a emoção que é se masturbar."

Para ter essa dose de prazer sozinha, é preciso fazer um exercício de exploração do próprio corpo e deixar de lado crenças que definem isso como "safadeza" ou "vergonhoso", aponta a especialista. Ainda mais entre aquelas que estão em relacionamentos longos ou passaram dos 50.

"Vejo a dificuldade que algumas têm de se olhar no espelho, ver a vulva, os grandes lábios, sentir onde é o clitóris. Isso porque fomos educadas a não viver isso. E quando é mais velha, e tem a menopausa, o tabu fica maior: parece que a mulher 'morreu'. Mas, não, é só uma fase e se houver mais estímulo, o desejo pode vir."

Masturbação não é "concorrência"

Para além de ser muito gostoso tentar praticar a masturbação a dois, o fato de uma pessoa se tocar para se estimular sexualmente também pode ser uma forma de o sexo entre o casal ficar ainda mais excitante. Ou seja, quando a companheira se masturba, o homem não está "perdendo" nada.

"Homens acreditam em um pensamento distorcido de que a mulher, em casa, precisa ser pudica. E que se ela está mostrando desejo é porque está saindo com alguém, porque ela mudou. É preciso desconstruir essa ideia", analisa Solange.

Sexo e conversa: por que os dois 'dão match'

Saber técnicas de masturbação, passar a incluir brinquedos eróticos na transa não pode ser um tabgu entre o casal, para que se tenha uma relação saudável. Solange recomenda conversa, antes mesmo de tirar a roupa.

"É um trabalho de formiga, porque os homens acham que podem e sabem tudo e as mulheres, nada. Quando eles desconstruírem essa imagem, vão ver que é um processo. E, para isso, é muito bom procurar um terapeuta sexual ou fazer terapia de casal."

Sexo