PUBLICIDADE

Topo

Sexo

Mulheres gostam menos de sexo do que homens? O que está por trás da questão

Reprimidas historicamente, as mulheres precisam se desvencilhar dos tabus para ter vida sexual plena - Delmaine Donson/Getty Images
Reprimidas historicamente, as mulheres precisam se desvencilhar dos tabus para ter vida sexual plena Imagem: Delmaine Donson/Getty Images

Nathália Geraldo

De Universa

26/11/2021 09h53

Não é raro o desejo sexual feminino estar sob o julgamento alheio. Uma das premissas mais comuns é a de que os homens gostam mais de transar do que as mulheres. Será? A escritora Giovana Madalosso fez uma publicação no Twitter sobre o tema, que repercutiu dentro e fora da rede social:

"Esse papo de que mulher gosta menos de sexo. Se desde sempre os homens dividissem com elas as tarefas de casa e as chatices da maternidade (sim, meu amigo, pia limpa dá tesão), a história da libido feminina seria outra".

O recado teve mais de 20 mil likes e reuniu depoimentos de mulheres sobre libido nas relações heterossexuais, comprometimento dos parceiros e problemas, como desigualdade de gênero, que tocam a questão. Para a psicóloga e sexóloga Enylda Motta, aliás, está tudo ligado. "O machismo faz com que a mulher perca o tesão", avalia.

Libido feminina: mulheres gostam menos de sexo?

A sexóloga chama a atenção para o fato de que, reprimidas historicamente, as mulheres vivem, na sociedade ocidental, um vai e vem em suas descobertas e afirmações de desejo sexual. "Por termos uma repressão muito grande em várias civilizações, ao longo da história, aprendemos que o sexo podia ser feito sem querer, só para satisfazermos os maridos. Era a ideia de que precisava transar para não terminar o casamento, o que não deixa de ser uma violência", afirma Enylda.

A construção da vida sexual da mulher, principalmente daquela que se relaciona com homens, ainda carrega ideias machistas de que dizer que gosta de sexo é ser promíscua e que o corpo feminino é um objeto para satisfazer as vontades dos outros. Resultado: falamos menos abertamente sobre prazer do que os homens. E isso dá a falsa ideia de que gostamos menos de transar, diz a sexóloga.

Quanto menos falamos, menos conseguimos perceber que a vontade está ali. Sem contar que as mulheres estão sobrecarregadas com os afazeres, historicamente ligados a nós, de obrigações da casa, dos filhos. Aí, não há lugar para o lazer e para o prazer

Nos comentários da publicação feita pela escritora, mulheres endossaram que a desigualdade entre homens e mulheres tem sua parcela de influência na forma com que veem o sexo. "E também estaríamos menos cansadas. Sem contar que, às vezes, homem transa pensando em si próprio e não na mulher, aí supostamente acha que mulher gosta menos", escreveu uma usuária. "A gente tem que ter tempo pra ter tesão", resumiu outra. "Não dá pra ter tesão exaurida e sem dormir direito (no caso das mães)".

Libido e a rotina feminina

Na rotina da pandemia, a desigualdade de distribuição de tarefas domésticas entre homens e mulheres aumentou. Mas, muito antes disso, diz Enylda, as mulheres já amargavam o acúmulo de tarefas. "Se a mulher tem um dia ruim, ela se pergunta: para que sexo? Essa desigualdade pode fazer com que ela perca a libido".

Entender as próprias vontades sexuais é um caminho estratégico para que a diminuição do tesão não se torne motivo de culpa da mulher. "Por isso, é importante ela tirar um tempo para si mesma, sair, tomar uma cerveja. E também se masturbar. Tomar banho e passar a mão na pele, para descobrir as zonas erógenas... Descobrir ou voltar a ter libido tem que ser nela, não em outra pessoa".

Em casos de alterações mais perceptíveis na vontade de transar, que podem estar ligadas ao uso de anticoncepcionais, ou outras questões médicas, a recomendação é que a mulher procure se consultar com ginecologista.

No episódio "A (nova) busca pelo orgasmo feminino: por que gozamos pouco?" o podcast Sexoterapia debateu o tema. No episódio, a terapeuta sexual e colunista de Universa Ana Canosa e a jornalista Bárbara dos Anjos Lima, editora de Universa, receberam Laís Conter, criadora da página de cantadas @me_lambelambe e sócia da plataforma de áudios eróticos Tela Preta. Ana Canosa afirma que "existe uma disparidade na maneira de como homens héteros e mulheres héteros lidam com sexo. Muitos dos problemas que impedem a mulher de ter um orgasmo estão na cabeça e na falta de conversa com a parceria".

Assista ao episódio completo:

Sexo