PUBLICIDADE

Topo

Minha história

'Meu melhor amigo é gay e casado. Engravidei dele e criamos uma filha a 3'

"Nossa filha entende que o papai é casado com o dindo e que eu sou solteira", explica Lúcia. Diego está à esquerda da foto e Luiz, à direita - Juliana Pacheco/Mar de Algodão
"Nossa filha entende que o papai é casado com o dindo e que eu sou solteira", explica Lúcia. Diego está à esquerda da foto e Luiz, à direita Imagem: Juliana Pacheco/Mar de Algodão

Lúcia Lacerda em depoimento a Júlia Flores

De Universa

16/11/2021 04h00

"Conheço o Diego desde 2000, quando fizemos faculdade juntos em São Luís, capital do Maranhão. Ele tinha 18 anos e eu, 20. Ele era comunicativo e vivia rodeado de amigos. Logo de cara tivemos uma conexão forte. Com a proximidade, acabei me apaixonando por ele. Não me parecia que ele era gay. Até que um dia tomei coragem para me declarar e, na hora, ele respondeu: 'Mas como assim? Você não sabe que eu gosto de homens?'. Chorei por dias e parei de ir à faculdade.

Até que em 2001 conheci uma pessoa, que veio a ser meu marido. No mesmo período, Diego também começou a namorar um amigo nosso. Anos se passaram desde então e, em 2006, infelizmente meu marido adoeceu. Para facilitar o tratamento do câncer, resolvemos nos mudar para Campinas, no interior de São Paulo.

Por causa de um mestrado, Diego já estava morando em São Paulo e a gente se reaproximou. Viramos melhores amigos e ali tive a certeza de que podia contar com ele para tudo. Meu então marido não resistiu ao tratamento e morreu.

Voltei para São Luís e, seis meses depois, o Diego me contou que estava apaixonado por uma mulher. Ele demorou para revelar, mas essa mulher era eu.

"A gente passou muito tempo sem entender o que era nossa relação"

'O que eu sinto por ti é muito forte, mas eu não sei entender isso. Sou gay e isso é claro pra mim. Porém, existe uma atração forte entre a gente', ele me disse. Resolvemos investir em um relacionamento sem rótulos. Sempre que eu ia para São Paulo, a gente ficava e, quando ele ia para São Luís, a mesma coisa.

Depois de um tempo, nos demos conta de que, apesar de nos amarmos, ele não conseguiria me proporcionar uma relação como eu idealizava. A gente transava normal, esse não era o problema, mas ele sentia outros desejos.

Ele começou a namorar outra pessoa e eu, também. Só que sempre que estávamos solteiros, a gente acabava 'ficando'. Quando ele encontrou o Luiz Carlos em 2011, decidimos que seríamos apenas amigos.

Os dois se casaram em 2015. Por um tempo, nos relacionamos apenas como amigos até que aconteceu um episódio particular em 2017.

"A gravidez aconteceu em uma traição mútua"

Naquele ano, o Diego decidiu que faria um intercâmbio para a África do Sul. Antes da viagem, ele foi para São Luís e nos encontramos. Ele estava muito confuso, pensando em sair do Brasil e tudo mais. Eu também não estava bem, no meio de uma relação conturbada, cheia de idas e vindas e traições. Na despedida dele, estávamos bêbados e acabamos transando.

Apesar de ele estar casado e eu namorando — e ter rolado uma traição de ambas as partes —, acho que de alguma forma a gente foi leal com a nossa história, nos entregamos ao momento.

Soube que estava grávida quando ele já estava na África do Sul. Foi um susto, porque, mesmo que eu tivesse dado um tempo com o meu então namorado, eu não tinha certeza sobre quem era o pai. Fiquei me sentindo péssima. Estava em um relacionamento conturbado, mas não queria terminar.

Confirmamos que o Diego era o pai e meu então namorado me disse que queria assumir a criança, mas eu neguei, porque não tiraria esse direito do Diego — que era um grande amigo. Meu namorado não aceitava a ideia do Diego participar de momentos íntimos da gravidez. Falei para ele: 'Entendo, porém minha filha tem um pai e não vou abrir mão disso'. Nos separamos.

Diego decidiu voltar para o Brasil e eu, grávida de sete meses, me mudei para São Paulo, com outras duas sobrinhas, para poder morar perto dele.

"Luiz é o padrinho da Maria Alice"

Lúcia, Diego, Maria Alice e Luiz (à direita) formam uma família - Juliana Pacheco / Mar de Algodão - Juliana Pacheco / Mar de Algodão
Lúcia, Diego, Maria Alice e Luiz (à direita) formam uma família
Imagem: Juliana Pacheco / Mar de Algodão

Um dia depois de eu contar a notícia para o Diego, ele contou para o Luiz sobre a traição. Eles brigaram e se desentenderam. Mesmo assim o Luiz me mandou uma mensagem muito linda de acolhimento, dizendo que eu não precisava me preocupar. Disse que, apesar de estar machucado, sabia do amor que existia entre eu e o Diego e valorizava nossa amizade. 'Não se preocupe, nada vai mudar, agora é hora de você se preocupar com a criança. Precisamos nos unir para que ela tenha um lar harmonioso".

Por causa da solidez do relacionamento dos dois, Luiz e Diego se acertaram e superaram a traição. Luiz o perdoou e entendeu que meu relacionamento com o Diego é amor para além do carnal. Poucas pessoas entendem a nossa relação. Muita gente me pergunta se não houve estranhamento. Não houve. Luiz é uma pessoa incrível e eu e Diego nos amamos, mas não como um casal — muito menos como um trisal.

Quando contamos que eu estava grávida, minha família recebeu bem a notícia. Minha mãe sempre soube da nossa amizade e sentia até um certo ciúmes dele. A família do Diego ficou um pouco perdida, mas também me acolheu bem. 'Como assim, Diego, tu é gay e engravidou uma mulher?', perguntou a mãe dele.

Algumas pessoas acharam que eu queria destruir o casamento deles. Foi difícil, chorávamos juntos por causa desse comentário

As pessoas tendem a tratar a traição como uma tragédia. Vivem relacionamentos heteronormativos cheios de enganação. Depois do que aconteceu, Diego e Luiz decidiram abrir o casamento e hoje têm uma relação aberta.

O lar perfeito para Maria Alice

Maria Alice nasceu em dezembro de 2017. Ela não tem dois pais: ela tem um pai e um padrinho. Luiz sempre se posicionou como padrinho e nunca se envolveu em decisões a respeito da vida da Alice. Somos nós que pedimos para ouvir a opinião dele, mas sempre ficou claro que as decisões eram minhas e do Diego.

A Maria Alice entende toda a situação muito bem. Claro que ela faz perguntas e nós respondemos. Ela sabe que o papai é casado com o dindo, que o papai gosta de meninos, mas que o papai ama a mamãe e a mamãe ama o papai. De vez em quando, ela brinca: 'Mamãe, só está faltando você namorar'. Eu concordo e dou risada.

Diego é um pai super presente — e não só financeiramente. Hoje somos vizinhos e a convivência é constante. Acho que minha filha não poderia ter um pai melhor. Ele é uma das pessoas que mais admiro na vida, é acolhedor e gentil. Nós não nos preocupamos com o que as outras pessoas pensam da gente. De vez em quando a Maria Alice sai só comigo, ou só com o pai, ou comigo e com o Luiz, ou com o Luiz e o Diego.

Nossa única preocupação é que ela se torne uma pessoa que saiba se posicionar. Que seja livre de padrões. Eu, que fui criada em uma família tradicional do Nordeste, muitas vezes fui oprimida dentro do meu próprio lar. Cresci com a ideia de que precisava achar um homem, me casar e virar uma dona de casa. Por causa desse pensamento, me sujeitei a vários relacionamentos abusivos.

Eu sei que minha filha não terá a mesma história que eu. Ela tem um pai que é contra o machismo. Não somos chatos do tipo: 'Ah, ela só pode usar rosa'. De jeito nenhum. Ela pode usar o que quiser e não precisa se comportar como uma 'mocinha', se não quiser.

"Eu e Diego nos amamos -- e nada pode mudar isso"

Diego e Lúcia são pais de Maria Alice. O companheiro de Diego, Luiz, é padrinho da criança  - Juliana Pacheco/Mar de Algodão - Juliana Pacheco/Mar de Algodão
Diego e Lúcia são pais de Maria Alice. O companheiro de Diego, Luiz, é padrinho da criança
Imagem: Juliana Pacheco/Mar de Algodão

Desde que tive a Maria Alice, já me envolvi com outras pessoas e já cheguei até a namorar. Quando eu conheço um novo paquera e preciso explicar a situação, digo o óbvio: 'Somos amigos, mas temos uma história de amor'. Conto também que, quando estou solteira, transo com o Diego. Se a pessoa não consegue entender isso, ela não tem interesse em mim de fato.

Tenho certeza de que eu e Diego não vamos virar um casal, porque minha relação com ele não sobreviveria à convivência diária. Somos diferentes em vários aspectos. Sou monogâmica e ele é do poliamor. Estamos disponíveis um para o outro para a vida inteira, porém, não como um casal, ainda que tenhamos interesse sexual um no outro — sim, de vez em quando, transamos.

Já pelo Luiz eu nunca senti atração. Minha relação com ele é de amizade e ele aceita bem minha história com Diego.

Não temos vergonha do que somos. Para contar nossa história, temos até um site que se chama 'Eu, Ele e Elas' para mostrar que somos uma família unida, apesar de não morarmos na mesma casa. Luiz e Diego pretendem adotar duas crianças no futuro e a Maria Alice está ansiosa pela chegada dos irmãos.

Maria Alice vai fazer 4 anos em dezembro. A gente vê a naturalidade com que ela se posiciona, é de encher o coração. Ela vive cercada de amor. Ainda que eu e Diego tenhamos nossas divergências enquanto pais de uma criança, ela nunca presenciou uma briga nossa.

Nos esforçamos para, à nossa maneira, criar um lar saudável. Vivemos um amor que só tem espaço para mais amor."

*Lúcia Lacerda, 41 anos, é jornalista e mãe de Maria Alice.

Minha história