PUBLICIDADE

Topo

Relacionamentos

Piquenique, praia, museu: 6 ideias de encontros baratos e criativos

A influencer Krishna gosta de ter primeiros encontros em parques - Acervo pessoal
A influencer Krishna gosta de ter primeiros encontros em parques Imagem: Acervo pessoal

Ana Bardella

De Universa

10/10/2021 04h00

Muitos solteiros, depois da primeira ou da segunda dose da vacina da covid-19, estão se sentindo confiantes para voltar a conhecer pessoas novas. Pelo mesmo motivo, aqueles que namoram ou são casados também estão mais empolgados para sair de casa e fazer programas juntos.

Mas, apesar de bares e restaurantes terem retomado o funcionamento normal nas regiões em que o número de casos é considerado menos preocupante, nem todos estão dispostos a retornar para estes estabelecimentos. Com a alta dos preços, há quem prefira opções de programas mais leves para o bolso.

Economizar em passeios é uma estratégia inteligente

Segundo a consultora financeira Carina Morais, gastos fora do limite, ainda que correspondam a valores baixos, podem desequilibrar as finanças do mês. Por isso, o ideal é ter estipulado, de acordo com sua renda fixa, uma porcentagem máxima do valor que pode ser gasto com passeios, sejam eles românticos ou com amigos.

"Essa porcentagem depende do que a pessoa considera prioridade na vida. De maneira geral, indico que não passe de um valor entre 5 e 10% da renda", diz. Para exemplificar: se alguém ganha até R$ 2 mil, a indicação de Carina é de que esta pessoa gaste entre R$ 100 e R$ 200 por mês com lazer —valores que podem variar de acordo com os interesses e as fases de vida de cada um.

Gastar pouco não significa, no entanto, perder a oportunidade de conhecer alguém legal por estar com as contas apertadas. A influencer Krishna, autora do livro "Os Dez (ou mais) mandamentos da solteira - Um guia de mesa de bar" (Editora Rocco), garante que é possível marcar de conhecer alguém saindo de casa apenas com o dinheiro da passagem. "Até carona de bicicleta com a pessoa que eu estava saindo pela primeira vez eu já peguei", relembra. O que vale, segundo ela, é manter o bom humor.

Veja mais opções para participar de um date sem gastar demais:

1. Piquenique

Favorito de Krishna, o piquenique pode ser realizado em parques ou praças. "É só escolher uma toalha bonita e levar para comer algo que você já tenha em casa", diz. Outra dica é preparar uma playlist e deixar uma caixinha de som do lado durante a conversa, para ajudar a deixar o clima mais gostoso.

Wanessa é adepta dos passeios ao ar livre - Acervo pessoal - Acervo pessoal
Wanessa é adepta dos passeios ao ar livre
Imagem: Acervo pessoal

Wanessa Patrizi tem 19 anos, é estudante e mora em São José dos Campos (SP). Ela e o namorado também são adeptos dos piqueniques, mas costumam reservar um dinheiro para os lanches. "Normalmente passamos em alguma loja e compramos salgados ou doces de que gostamos. Tentamos nunca gastar mais de R$ 15", conta.

2. Museu

Nem todos os museus são gratuitos, é verdade. No entanto, vale pesquisar nas redes sociais se, durante o período em que você pretende ir, haverá algum dia da semana em que a entrada para a exposição ou para a visita podem ser feitas de graça (ou pagando menos).

3. Praia

Krishna não gosta de primeiros encontros na praia, mas acha comum ir depois do segundo - Acervo pessoal - Acervo pessoal
Krishna não gosta de primeiros encontros na praia, mas acha comum ir depois do segundo
Imagem: Acervo pessoal

Quem tem a sorte de viver em um lugar com praia também pode usar esse artifício para os encontros. "Normalmente, não gosto de marcar o primeiro date na praia, pela questão da exposição do corpo logo de cara. Mas depois do primeiro contato, é uma opção", opina a carioca Krishna. Nesses casos, se a química não bater, pelo menos a vista é garantia de sucesso.

4. Lugares movimentados

Não é porque os bares estão descartados que o encontro não pode ter um clima boêmio. Toda cidade tem um cantinho em que as pessoas se reúnem à noite, levam suas próprias bebidas e aproveitam o espaço aberto. No caso do Rio de Janeiro, Krishna cita como exemplo a mureta da Urca. "Ali tem alguns bares, mas o pessoal costuma levar o seu próprio isopor de bebidas e ficar encostado, conversando". Em São Paulo, a Praça Roosevelt funciona de maneira semelhante.

5. Jantar em casa

Se for possível e seguro organizar um jantar em casa, por que não? Mesmo quem não tem tanta experiência na cozinha pode arriscar um prato fácil, como uma massa, para duas pessoas. Se for o caso, pode combinar de a outra pessoa levar um vinho ou uma sobremesa para dividir os custos. E, se o papo render, ainda dá para emendar um filme no sofá ou uma noite de conchinha.

6. Assistir ao pôr do sol

Wanessa e o namorado Felipe adoram assistir ao pôr do sol - Acervo pessoal - Acervo pessoal
Wanessa e o namorado Felipe adoram assistir ao pôr do sol
Imagem: Acervo pessoal

Se a ideia é romantismo, dá para substituir as luzes de velas dos restaurantes por uma versão mais próxima da natureza. Wanessa conta que um dos passeios preferidos que costuma fazer ao lado do namorado é dividir uma canga e sentar em um ponto da cidade com vista para o pôr do sol a fim de conversar e apreciar a vista.

Relacionamentos