PUBLICIDADE

Topo

Sexo

Aprenda o básico de shibari e BDSM para ter orgasmos mais intensos

Há 8 anos, Versiva faz shibari e dá dicas básicas de dominação e submissão - Mário Moreno
Há 8 anos, Versiva faz shibari e dá dicas básicas de dominação e submissão Imagem: Mário Moreno

Manuela Aquino

Colaboração para Universa

23/07/2021 04h00

O BDSM é uma prática que lida com submissão, dominação e, em muitos casos, dor. Não é para todo mundo, mas algumas dicas básicas de quem é adepto podem ser aplicadas na vida dos leigos ou iniciantes de forma simples para dar um tempero no sexo, principalmente nas preliminares.

Além de estudar sobre o assunto, a terapeuta sexual Vanessa Inhesta gosta de praticar BDSM e dá oficinas e palestras sobre o tema. Vanessa diz que existem maneiras de usar as técnicas com moderação, sem dor e com muito prazer: "Fazer a contenção de um dos sentidos, como tampar a visão com venda e tato com algemas, por exemplo, é usar elementos do BDSM em uma prática sem dor. É muito excitante se submeter a uma entrega", sugere.

Escolha o look certo

Macacão, corselet, saia e botas compridas são as peças mais usadas e o tecido é o couro. Há fantasias completas nos sites dos sex shop e as cores preferidas de quem pratica são preto e vermelho. Mas você não precisa se fantasiar de mulher-gato, mas algo com toque BDSM já ajuda a entrar no clima. São peças que você pode até não ter no armário, mas são fáceis de achar em qualquer loja de departamento. Bônus: são roupas possíveis de reaproveitar em looks de trabalho ou balada.

Tenha as ferramentas parceiras

Primeiro, é preciso escolher quem vai ficar no papel de submissão e quem vai dominar. Aí, há uma série de acessórios que podem ser usados. Todos são fáceis de encontrar online. Dá para começar, por exemplo, com um par de algemas para prender as mãos atrás ou na frente. Com uma das pessoas "presa", é legal também usar uma venda para que tudo seja uma surpresa. "Pode começar com uma massagem feita com as mãos e com seu corpo. Há velas que se transformam em óleo quando em contato com a pele. Elas não queimam e dão o clima de BDSM", ensina Vanessa.

No kit de primeira viagem, vale a pena investir também em prendedores de mamilos, mas não os que os praticantes usam - escolha os reguláveis e ou de materiais leves, como de silicone e aveludados. "Eles prendem um pouco a circulação no local e quando você tira, a sensação é maravilhosa", diz a terapeuta sexual.

Pode ficar confortável

Vanessa indica também transar em alguma cadeira disponível na sua casa. "Prenda as mãos atrás e os pés juntos na frente ou com as pernas mais abertas, em cada pé da cadeira. A pessoa fica em uma posição de total entrega".

Além dos lenços para amarrar os pés e mãos, você pode usar um chicotinho para passar no rosto e dar leves batidinhas nas pernas, no abdome e mesmo deslizar pelo corpo todo e fazer um pouco de cócegas. A intenção aqui é brincar e não machucar. Escolha um chicote de material leve, como os que tem uma franjinha de couro na ponta.

Use seu corpo da cabeça aos pés

"Indico convidar o pé para o ato sexual porque pode aumentar o prazer. Deitada com as pernas para cima, você pode roçar os pés no peito dele durante a penetração, como subir até a boca para que ele lamba ou beije", fala Vanessa.

No sexo oral, eles podem participar revezando com massagens no órgão sexual feitas com os dedos dos pés. Colocar a vulva nos pés e usar para fazer um esquenta no clitóris, segundo a expert, pode ser bem gostoso também.

Que tal um shibari?

Versiva, 46 anos, há 8 anos faz shibari para dicas básicas de dominação e submissão - arquivo pessoal - arquivo pessoal
Shibari é uma técnica de amarração erótica queridinha dos entusiastas de BDSM
Imagem: arquivo pessoal

A técnica japonesa de amarração, com uso de uma corda específica e nós precisos impossíveis de serem desamarrados, exige que se faça curso para colocar em prática. Mas é possível adaptar alguns princípios para até mesmo testar e ir atrás de informação. Versiva, 46 anos, que pratica shibari 8 anos dá dicas básicas de dominação e submissão: "Quando for amarrar alguém, primeiro é preciso ter uma conversa para que os dois estejam de acordo e saibam o que gostam, mas há um elemento surpresa ao mesmo tempo de não saber o que o outro vai fazer e isso é super excitante", diz.

Segundo ela, conter uma pessoa, deixando-a, por exemplo, de mãos amarradas para trás dá tesão em quem está ali naquela situação pela questão da vulnerabilidade, assim como dá também a quem está dominando a situação. Algumas pessoas sentem mais prazer no ato de amarrar e de comandar as ações.

Para os iniciantes, é legal que o par teste as duas frentes para ver quem curte mais o quê. Claro que pode haver um revezamento, mas geralmente quem pratica shibari tem uma pessoa que gosta de ser amarrada e não de amarrar. Você pode usar um lenço que tem em casa e apertar bem o nó. Assim não aperta a pele da pessoa, pois a ideia não é machucar. "Se o nó soltar no meio do shibari, a pessoa que está amarrada perde todo tesão", diz.

Além de prender na cama e amarrar as mãos atrás, também dá para unir os pés para conter os movimentos das pernas. "Para começar também indico a amarração dos pés. Tem muita gente que sente tesão com cócegas, por exemplo, e você pode usar algum objeto, como escova de dentes para passar na sola. Outra opção é escrever no pé a data em que aconteceu a amarração, pois a caneta esferográfica funciona também", fala Versiva.

Sexo