PUBLICIDADE

Topo

Sexo

Masturbação preventiva: o que é e como ela te ajuda a escapar de date ruim

Juliana Abrahão, 22, conta que se masturba antes de entrar em apps de paquera: "Previne que o tesão tome conta de mim" - Arquivo pessoal
Juliana Abrahão, 22, conta que se masturba antes de entrar em apps de paquera: "Previne que o tesão tome conta de mim" Imagem: Arquivo pessoal

Júlia Flores

De Universa

22/07/2021 04h00

"É só tesão ou estou aqui porque realmente quero conhecer essa pessoa?" Se você já teve esse pensamento durante um primeiro encontro, saiba que não está sozinha. Algumas mulheres estão aderindo à estratégia de se masturbar antes do "date" (encontro, em português) como uma forma de confirmar — ou não — o interesse, além do desejo físico, em uma pessoa desconhecida.

A sexóloga Gabriela Silva explica melhor essa técnica, também chamada de masturbação "preventiva": "Basicamente é uma estratégia para evitar que a mulher 'faça merda'. Previne que ela vá ao date com foco apenas no sexo — ou, pelo contrário, faz com que ela identifique que é com esse objetivo que ela está saindo de casa".

Além de uma estratégia para evitar o desperdício de tempo, a especialista enxerga a masturbação preventiva como uma forma de empoderamento feminino, pois é uma técnica "transgressiva e que demonstra poder". Ela reforça que a sexualidade e o prazer feminino passaram a ser discutidos há pouco tempo e que a prática "mostra que as mulheres estão conhecendo o próprio corpo, têm domínio sobre ele e preferem tocar-se ao invés de ter um 'encontro ruim".

Universa conversou com mulheres que adotam essa prática não só na vida real, como também na hora de escolher um parceiro via aplicativo de paquera. Leia as histórias a seguir:

"A siririca já me salvou de date com boy lixo"

'Depois de ter gozado -- já de cabeça fria -- tive certeza de que queria conhece-lo e não estava indo ao date apenas por tesão', conta Nathália, 22 - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
'Depois de ter gozado -- já de cabeça fria -- tive certeza de que queria conhece-lo e não estava indo ao date apenas por tesão', conta Nathália
Imagem: Arquivo pessoal

"Eu me masturbo com frequência e não preciso sair de casa para ter prazer sexual. Já tive relacionamentos sérios e, inclusive, o meu último namoro durou dois anos.

Agora que estou solteira, aderi à masturbação preventiva. Antes de sair com pessoas novas, me masturbo para ter certeza de que quero ir ao encontro. Às vezes desisto, às vezes, não. Geralmente eu faço isso quando é alguém que eu não conheço ou conheci por aplicativo de paquera, ou que tenho uma suspeita de que não é tão interessante.

No meu último date, por exemplo, eu me toquei antes de sair de casa e mesmo assim fui ao encontro. Depois de ter gozado, de cabeça fria, tive certeza de que queria conhecê-lo, que não era apenas por 'fogo no rabo'. No final das contas, o jantar foi legal, mas o sexo nem tanto. Porém ainda quero encontrá-lo novamente.

Antes do primeiro encontro, me masturbo. Se eu vejo que o cara é legal e bacana, mesmo que o sexo não seja dos melhores, sinto vontade de sair com ele novamente; agora, se o sujeito é meio antipático, eu desisto

No passado, paquerei um professor da minha escola de inglês e, antes de aceitar sair com ele, me masturbei. Logo a vontade passou e me dei conta de que estava apenas com tesão. Foi uma boa decisão, porque depois percebi que ele era 'boy lixo'. Estava atraída apenas pela aparência dele, não pelo seu intelecto ou por sua personalidade.

Aliás, nada contra o 'fogo no rabo'... acontece que, para eu ter relação sexual com alguém, precisa rolar atração — e não só física, mas também intelectual".

Nathália de Souza Silva, 22 anos, é estudante de estética e vive em São Paulo (SP)

"Após gozar, continuei querendo encontrar o crush. Isso também significa algo"

Viviane tem 41 anos e se masturba "quase todos os dias" - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
'Resolvi me masturbar para 'apagar' o fogo e parar de pensar nele': para Viviane, masturbação preventiva não foi suficiente para esquecer o paquera
Imagem: Arquivo pessoal

"Moro em Portugal há cerca de dois anos. Pela Europa, nós, mulheres brasileiras, somos vistas como 'fogosas, putas'. Não sou puritana, não tenho regras quanto a transar ou não transar no primeiro encontro, mas, para fugir desse estereótipo, procuro não chegar com 'sede ao pote' nos primeiros dates. Nem sempre sigo esse padrão...

Recentemente, conheci uma pessoa na academia, e ele me chamou para sair. Eu aceitei, só que no dia do encontro ele sumiu, não mandou mensagem. Resolvi me masturbar para 'apagar' o fogo e parar de pensar nele.

Na hora que gozei, recebi uma mensagem dele. Ali, eu me dei conta de que ainda queria sair com o crush — e não era só por tesão

Vi que ainda estava com tesão mesmo depois de ter chegado ao clímax e decidi sair com ele; já estava tranquila, aliviada e fui com calma ao encontro. Me dei conta de que realmente queria encontrá-lo. Acabamos nos vendo mais vezes e tivemos novos dates. Eu gosto da companhia dele, não é só 'fogo no rabo', apesar do maior interesse ser físico.

No meu caso, a masturbação preventiva não 'preveniu' nada, mas me fez ter certeza de que queria sair com ele não só por tesão, mas também por outros interesses".

Viviane Santos, 41, é cuidadora de idosos e mora em Lisboa

"Me masturbo antes de usar o Tinder"

"Antes de acessar o Tinder, eu gosto de me masturbar. Isso faz com que o tesão não domine as minhas escolhas, afinal de contas o prazer faz com que fiquemos menos racionais. Às vezes até desisto de acessar o aplicativo depois de me tocar.

Só não gosto de me deixar guiar pelo sexo. Eu já encontrei pessoas legais no aplicativo — inclusive conheci um ex-namorado lá

Adotei essa tática há pouco tempo, desde que fiquei solteira pela última vez — há mais ou menos um ano — e percebi que estava repetindo um padrão de comportamento que não acho legal. Como não busco ter relacionamentos amorosos rasos e superficiais, quero dar 'matches' com pessoas pelas quais eu tenha interesse genuíno, e não só carnal.

Acho que a masturbação 'preventiva' é uma boa estratégia; o ato de se tocar ajuda a mulher a se conhecer e, nesse caso, também evita com que o tesão momentâneo tome conta da racionalidade dela

Nada contra o sexo casual, desde que as coisas sejam esclarecidas. Eu mesma tenho parceiros que só encontro de vez em quando. Basta saber dividir as coisas."

Juliana Abrahão, 22 anos, é estudante de matemática e mora no Rio de Janeiro (RJ)

Se nada ter certo, pelo menos você gozou

A sexóloga Gabriela Silva conta que, apesar de parecer novidade, fora do Brasil a técnica é popular e conhecida como "pre-bating" — ela é citada, inclusive, em um episódio da série da Netflix "Dear White People" ("Cara Gente Branca", em português).

Caso ainda faltem motivos para você aderir à estratégia, Gabriela dá o recado: "A masturbação libera dopamina, que reduz o estresse, e endorfina, que ajuda no bem-estar. Sendo assim, você vai ao encontro mais tranquila e autoconfiante. No pior dos casos, como a masturbação também libera prolactina, hormônio que regula o sono, se o encontro for ruim, você pode voltar para casa e dormir".

Em paz, sozinha e tranquila.

Sexo