PUBLICIDADE

Topo

Mapa da mina

Ela já faturou mais de R$ 680 mil vendendo objetos em formato de coração

Empreendedora Roberta Almeida - Adriel Douglas
Empreendedora Roberta Almeida Imagem: Adriel Douglas

Roseane Santos

Colaboração para Universa

15/07/2021 04h00

O empreendedorismo esteve na família Roberta Almeida, 41 anos. Nascida no bairro de Botafogo, Zona Sul do Rio de Janeiro, ela não ficou muito tempo em terras cariocas. Bem pequena, foi morar em Florianópolis, onde começou a trabalhar em um restaurante de parentes, localizado no Mercado Municipal da cidade.

"Foram 14 anos de aprendizado prático, passando por todos os setores, principalmente compras, novos produtos, desenvolvimento de marca própria e negociação com grandes redes de supermercados. Uma fase enriquecedora, mas senti a necessidade de ter um negócio solo", diz a empresária.

Foi dessa forma que surgiu a sua primeira empresa individual, Miss Festas, em 2010, oferecendo apenas serviço de buffet e bebidas. Com o passar do tempo, a demanda por serviços como decoração, doces, bolo, fotografia, lembrancinhas e demais detalhes dos eventos cresceu, então também foram abraçadas.

"Símbolo do amor" virou oportunidade

Apesar da agenda cheia, quis transformar outra paixão em negócio. A ideia era comercializar peças com formatos de coração. "Sempre gostei do símbolo do amor. Desde criança desenhava corações nos cadernos e, quando fiz a primeira compra, ainda pensei: se não vender, fico para mim. Só que resolvi apostar", diz.

A intuição deu certo e assim nasceu, em 2018, o e-commerce "Objetos de Coração". Trata-se de um e-commerce exclusivo de objetos para casa e decoração em formato ou estampa com o símbolo. O estoque inicial contava com 50 peças, que somavam R$ 1 mil reais, valor mínimo da compra no estande que arrematou as primeiras peças, em uma feira em São Paulo.

Focada na ampliação, marcou uma viagem para a China em março de 2020 para importar um bom acervo. A esta altura, Roberta já contava com parcerias para confecção de canecas, pratos e talheres até tábuas de madeira, luminárias e jogos de louça.

As centenas de objetos ficavam estocados em dois quartos do apartamento da empresária, que tinha ainda como sua atividade principal a Miss Festas. Só que a pandemia chegou.

"Em janeiro de 2020, minha assessora de comércio exterior a alertou sobre a situação da pandemia na China e cancelei a viagem", lembra. Prevendo o desabastecimento das peças no Brasil, ficou dois meses comprando de todos os fornecedores e dobrando pedidos dos produtos que já produzia. Em março de 2020, quando Roberta tinha mais de 500 peças estocadas em todos os cômodos da sua casa, a crise da covid-19 bateu à porta.

Curadoria e força do digital são motores do negócio

Roberta Almeida - Adriel Douglas - Adriel Douglas
Roberta Almeida apostou dos objetos afetivos como nicho de mercado
Imagem: Adriel Douglas

Com todo mundo dentro de casa e as compras on-line ganhando fôlego, ela apostou em conteúdo no Instagram com linguagem pessoal e leve. De 21 mil seguidores, em março de 2020, saltou para para quase 190 mil seguidores em dezembro do mesmo ano. Hoje, já são mais de 210 mil. E as vendas acompanharam o crescimento.

Atualmente, a Objetos de Coração vendem para pessoas físicas e jurídicas de 23 estados brasileiros e, em novembro passado, recebeu da China um container com 23 mil peças. Só em 2020, o faturamento passou dos 680 mil reais.

No primeiro semestre deste ano, o acervo, atualmente mantido em um galpão em Santa Catarina, seguirá para São Paulo. A empresa passou a disponilizar listas de casamento e espera abrir lojas físicas em breve. A primeira delas, já em negociação, será na capital paulista. A projeção é a empresa siga crescendo na casa dos três dígitos — no ano que passou, a porcentagem foi de 500%.

Mapa da mina