PUBLICIDADE

Topo

Minha história

"Feminismo traz o direito de escolha. Eu e meu marido nos casamos virgens"

Brenda Castro - Arquivo pessoal
Brenda Castro Imagem: Arquivo pessoal

Brenda Castro em depoimento a Carolina Farias

Colaboração para Universa

08/06/2021 04h00

"Sou formada em técnica em enfermagem e socorrista, mas atuo como empreendedora social na ONG Rua do Céu, em Vila Velha, Espírito Santo. Aos 16 anos, entrei no movimento Eu Escolhi Esperar, assim como meu marido. Hoje tenho 23 e ele, 28. Ele foi meu primeiro namorado sério, que levei em casa para conhecer meus pais. Eu tinha uns rolinhos, ficava, mas depois que conheci o movimento decidi me guardar, não beijar na boca, não me envolver com outros meninos antes do tempo certo.

O conselho que o movimento dá é de abstinência sexual, de levar o sexo apenas para o casamento. É o que nós cristãos entendemos também. Intimidade sexual é só dentro do casamento. Nunca tive contato sexual antes do meu marido.

Comecei o relacionamento, aos 20 anos, com quem também tinha escolhido esperar. Decidimos juntos que sexo seria após casamento.

Houve momentos em que falamos: "Vamos?" [risos]. Mas, não. Claro que sentia desejo, vontade. Se eu não me sentisse atraída por ele, não faria sentido estar em um relacionamento. A primeira coisa que nos faz nos aproximarmos de alguém é a atração física

Brenda Castro e o marido, Pedro Souza - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Brenda Castro e o marido, Pedro Souza, no dia do casamento
Imagem: Arquivo pessoal

Crescemos e nos conhecemos na Igreja Cristã Evangélica Novo México, aqui em Vila Velha. Fizemos cursos de noivos e tiramos nossas dúvidas. Das questões que eu tinha, uma era sobre um tabu dentro da igreja em relação à submissão. À luz da palavra cristã na Bíblia, que eu acredito, "temos que ser submissos uns aos outros".

Como uma boa feminista, fui questionar sobre submissão e a pastora esclareceu. Na verdade, a submissão é para todos. Não é o papel da mulher ser submissa, é papel do homem também

Acredito no direito das mulheres, na igualdade. A mulher de fato pode escolher ser o que ela quiser, fazer o que quiser, vestir o que quiser e essa escolha tem de ser respeitada. Meu marido também é feminista. O feminismo me traz o direito de escolher. Eu e meu marido nos casamos virgens. Nós nos descobrimos juntos.

O feminismo também levanta a placa para mim. Posso ser quem eu quiser, girl power. Tenho o poder de decisão sobre as minhas escolhas

"Minha primeira conversa sobre sexo foi com minha avó"

Quando tinha uns 6 ou 7 anos, perguntei para minha avó o que era transar. A primeira coisa que ela disse, como uma boa senhorinha, irmãzinha da igreja, foi: "Isso não é para agora". Ela me explicou que transar era quando um homem e uma mulher tinham intimidade. Fez sentido para mim, na minha cabeça, intimidade era um homem e uma mulher a sós no quarto.

Mais para a frente, ela me explicou o conceito de virgindade, o que era o sexo de verdade, a penetração em si. Quando alguém me falava o contrário, eu questionava porque a primeira pessoa que me explicou foi minha avó.

Ela falava abertamente, sem firula. Falava o pênis, a vagina. Sempre fui muito saudável nesse sentido.

Fui muito protegida por ter essa abertura, essas conversas. Hoje trabalhando em uma ONG com crianças nas comunidades vejo o quanto isso é importante. Sobre essas situações de 'sentar no colo de um tio'? Se via algum homem ou mulher com atitude estranha eu saía de perto. Minha avó e mãe sempre conversavam muito sobre isso.

Brenda Castro no dia do seu casamento - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Brenda Castro no dia do seu casamento
Imagem: Arquivo pessoal

Acabei de me casar, vamos esperar um pouco para ter filhos. Mas sonho com filhos biológicos e quero adotar. Vou passar ensinamentos sobre tudo, sobre relacionamentos, sobre a palavra de Jesus e deixar escolherem. Se quiserem ter uma vida diferente, será direito deles. Vou mostrar que [escolher esperar] pode não ser o melhor, mas é um bom caminho.

"Adiamos o casamento na pandemia"

Íamos nos casar dia 21 de março de 2020, mas aqui no Espírito Santo as coisas fecharam dia 17 e tivemos de desmarcar tudo na semana do casamento. Pensávamos que íamos remarcar depois de dois, seis meses, e foi quase 1 ano depois. Me casei dia 21 de fevereiro deste ano.

Foi muito difícil para mim porque sou empreendedora social, trabalho em uma ONG com crianças em vulnerabilidade social em 15 lugares no Estado. Tive que paralisar as atividades por causa da pandemia, adiar o casamento. Tive que voltar a fazer terapia. Fazia quando criança e voltei porque estava tendo muitas crises de ansiedade.

Meus pais trabalhavam em eventos e praticamente faliram. Até hoje não se reergueram. Foi um caos. Em minha família, no meu trabalho e em meu relacionamento, eu estava sem saber o que fazer. No início da pandemia ficamos isolados porque ele morava com a avó idosa e a mãe com comorbidade. Mas nos falávamos todos os dias. Nos agarramos muito na fé também, orávamos juntos.

Passamos a nos ver à noite e nos fins de semana para fazer as ações da Rua do Céu. Conseguimos doar 3.500 cestas básicas. Essas coisas nos fez ficar mais unidos na pandemia. Os momentos de fazer o bem juntos sempre acrescentaram ao nosso relacionamento.

Depois do casamento, a intimidade da vida sexual me surpreendeu muito. Foi melhor que as expectativas que eu criei, do que imaginei e das experiências que ouvi. Não me arrependi de não ter feito um "test-drive". Foi bom. Tudo o que descobri, o que a gente experimentou, foi único. Nós casamos virgens, então para os dois foi muito especial, experimentar o sexo só um com o outro. Fez muito sentido com o que sonhamos.

Minha história