PUBLICIDADE

Topo

Política

CPI da Covid coleciona cenas de machismo: "Não vão nos calar", diz senadora

Da esq. para a dir.: as senadoras Eliziane Gama (Cidadania-MA), Leila Barros (PSB-DF) e Simone Tebet (MDB-MS) argumentam com o senador Ciro Nogueira (PP-PI) em sessão da CPI da Covid - Jefferson Rudy/Agência Senado
Da esq. para a dir.: as senadoras Eliziane Gama (Cidadania-MA), Leila Barros (PSB-DF) e Simone Tebet (MDB-MS) argumentam com o senador Ciro Nogueira (PP-PI) em sessão da CPI da Covid Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado

Camila Brandalise

De Universa

21/05/2021 12h19

Desde o primeiro dia dos depoimentos da CPI da Covid no Senado, em 4 de maio, as senadoras têm participado em esquema de rodízio das sessões: sem ter uma integrante oficial entre os 18 membros da comissão que foram indicados pelos partidos, elas conseguiram um acordo para que uma se pronunciasse a cada audiência. Desde então, um fato tem se repetido quando alguma das 11 parlamentares da bancada feminina estão com a palavra: os colegas da comissão as interrompem no meio da fala ou pedem para que "se acalmem".

No dia 5, durante o depoimento de Nelson Teich, senadores governistas criticaram o fato de que as mulheres seriam as primeiras a fazer as perguntas ao ex-ministro da Saúde. O senador Ciro Nogueira (PP-PI) acabou batendo boca com Eliziane Gama (Cidadania-MA). "Não fique me olhando dessa forma achando que vai me intimidar", disse Gama ao colega, ao ser interrompida por ele. "Vossa excelência pensa o quê, senador? Que vossa excelência vai controlar a gente? Do jeito que vossa excelência não admite meu grito, eu também não admito seu grito."

Atuante na comissão, a senadora maranhense já passou por outras situações nessas quase três semanas de trabalhos. Ouviu um pedido de "calma", seguido do comentário de que estaria "muito agressiva", do presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM) nesta quarta (19). Aziz também a deixou falando sozinha em uma sessão, quando ela dava uma réplica após ter sido citada por um dos senadores.

"Os ataques são uma maneira velada de dizer que esse não é um lugar para nós, que CPI é 'briga de homem'", diz Gama a Universa. "O Flávio [Bolsonaro/Republicanos-RJ] falou porque foi citado mas, quando chegou a minha vez, o presidente se levantou e saiu. Como se eu não tivesse as mesmas prerrogativas que outros parlamentares."

Em artigo publicado em Universa, a antropóloga e historiadora Lilia Schwarcz afirma que, por fatos como esses, "a CPI da Covid começa a ganhar um segundo nome, nada elogioso: a "CPI do Machismo".

Não há um dia sequer que os senadores deixem de interromper senadoras no meio de suas falas, lhes peçam 'calma', cortem suas palavras ou as desqualifiquem moralmente. E sem motivo algum, a não ser o despeito diante da forma como elas vêm se destacando nas sessões

A senadora Leila Barros (PSB-DF), que ouviu um "calma, não precisa ficar nervosa" proferido pelo senador Marcos Rogério (DEM-RO), no dia 12, quando questionava o ex-secretário de Comunicação Fábio Wajngarten. "Os homens aumentam o tom, chegam a ficar vermelhos de tão agressivos, mas eles não são chamados de agressivos. A mulher altera um pouco a voz, porque muitas vezes a gente altera justamente para ser respeitada, e vira a 'nervosa'."

Na sessão daquele mesmo dia, quando o senador Flávio Bolsonaro chamou o relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), de "vagabundo" e continuou um bate-boca aos berros, o presidente da comissão se limitou a dizer "por favor, não faça isso".

No dia 13, Roberto Rocha (PSDB-MA) pediu ao presidente da CPI para que os senadores com comorbidades e que não são integrantes da comissão também pudessem participar das sessões de maneira remota, já que a mesma concessão estava sendo feita às senadoras.

A senadora Leila Barros (PSB-DF)  -  Edilson Rodrigues/Agência Senado  -  Edilson Rodrigues/Agência Senado
A senadora Leila Barros (PSB-DF) ouviu do colega Marcos Rogério que estava "muito nervosa"
Imagem: Edilson Rodrigues/Agência Senado

A líder da bancada feminina no Senado, Simone Tebet (MDB-MS), respondeu: "Nós não temos espaço na CPI, nós não temos assento e nem nos foi garantido o assento na CPI. Apenas o direito de poder, num gesto democrático e de visibilidade positiva, não ter apenas timbres masculinos, vozes masculinas num país que tem a sua grande maioria de mulheres, 16 a 18 senadores falando antes de uma mulher ter o direito de falar".

Na terça (18), a senadora Kátia Abreu (PP-TO) foi interrompida por Eduardo Girão (Podemos-CE) quando havia estourado o limite de tempo para as perguntas ao ex-chanceler Ernesto Araújo. Quando retomou a palavra, ela ironizou o colega: "O senhor está gostando da minha fala?".

"É natural que os ânimos estejam acirrados na CPI que investiga a condução da pandemia de covid-19 pelo governo, mas isso não valida o desrespeito entre os colegas e, especialmente, atitudes descorteses em relação às senadoras. Não temos assento como titular ou suplente no colegiado, mas isso não nos retira o direito à voz. Somos uma bancada pluripartidária com 12 integrantes. Ninguém vai nos calar", afirma Tebet a Universa.

Já estamos conversando com os líderes partidários para que o nosso direito à opinião seja respeitado e para que nenhuma mulher tenha sua fala entrecortada por timbres masculinos. Queremos falar sem ser interrompidas. Queremos, como todo brasileiro, desvendar os equívocos na condução da pandemia e buscar alternativas para que o Brasil saia dessa crise sem precedentes.

Sobre esses episódios de interrupção das senadoras pelos colegas na CPI e dos pedidos para "se acalmarem", Kátia Abreu disse em entrevista a Universa publicada nesta quinta (20) que "quando homem está falando alto, berra, ninguém fala que ele está nervoso. Fala que ele é macho. Quando é a mulher, está nervosa. E nervosa é prima primeira de histeria. Eles querem dizer é isso, que damos ataque, chilique".

Por que não há mulheres entre os membros da CPI?

A comissão que investiga a atuação do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) na condução da pandemia foi instaurada no dia 27 de abril. São 18 membros, 11 titulares e sete suplentes, todos homens, que foram indicados pelas bancadas de cada partido no Senado — as vagas são dividas proporcionalmente aos blocos partidários. Atualmente, a casa tem 81 parlamentares, sendo 11 mulheres.

A líder do PP na casa, senadora Daniella Ribeiro (PP-PB), afirma que a indicação dos senadores Ciro Nogueira (PP-PI), presidente nacional do partido, e Luis Carlos Heinze (PP-RS), que é suplente na CPI, se deram porque eles "pediram as vagas primeiro". "Nogueira quis titularidade, é legítimo", afirma. "Eu não quis participar porque já tenho minhas atribuições já eram grandes. Além da liderança do partido, faço parte da comissão de acompanhamento da covid", diz Ribeiro. Ela afirma que a senadora Katia Abreu, que tem participado ativamente da comissão, não esteve entre as primeiras pessoas a pedir a indicação.

Para o presidente do MDB, senador Eduardo Braga (MDB-AM), o fato de ser líder do partido na casa não foi um impedimento para ser titular na CPI. Além dele, foram indicados Renan Calheiros (MDB-AL), relator da comissão, e Jader Barbalho (MDB-PA), como suplente. Procurado pela reportagem, o senador Eduardo Braga explicou que os critérios também foram "a ordem de chegada" dos pedidos. Mas só para as indicações seguintes à dele, que priorizou o próprio nome por ser um parlamentar do Amazonas, já que o estado passou por um dos piores cenários na pandemia.

"Ataques são comuns na política, mas o machismo na CPI é visível", diz socióloga

Para a socióloga especialista em política e gênero Fátima Pacheco Jordão, fundadora do Instituto Patrícia Galvão de defesa dos direitos das mulheres, os episódios envolvendo as senadoras na CPI são as "manifestações de machismo mais dramáticas do país".

Ao acompanhar as audiências, fica visível, dá para apontar com muita clareza. Estão criando obstáculos para a participação feminina. Considero a comissão um exemplo contemporâneo da barreira às mulheres na política. Mas é importante perceber que elas se articularam internamente e conseguiram uma representação. São vozes que não serão caladas."

"Mais uma vez vemos episódios de violência política de gênero, que é uma forma de tentar excluir as mulheres mesmo após eleitas. Na CPI, as únicas senadoras que conseguiram chegar ao fim nas suas falas tiveram que se colocar muito mais para serem ouvidas. O padrão é de interrupção", diz a cientista política Hannah Maruci Aflalo, doutoranda na USP (Universidade de São Paulo) com pesquisa na área de representatividade feminina na política.

A senadora Eliziane Gama afirma que, entre as colegas da bancada feminina, a indignação pelas situações de machismo estão nas pautas diárias das conversas entre as parlamentares. "Mas mesmo com o entendimento de que querem que nós deixemos de participar, vamos nos manter absolutamente firmes. Não vamos recuar um só milímetro."

Outro lado

Os senadores citados neste texto como autores de ataques machistas contra as senadoras, segundo as queixas delas, foram procurados pela reportagem para falar sobre as acusações. Universa mandou e-mails para os gabinetes dos senadores Ciro Nogueira, Omar Aziz, Marcos Rogério e Eduardo Girão, mas, até a publicação desta reportagem, não obteve resposta de nenhum deles.

Política