PUBLICIDADE

Topo

Vídeo: Manvailer pede perdão mas diz que não matou esposa. Decisão sai hoje

Lorena Pelanda

Colaboração para Universa, em Curitiba

10/05/2021 17h16

Desde o começo da tarde desta segunda-feira (10), a defesa e a acusação de Luis Felipe Manvailer fazem os debates finais para convencer os jurados do que aconteceu na noite do dia 22 de julho de 2018, em Guarapuava (PR). Após as argumentações, os sete jurados irão decidir se o acusado de matar e jogar Tatiane Spitzner do quarto andar do apartamento que o casal morava será condenado ou não. A previsão é que o veredito saia somente no começo da noite, no Tribunal de Justiça da cidade.

Durante o interrogatório de ontem, que durou onze horas, Manvailer optou por tirar as dúvidas do juiz, dos seus advogados e dos jurados. O depoimento começou com Manvailer pedindo perdão para a família da esposa, aos próprios parentes e a todas as mulheres pelas cenas de agressão registradas pelas câmeras do prédio em que morava com a companheira.

Em boa parte do interrogatório, Manvailer focou em relatar como era a convivência com a esposa e com os familiares e disse que errou muito. "Eu errei muito. Eu não matei a Tatiane. Eu agredi, apesar de não ter dado soco, joelhada, cotovelada, ainda assim eu agredi, eu reconheço isso. E isso já é motivo de sobra para passar vergonha para o resto da vida. Não matei a Tatiane, eu sou inocente", respondeu o réu. Veja vídeo.

O biólogo é acusado pelos crimes de homicídio (com qualificadoras de motivo fútil; mediante asfixia e meio cruel; e feminicídio) e fraude processual.