PUBLICIDADE

Topo

Polícia identifica suspeitos de estupro coletivo de adolescente em PE

Jovem de 16 anos contou ter sido atraída para emboscada por rapaz com quem se relacionava - Kevin Pérez/ Pexels
Jovem de 16 anos contou ter sido atraída para emboscada por rapaz com quem se relacionava Imagem: Kevin Pérez/ Pexels

Ed Rodrigues

Colaboração para Universa, no Recife

29/04/2021 13h09

A Polícia Civil já identificou todos os suspeitos de terem participado do estupro coletivo de uma jovem de 16 anos em Pernambuco. Segundo fontes ligadas à investigação, que corre em sigilo por ter adolescentes envolvidos, o próximo passo será ouvir os oito jovens que teriam cometido a violência.

Equipes da DPCA (Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente) devem concluir a convocação dos suspeitos ainda hoje

Universa procurou a delegada Vilaneida Aguiar, que está à frente da investigação, mas a policial informou que só poderá falar sobre o caso em momento oportuno.

"Só posso dizer que o caso está bem adiantado", destacou a investigadora. A delegada não informou, no entanto, se todos os suspeitos também são adolescentes.

A mãe da adolescente disse hoje a Universa que as duas seguem ainda muito abaladas.

"Temos recebido apoio. Até uma deputada nos ligou querendo ajudar. Só peço que quem fez isso com minha filha pague. Ela está está muito abalada. Todas estamos", desabafou.

Entenda o caso

A jovem de 16 anos estava em uma festa com amigos no calçadão da praia de Candeias, em Jaboatão dos Guararapes, Grande Recife, no último sábado (24).

Em denúncia que fez à polícia e nas redes sociais, a adolescente contou que foi atraída para uma armadilha por um rapaz com quem já havia se relacionado.

Ao chegar em uma área sem iluminação, na faixa de areia, ainda segundo ela, se deparou com oito jovens.

"Vai, fica de quatro aí", disse um deles, de acordo com o relato. Daí para frente, a adolescente contou que foi forçada a ter relações sexuais com todos eles.

"Eu não conseguia me soltar. Eram muitos e eu só fazia chorar", disse.

Ela e mãe denunciaram o suposto abuso à Polícia Civil de Pernambuco, que está dando andamento à investigação.