PUBLICIDADE

Topo

Universa

Transição capilar: como manter a autoestima na fase dos fios "indefinidos"?

A apresentadora Maisa passou por transição capilar depois de anos usando alisamento químico - Reprodução/Instagram
A apresentadora Maisa passou por transição capilar depois de anos usando alisamento químico Imagem: Reprodução/Instagram

Priscila Carvalho

Colaboração para Universa

27/04/2021 04h00

Eu aliso o meu cabelo há 20 anos. Sim, você não leu errado. Sempre ouvi que cabelo cacheado era ruim, feio, difícil de cuidar e até minha mãe não sabia como tratar os cachos. Até que comecei a pensar na transição capilar, mas muitas dúvidas surgiram.

Desde os 10 anos, comecei a usar os primeiros produtos que eram conhecidos como relaxamentos na época. Depois de algum tempo, conheci a progressiva e mais uma vez experimentei a química. No meio do processo, sempre teve a escova e chapinha para deixar os fios ainda mais "ajeitados".

Com a pandemia, o tempo em casa me fez parar de recorrer às escovas e químicas a cada 90 dias meses. Cheguei a ficar por cinco meses sem colocar nenhum tipo de alisante no cabelo. Foi aí que pensei que poderia ser a chance de voltar a ter cabelos cacheados, tanto por uma questão de saúde, quanto de recuperação da minha identidade.

O processo, entretanto, não é fácil. Você olha no espelho e seu cabelo não está nem liso nem enrolado e autoestima vai lá no chão. Eu via meu reflexo e me sentia feia, não sabia se fazia escova ou se deixava secar de forma natural. A minha maior questão era: como começar a transição capilar e manter a autoconfiança meio do caminho?

É o que compartilho com você a partir de agora.

Dar o primeiro passo é o mais difícil

O cabeleireiro Charles Ribeiro, do salão Hair Factory Cachos, em Curitiba, explica que o primeiro passo é aceitar o cabelo natural e topar percorrer um caminho para tê-lo de volta. As primeiras semanas são as mais complicadas. "Você deve saber que o cabelo vai ter volume na raiz. Evite colocá-lo para baixo. Para facilitar o processo, recorra às faixas somente para cobrir a raiz que está mais aparente", diz.

O profissional reforça ainda que o apoio de pessoas durante a transição capilar também é importante. Siga perfis de mulheres cacheadas nas redes sociais para ter referências. Recentemente, algumas famosas também encararam o processo, caso da apresentadora Maísa e das atrizes Juliana Paes e Bruna Marquezine. Há ainda influenciadoras que criam diários registrando cada etapa.

Se possível, também cerque-se de pessoas que te encorajarão. A professora Ayana Medeiros, de 30 anos, garante que a companha das amigas foi fundamental para que ela não voltasse a alisar os cabelos desde que topou entrar na transição capilar.

Ayana - Acervo pessoal - Acervo pessoal
Ayana começou a usar progressiva aos 16 anos: "Não sentia meu cabelo representado"
Imagem: Acervo pessoal

Ayana experimentou as químicas para o cabelo ainda pequena. O primeiro processo foi o permanente, que cria cachos. Já na adolescência, aos 16 anos, optou pelo inverso e passou a alisar os fios — desta vez com relaxamento e, depois, progressiva. "Acabei aderindo aos padrões e não me via representada", conta.

Na faculdade, mais madura, começou a se questionar sobre a relação da cabeleira com a própria identidade. "Passei a ter consciência do meu natural e queria recuperar quem eu era. Não passei a tesoura logo de cara, porque tinha medo de deixá-lo curtinho. Então, optei por fazer tranças. Confesso que, em certos momentos, a nossa autoestima balança e dá vontade de alisar de novo. Mas contei com as minhas amigas que me incentivavam a não desistir", relembra.

Aos poucos, o trato do cabelo foi ficando mais fácil; ela relata que ganhou "expertise" no processo. Outro fator decisivo foi o encontro com cabeleireiros que entendem de cacheados e crespos. "Na época em que fazia progressiva, ouvi da cabeleireira que para ter black power precisava ter estilo. Mas eu já era negra e pensei que não tinha a ver."

Como lidar com os fios de textura "indefinida"

Cuidado com as ferramentas térmicas

Jéssica Amaral, especialista da Clínica dos Cachos, em São Paulo, indica moderação no uso de modeladores com calor durante a transição. Ela explica que a umidade do cabelo deve ser preservada para que os cachos ganhem definição e os fios não percam a saúde. "O calor do secador pode atrasar ainda mais o processo", argumenta.

Que tal passar a tesoura?

Quem não quer cortar os fios de vez, no estilo big chop, pode tirar as pontas lisas aos poucos. O ideal é passar por aconselhamento profissional, a fim de entender quais cortes e caimentos funcionam para o tipo de fio. Ainda que as pontas não formem cachos instantâneamente, aparar o comprimento ajuda a mandar a química embora de vez, além de eliminar pontas duplas e outros sinais de ressecamento.

Os penteados são grandes amigos

Vale apostar em presos e tranças para estilizar os fios em transição. No caso dos torcidinhos, eles ainda ajudam a dar forma aos fios na hora de sotlar. "Também é possível recorrer a um secador em temperatura baixa com difusor e creme para ativar as ondas", afirma Jéssica.

Vá a salões especializados

Procure cabeleireiros especializados nas texturas cacheadas e crespas para colher as melhores dicas e técnicas. Uma transição capilar completa pode levar de oito meses a três anos, dependendo do comprimento do cabelo, quantidade química e tempo de alisamento. É bom ter algumas cartas na manga para lançar ao longo do período.

Busque referências

Procure seguir influencers, famosas e pessoas que você se identifica para se inspirar e ver que é possível ter cabelo cacheado. Também vale acompanhar quem está na mesma fase do processo que você - é poderoso ver imagens de pessoas inspiradoras com características em comum. Outra abordagem interessante é criar um grupo no WhatsApp com amigas passando pela mesma questão.

Hidrate bem e aposte do styling

Mantenha a hidratação e evite óleos que deixem o cabelo pesado. "O mais recomendado são os óleos vegetais finos. Evite o óleo de coco, por exemplo, que pode causar efeito reverso por abrir os cachos", comenta Charles. Ativadores de ondas também são uma mão na roda. Aplique nos fios ainda molhados e amasse com o auxílio de uma toalha. Se quiser, vale refazer os cachos da moldura do rosto enrolando mechas finas nas pontas dos dedos e soltando em seguida.

Universa