PUBLICIDADE

Topo

Stalkeadas

Um olhar diferente sobre o que bomba nas redes sociais


Stalkeadas

Solteira? Elas criaram perfil "Sem data pra dates" para rir da seca amorosa

Giovana Marçon e Isabella Aredes, criadoras do perfil "Sem data pra dates" no Instagram - Arquivo pessoal
Giovana Marçon e Isabella Aredes, criadoras do perfil "Sem data pra dates" no Instagram Imagem: Arquivo pessoal

Nathália Geraldo

De Universa

17/04/2021 04h00

Quem ainda tem fôlego para não deixar a vida amorosa se esvanecer no distanciamento social precisa encarar uma cruel realidade: para muitos, não há previsão de quando será permitido beijar bocas por aí sem correr risco de ter coronavírus.

A jornalista e designer de moda Giovana Marçon, 27, e a designer gráfica Isabella Aredes, 25, estão a par do sofrimento do jovem brasileiro solteiro médio. É que elas são a dupla responsável pelo perfil "Sem data pra dates" (@semdatapradates), no Instagram. Uma página que substitui, por enquanto, "a fila do banheiro da balada", como lê-se na descrição.

São 65 mil seguidores (10% são homens, dizem as administradoras) vidrados em compartilhar suas histórias sobre encontros bizarros pré-pandemia, dividir as lágrimas por não ter uma conchinha no meio da noite ou, simplesmente, olhar para um post sobre ghosting e se aquecer no calor da identificação: sim, você não é a única pessoa que passou por isso.

"Sem data pra dates", da vida amorosa fracassada ao sucesso

No ar desde o Dia dos Namorados do ano passado, o perfil publica relatos engraçados da vida amorosa dos seguidores — "uma delas nos contou que, no meio da transa, o cara falou que ela tinha uma 'Neyceta', porque a depilação dela parecia o cabelo do Neymar", diz Isabella — e mensagens sobre relacionamento com um viés feminista. Um dos mantras, aliás, é a sugestão de bloquear o homem que te faz mal nas redes (Universa testou e aprovou).

Ghosting, pouca habilidade para flertar e ser rejeitado também são conteúdo para a dupla, que garante que dar risada é o melhor remédio para lidar com a seca. "Minha teoria de vida é que quando você está na merda só te resta rir. E se você pode compartilhar e todo mundo rir, alivia um pouco", ensina Isabella.

Falando em alívio, aqui está o bingo da solteira na quarentena, para você se distrair:

Apesar de ter surgido sob a visão de que "homem é insuportável", Giovana garante que o discurso do "Sem data" tem falado menos mal dos relacionamentos com homens. "Pessoalmente, tenho experiências horríveis com eles, mas a gente também tem trazido outras questões, buscando mais equilíbrio".

Para elas, o público masculino também relata que sofre ghosting nos contatos com mulheres. "Acontece, mas a gente sabe que é completamente desproporcional com o que nós passamos", pontua Isabella.

Comunidade solteira unida

isabella aredes - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Isabella fala das histórias que recebem dos seguidores por mensagem privada no perfil
Imagem: Arquivo pessoal

O "Sem data pra dates" é uma criação que migrou de um site de moda, o Steal The Look, em que a dupla trabalha, para o Instagram. De mil seguidores no primeiro dia, pularam para 15 mil em um mês. E, quanto mais tempo os solteiros passam em casa, mais se engajam no perfil, alternando mensagens sobre a saudade daquilo que viveram e sobre a situação amorosa nos tempos em que vivemos. As de antes são mais leves. Ou, ao menos, mais divertidas, revela Giovana.

"A menina nos contou por mensagem privada que conheceu um cara no meio de um tiroteio. Foram se esconder atrás de um carro, trocaram olhares e marcaram um date". Fanfic? "Não, quando é história inventada que as pessoas mandam, dá para saber. Vem com muitos detalhes".

giovana - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
A designer Giovana, com o livro "Como sair com homens quando você odeia homens"
Imagem: Arquivo pessoal

Em contraponto à vida amorosa dos apps de relacionamento, com dates estranhos, paixões avassaladoras e material de sobra para contar para as amigas no dia seguinte, as duas avaliam que, agora, imperam a preguiça e a desistência entre os @s solteiros do Brasil.

"Depois de um ano, ninguém tem mais paciência para ficar conversando sabendo que não vai encontrar a outra pessoa. O país está tão atolado de problemas, eu estou com tantos problemas, que desisti completamente de um relacionamento. Não quero ter uma DR no final do dia ainda", diz Isabella.

Stalkeadas