PUBLICIDADE

Topo

Mulheres Pós 2020

Debates transmitidos por Universa sobre o impacto da pandemia na vida das mulheres


Mulheres Pós 2020: evento debate o que nos espera depois da pandemia

Ana Paula Padrão é uma das idealizadoras do evento Mulheres Pós 2020 - Samuca Kim
Ana Paula Padrão é uma das idealizadoras do evento Mulheres Pós 2020 Imagem: Samuca Kim

De Universa

16/04/2021 04h00

Em todo o mundo, já é possível afirmar que as vítimas mais afetadas pelos efeitos diretos e indiretos da pandemia de covid-19 são mulheres. Em maior ou menor escala, de acordo com condições de vulnerabilidade prévias à chegada da covid-19, são elas que mais perdem emprego, recursos, saúde e uma série de possibilidades.

De olho nas consequências dessa crise, as jornalistas Ana Paula Padrão e Lia Rizzo e o publicitário Cristiano Diniz idealizaram o Mulheres Pós 2020, evento produzido pela Cris Diniz Eventos e apresentado e transmitido por Universa nos próximos dias 27, 28 e 29 de abril.

De um estúdio em São Paulo, a apresentadora Ana Paula Padrão conduzirá a programação que contará com mais de 20 debatedoras, entre líderes, ativistas e especialistas em temas considerados mais urgentes como justiça racial, educação, sustentabilidade, saúde mental e mulheres invisibilizadas. "Temos a consciência de que estamos diante de enormes desafios, alguns inéditos, outros que voltam com o retrocesso na jornada por equidade de gênero. E é preciso atentar e chamar soluções de esforço conjunto para essas mulheres que estão ficando pelo caminho", aponta Ana Paula.

Na programação estarão nomes como Silvia Federici, Ilona Szabó, Joice Berth e Luiza Helena Trajano.

Curadora do evento, Lia Rizzo, que também é pesquisadora de economia de gênero, conta que o ponto de partida para pensar a programação foi uma questão simples, mas cuja resposta pode ser bastante complexa: "Quantos futuros somos capazes de imaginar, vivendo uma crise sanitária e humanitária, que a cada semana traz elementos novos que impactam ainda mais um cenário já muito dramático para mulheres?".

Até o terceiro trimestre de 2020, 8,5 milhões de mulheres já tinham deixado a força de trabalho, conforme dado mais recente divulgado pela PNAD Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), do IBGE. Mulheres negras, trabalhadoras informais e mães solo são a maioria entre as desempregadas.

Justiça racial, a maior urgência

Idealizada em três blocos, a grade de Mulheres Pós 2020 começa dedicada a debater justiça racial. "Mesmo com os esforços crescentes, com um debate mais amplo em torno da diversidade, estávamos longe de ver os discursos refletidos em ações. Mulheres negras já estavam em condições de desvantagem e agora estão ficando ainda mais para trás", diz Lia.

Entre as participações do primeiro dia estão Julia Rocha, médica do SUS (Sistema único de Saúde) e colunista do ECOA, a advogada e escritora Alessandra Devulsky, que acaba de publicar o livro "Colorismos" (Feminismos Plurais), Jandaraci Araújo, atualmente no Banco Santander, e Mafoane Odara, pioneira entre as executivas que romperam barreiras corporativas e capitanearam importantes projetos em defesa da mulher e dos direitos humanos. Cynthia Martins, apresentadora do "Band Notícias", e Luciana Barreto, âncora da CNN Brasil, mediarão os painéis. A programação ainda terá a empresária Luiza Helena Trajano, contando pela primeira vez quais os aprendizados do Magalu ao lançar pioneiramente um programa de trainee somente para candidatos negros.

O colapso na educação, a pressão por sustentabilidade

Muitas mães cogitam abandonar definitivamente suas carreiras depois de poucos mais de um ano com escolas fechadas, sem contar com redes de apoio enquanto trabalham em homeoffice e diante do aumento da carga mental. No segundo dia de Mulheres Pós 2020, a escritora e ativista social Joice Berth abre a programação com uma entrevista exclusiva com Stefania Giannini, diretora-geral da Unesco para educação e maior autoridade da ONU (Organização das Nações Unidas) neste campo no mundo.

Na sequência, participam de uma discussão em torno do colapso na educação, Priscilla Cruz, do Todos Pela Educação, Luanda de Moraes, reitora da Uezo (Centro Universitário Estadual da Zona Oeste do Rio de Janeiro) e primeira negra a assumir uma instituição estadual no Brasil, com o desafio de apoiar os alunos na conclusão do ensino superior, mesmo em um cenário de muita estabilidade e tendo cerca de 31% de seus estudantes em situação de vulnerabilidade.

Completam a grade dois painéis sobre sustentabilidade. No primeiro, uma reflexão sobre o peso deste tema nos comportamentos de consumo e como as relações com os valores sociais das empresas pautam as decisões de seus clientes. Com mediação da jornalista Claudia Lima, do "Saia Justa" (GNT), terá a participação de Erica Migalles, diretora de marketing da Danone Waters, e Marcela Kanner, diretora de comunicação corporativa e marcas da Riachuelo.

Em seguida, a pauta é a saudável pressão por investimentos mais sustentáveis e ESG (Environmental, Social and Corporate Governance), com participações de Grazielle Parenti, VP Global de relações institucionais, reputação e sustentabilidade da BRF, Andrea Quintana, gerente de marketing e inovação da Irani Papel e Embalagem, e Martha Leonardis, head de responsabilidade social do BTG Pactual. A mediação será de Tatiana Schibuola, gerente-geral de marcas e conteúdo do UOL.

Perspectiva de gênero nas estruturas

Uma entrevista exclusiva com a cientista política Pamela Figueroa, que foi secretária de governo da ex-presidente chilena Michelle Bachelet, inicia a programação do terceiro dia. Na pauta, os detalhes do processo que levou o Chile a aprovar, ineditamente, a revisão de sua Constituinte sob a perspectiva de gênero. E como essa revisão que considera as particularidades de gênero se fará necessária em muitas outras estruturas para apoiar a retomada por igualdade.

Considerando as dificuldades e oscilações enfrentadas no Brasil, cuja situação hoje é considerada das mais críticas em relação à pandemia de covid-19, com quase 4 mil mortes diárias, o primeiro painel é focado em saúde mental. Participam da conversa, Camila Almeida, diretora de pessoas da Azul Linhas Aéreas, e Mariana Holanda, diretora de saúde mental da Ambev.

Com tantas mulheres trilhando o caminho empreendedor na falta de outras alternativas ou tentando levar seus negócios a sobreviverem diante de tantas adversidades e das dificuldades de crédito, Ana Fontes, presidente da Rede Mulher Empreendedora, conduz um debate sobre o assunto e o encontro do empreendedorismo feminino com o apoio da iniciativa privada. A conversa é precedida por um bate-papo entre Ana Paula Padrão e Marília Rocca, CEO do Grupo Hinode. Já o painel terá como debatedoras Crisciane Rodrigues, presidente do comitê de líderes e embaixadora do programa Pérolas do Grupo Hinode, e Flavia Schlesinger, VP de Finanças da PepsiCo.

Caminho para sair da crise

Para pensar os caminhos, políticas públicas e iniciativas necessárias para que mais mulheres possam emergir dessa crise, a cientista política e presidente do Instituto Igarapé, Ilona Szabó, se junta à advogada Paula Tavares, do Banco Mundial, e a Flavia Campos, da Associação de Mulheres de Paraisópolis, criadora do aplicativo Quero Trampo, desenvolvido para ajudar os moradores da comunidade a encontrar empregos na região. Após o debate, o Mulheres Pós 2020 será encerrado com uma entrevista exclusiva com a filósofa italiana Silvia Federici, autora de "Calibã e a Bruxa" (Ed. Elefante) e pioneira ao tratar a invisibilidade e o custo do trabalho doméstico, escancarado pela pandemia.

"Estamos todas olhando para os lados e realmente enxergando as imensas injustiças em nossa sociedade. Estamos vendo que somos todas diferentes, com necessidades distintas e que precisamos muito umas das outras. Estamos mudando e desejamos essa mudança. Esse evento busca proporcionar espaços para conversar sobre isso e, então, estimular um compromisso conjunto e imediato entre indivíduos, empresas e instituições", diz Ana Paula Padrão.

Para Cristiano Diniz, diretor comercial do evento, o evento é para todos, apesar de debater temas voltados às mulheres; "é importantíssimo que os homens também adquiram mais conhecimento e tenho a certeza de que levaremos muita informação importante para as pessoas, abrindo a mente, proporcionando novas ideias e a vontade de fazer a diferença."

Transmissão ao vivo

Mulheres Pós 2020 conta com a parceria de conteúdo e apresentação de Universa, plataforma feminina do UOL. Tem patrocínio master do Grupo Hinode e da BRF, patrocínio de Ambev, BTG Pactual, Riachuelo, Bonafont, Irani e Pepsico e apoio de Azul Linhas Aéreas, LivUp, On E-Stadium, Chili Beans, Codorniu, Evian, Vinhos Periquita.

Serviço:
Mulheres Pós 2020 - evento on-line e gratuito
Datas: 27, 28 e 29 de abril de 2021, a partir das 18h30
Mais informações: mulherespos2020.com e @mulherespos2020 (Instagram)