PUBLICIDADE

Topo

Famosos pedem cassação de Cury em carta aberta ao presidente da Alesp

Alessandra Negrini é uma das personalidades que aderiu à campanha - Reprodução/Instagram
Alessandra Negrini é uma das personalidades que aderiu à campanha Imagem: Reprodução/Instagram

De Universa

28/03/2021 17h34

Lançada no início de março, a campanha "Por Uma Punição Exemplar" tem como objetivo pressionar os 87 deputados da Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo) para cassarem o deputado estadual Fernando Cury (Cidadania), acusado de importunação sexual contra a colega Isa Penna (PSOL), em dezembro de 2020, no plenário.

Criado pela escritora Beatriz Bracher e pela gestora cultural Mari Stockler, o movimento conta agora com a adesão de 65 personalidades brasileiras de TV, música, literatura, artes plásticas e cinema, que divulgaram uma carta aberta ao presidente da Alesp, deputado Carlão Pignatari (PSDB), exigindo a cassação de Cury como um exemplo a ser dado às mulheres e aos homens.

Entre os nomes que assinam a mensagem estão as atrizes Patricia Pillar, Alessandra Negrini e Letícia Sabatella; os escritores Milton Hatoum e Antonio Prata; a historiadora Lilia Moritz Schwarcz; o educador Douglas Belchior; os advogados Alberto Toron e Augusto Arruda Botelho; e os músicos Nando Reis e Tony Bellotto.

Na carta, afirmam que está nas mãos de Pignatari "a chance de assegurar um marco histórico em prol do respeito às mulheres deste país, sobretudo para todas as mulheres e eleitoras do nosso Estado, devolvendo à Alesp a condição de casa protetora do exercício da cidadania plena".

fernando cury - Arquivo Agência Alesp - Arquivo Agência Alesp
O deputado estadual Fernando Cury (Cidadania), acusado de importunação sexual
Imagem: Arquivo Agência Alesp

Também reforçam que "a cassação é apoiada hoje por centenas de milhares de pessoas" e que "a perda de mandato do deputado Fernando Cury é importante para todas as mulheres". "Não por uma sanha punitivista inconsequente, mas pela incompatibilidade do seu ato com os princípios mais elementares da convivência humana — e, em particular, pela desonra da casa que ocupa e das mulheres que representa", afirmam.

O caso chegou a ser votado no Conselho de Ética da Alesp, que optou por uma pena branda a Cury, com um afastamento de 119 dias — o que é considerado uma licença, não uma punição. O processo será votado em plenário nas próximas semanas, e essa pena poderá sofrer alteração.

Na carta, pede-se que o presidente da casa submeta à votação em plenário a emenda já protocolada que pede uma punição diferente da do conselho. "Um erro que, se reafirmado pelo plenário da Casa, não será ruim apenas para Isa Penna ou para as mulheres coletivamente, mas também para a própria Alesp, cuja imagem ficará marcada pela impunidade."

Os signatários ainda afirmam ser essa uma chance única para que Pignatari exerça sua liderança e que diga às eleitoras que tanto ele quanto a assembleia "consideram grave importunar mulheres". "Muito grave. E que foi um ato de desrespeito, de agressão, de violência -- uma
humilhação que não pode ser relevada."

Por fim, concluem que a punição adequada é a mensagem necessária que será transmitida tanto às mulheres quanto aos homens.

Campanha tem mais de 15 mil assinaturas

A campanha "Por Uma Punição Exemplar! é um abaixo-assinado que funciona de uma maneira diferente: cada assinatura é anexada em uma mensagem já pronta que vai diretamente para a caixa de entrada de 87 deputados paulistas que ainda não se posicionaram sobre o caso. Para participar, basta acessar o site www.porumapunicaoexemplar.com, clicar em "pressione pela cassação" e preencher nome e e-mail. A mensagem enviada diz que a decisão do Conselho de Ética é "desrespeitosa com as mulheres".