PUBLICIDADE

Topo

Direitos da mulher

Isabela Del Monde, do #MeToo Brasil, é a nova colunista de Universa

Isabela Del Monde é ainda coordenadora do Me Too Brasil - Divulgação
Isabela Del Monde é ainda coordenadora do Me Too Brasil Imagem: Divulgação

De Universa

03/03/2021 04h00

"Estou tão contente com este convite. Quero escrever sobre direito das mulheres e de grupos minorizados e equidade nas relações, o que é bastante marcante na minha trajetória. Também vou ampliar o debate sobre a cidadania e democracia", afirma a advogada Isabela Del Monde, que estreia hoje sua coluna semanal em Universa.

Leia a coluna de Isabela Del Monde: Por que o fim da legítima defesa da honra é vitória histórica para mulheres

Advogada formada pela Universidade de São Paulo, cofundadora da Rede Feminista de Juristas (deFEMde) e coordenadora do Me Too Brasil, Isabela deparou-se com o que ela chama de uma série de estruturas machistas logo no início da faculdade, em 2005. Ela, que saiu de Campinas para estudar na capital paulista, conta que havia, naquele ambiente, um grupo político autodenominado "Escória".

"O mote deles era bebida, balada e putaria, escreviam coisas bizarras em seus materiais de comunicação, como uma tese racista, e não tinham o menor pudor em empurrar, fisicamente, uma adversária política, além de mostrar o pênis no meio de um debate político. Foi um choque", ela descreve.

Uma das mais renomadas faculdades de direito do país não era um ambiente seguro para mulheres. "Tinha medo de entrar no centro acadêmico da São Francisco (campus da faculdade de direito da USP) sozinha e ter o meu corpo tocado, ser xingada. Eles tinham uma comunidade no Orkut destinada a constranger mulheres e pessoas LGBT."

Relacionamento abusivo a levou ao direito da mulher

Mas foi um relacionamento abusivo que levou Isabela a se especializar em direitos da mulher. Ela, que atuou por quatro anos com direito digital e publicitário num escritório, sofreu diversas formas de violência, entre elas psicológica, física e patrimonial de um namorado com quem viveu por cinco anos.

O apoio de outras mulheres foi essencial para sair do ciclo de violência. "Por conta desse relacionamento percebi que não tinha estrutura para me curar sozinha, mesmo com terapia e rede de apoio muito boa ao meu redor. Nesse momento entendi que precisava de uma organização de mulheres ao meu redor para me recuperar e para apoiar mulheres que passam por isso, para reduzir esses índices."

Assim nasceu a Rede Feminista de Juristas, para atuar não somente no combate à violência doméstica, mas ajudar empresas que queiram combater a desigualdade de gênero. "Para ajudar uma pessoa que está numa relação abusiva, é preciso afeto e paciência."

O apoio das amigas foi algo que mudou minha trajetória de vida e de carreira. Quando a gente está organizada, ganha muita força política no mercado de trabalho

Com Isabela, Universa reforça seu compromisso de combate à violência

Isabela sabe que seu trabalho e o de tantas redes feministas não conseguirá acabar com a violência contra a mulher, mas se mostra satisfeita com o resultado de sua atuação até aqui. E quer mais.

"É uma ilusão achar que não vai mais existir violência no mundo. Não me pauto pelo desejo de eliminação completa da violência, mas quando estou cansada de tantos casos me lembro das mulheres que ajudei a se salvarem, das orientações que dei para vítimas de stalking. Sou muito otimista. Gosto muito de celebrar conquistas, sejam elas pequenas ou grandes."

E uma dessas vitórias está sendo comemorada nesta quarta, com a estreia de sua coluna em Universa, que, com a presença de Isabela, reforça sua cobertura sobre combate à violência contra a mulher no país e amplia sua seleção de vozes dispostas a refletir, analisar e informar.

"Gosto muito de Universa. Foi perspicaz a criação desse canal pelo UOL. Não se destinou a ser uma publicação somente feminina, mas feminista, trazendo outra perspectiva de pautas, com outro olhar. Universa fez um Manual de Redação de como tratar caso de violência. É uma bandeira que chacoalho há muito tempo e cobro de veículos também. Universa cumpre um papel de responsabilidade social inspirador para outros veículos."

Direitos da mulher