PUBLICIDADE

Topo

Experimenta

Nossos repórteres passam pelas mais diversas experiências e contam como foi


Experimenta

Lições de amor, ghosting e vibrador: o que aprendi no curso da Gretchen

Júlia Flores

De Universa

23/02/2021 04h00

Fiquei curiosa quando vi a cantora Gretchen anunciar para seus 2,7 milhões de seguidores no Instagram que passaria a dar "consultorias de vida", usando a experiência acumulada em seus 61 anos para dar conselhos amorosos, entre outros, a quem estiver disposto a pagar por eles. Sim, a nossa eterna "rainha do bumbum" agora é "coach de vida" e cobra R$ 500 para compartilhar sua sabedoria - por uma hora.

A consulta pode ser feita por vídeochamada ou presencialmente para quem estiver em Belém (PA), cidade onde ela vive com o novo marido, o músico Esdras de Souza, 47, com quem está casada há cinco meses. Em seu "consultório", além da mentoria, os clientes também podem ter sessões de reiki e de musicoterapia com o saxofonista Souza.

Decidi marcar uma consulta online para pedir algumas dicas à rainha dos memes - seu título mais recente, graças à fartura de gifs com os quais ela é celebrada nas redes sociais. Confesso que fiquei nervosa antes do nosso papo na manhã de sexta-feira passada. Ela estava ciente que eu era jornalista e que a conversa seria gravada. A sala em que atende não tem divã e nada que remeta a um consultório, já que ela faz questão de frisar que não é terapeuta. Há um sofá confortável, fotos com o marido e um barzinho. "Para descontrair", diz Gretchen.

"Tem quem melhore da depressão com as coisas que falo"

Começo a nossa sessão pedindo: quero falar sobre minha vida amorosa. "Claro, nesse campo eu tenho experiência!", responde, rindo, a artista que está em seu 18º casamento.

Mas, antes de a consulta começar, Gretchen desabafa sobre as críticas que está recebendo por causa de seu novo trabalho, principalmente por parte de profissionais de saúde mental. "As pessoas estão falando tanta besteira e estão tão incomodadas com o meu atendimento. Meu serviço é conversar com os outros. Recebo 100, 200 mensagens por dia de pessoas compartilhando suas experiências. Tem quem fica melhor da ansiedade e da depressão pelas coisas que falo no dia a dia, pelo que eu posto, pelo que faço no meu Instagram."

Gretchen e Esdras, casamento há cinco meses é o 18º da cantora.  - MARCOS RIBAS/BRAZIL NEWS - MARCOS RIBAS/BRAZIL NEWS
Gretchen e Esdras, casamento há cinco meses é o 18º da cantora.
Imagem: MARCOS RIBAS/BRAZIL NEWS

Ela afirma que chegou a receber ameaças. Psicólogos e psiquiatras fizeram posts dizendo que o Conselho tem que supervisionar o trabalho. "Eles dizem: 'Onde já se viu, ela a quer tratar depressão e ansiedade?'. Não sei por que essas pessoas estão tão incomodadas! Hoje a profissão de coach é reconhecida e eu tenho diploma!", fala.

Resolvi transformar o que eu fazia de melhor em profissão: conversar com as pessoas, dar conselhos. Principalmente agora, na pandemia, em que a gente precisa estar em casa. Se eu posso ficar em casa trabalhando e ajudando as pessoas, por que não?

Eu, que não sou boa em dar conselhos, apenas ouvi o desabafo enquanto já pensava no que iria perguntar.

Se app de paquera fosse bom, até a Gretchen usava

Compartilhei meu status de relacionamento com a rainha: mais uma jovem millennial, com 24 anos, que terminou um namoro longo durante a pandemia e agora enfrenta os dilemas de uma solteira moderna em pleno isolamento. Seu primeiro conselho foi para eu não usar aplicativos de relacionamento.

"Aplicativo, se fosse bom, até eu usava. Cheguei a usar, aliás, conheci algumas pessoas, mas acho extremamente arriscado. Falo isso inclusive para a minha enteada, que tem a mesma idade que você", me explicou.

Uma coisa que eu aprendi na minha vida é que a gente não deve procurar, buscar relacionamento. Toda vez que a gente está procurando, a gente acaba se iludindo

Ok, Gretchen, conselho aceito. Até porque meu celular, de tão antigo, nem permite que eu baixe Tinder, Bumble ou qualquer outro app de paquera. Minha coach então prosseguiu: "Você está sozinha em uma pandemia, então qualquer coisa que você ouvir vai te fazer bem. Aí o cara diz que vai até a sua casa para te conhecer e dali para frente é um perigo. Os maus elementos estão se aproveitando desse momento e da carência feminina."

Bom, mas se conhecer alguém pelo aplicativo não é uma opção, o que eu devo fazer agora?, perguntei a Gretchen. "O melhor é se ocupar com outras coisas e focar em você. Não adianta a gente emendar um relacionamento no outro, pela minha experiência. Porque a gente vai sempre comparar, sempre tentar cobrir aquela falta, aquela carência. Vai fazer outras coisas que você gosta." Concordei, após me surpreender com a declaração de quem já se casou 18 vezes.

"Beleza, Gretchen, concordo", eu insisti. "Mas a situação é a seguinte: estou cuidando de mim e investindo em outras áreas, só que gosto de paquerar. O problema é que o leque de opções da mulher hétero não é dos melhores. Nós estamos sempre atentas a nós mesmas, nos cuidando e, às vezes, aceitamos ficar com qualquer cara, com um boy lixo, só para suprir essa carência", desabafo.

Ela então volta a repetir outro conselho que deu para a enteada. "Reforcei para ela que não é um cara que fará ela se sentir bem, não é um relacionamento. Ela mesma que irá se completar, que precisa se valorizar. Se ela se valorizar, se fizer as coisas por ela, quando for encontrar alguém não será para completá-la, mas para dividir experiências", conta. "A gente não tem como encontrar ninguém que vá completar a gente."

Nessa hora quase caiu uma lágrima do meu olho. Que dica certeira!

"Thammy diz que agora me entende"

Peço mais alguns conselhos amorosos. Pergunto se ela acha que homens e mulheres esperam coisas diferentes de um relacionamento e se nós nos envolvemos com maior facilidade. "A gente que é mulher pensa assim: se transamos, queremos algo em troca. O homem não tem essa cabeça. A melhor coisa que eu fiz foi conversar muito com o Thammy", diz, citando o filho.

Thammy me ensinou muitas coisas. Ele fala: 'Mãe, agora que tomo meus hormônios, entendo muito mais o que você sente. Não adianta, a gente, homem, só pensa em sexo. A Andressa [Ferreira, mulher dele] reclama um milhão de vezes que não dou carinho, não beijo'. A gente, que é mulher, sempre espera mais. Eles não pensam dessa forma, transam e ponto

A interrompo para tirar uma dúvida: não é possível ter relações casuais com afeto? Ou o homem não consegue dar carinho nem para alguém com quem só quer transar? "Não conseguem", garante Gretchen. "Para eles só existe afeto em relacionamentos sérios", ela responde e emenda uma dica para quem quer evitar correr atrás daquele contatinho que só pensa em sexo.

Se você estiver morrendo de vontade de sair para transar saiba que o que não falta é vibrador maravilhoso por aí. Conheço vários, aliás, tenho uma gaveta só de vibradores, uma gaveta particular.

Se a Gretchen falou, está falado. Inclusive, esta não é a primeira vez que falo publicamente sobre minha vida amorosa em Universa. Ano passado, escrevi sobre como os sugadores de clitóris podem ser melhor do que muito boy por aí. Parece que a dica continua funcionando...

Agora ela é coaching: o que ouvi de Gretchen durante uma sessão de mentoria de vida  - Arquivo pessoal / Juliana Ferri - Arquivo pessoal / Juliana Ferri
Agora ela é coaching: o que ouvi de Gretchen durante uma sessão de mentoria de vida
Imagem: Arquivo pessoal / Juliana Ferri

"Se ele não quer estar com você, não te merece"

Ainda com algumas dúvidas, resolvi perguntar para ela sobre um comportamento que parece se repetir na minha vida. Tem até uma canção da Marília Mendonça que resume bem o dilema. "Quem eu quero não me quer, quem me quer eu vou querer" é o que diz a letra de "Todo Mundo Vai Sofrer". Me diz, Gretchen, o que fazer quando isso acontece?

"É o jogo do relacionamento moderno que você entra se quiser. Eu me valorizo, eu me amo, se você não quer estar comigo, é porque você não merece estar na minha vida", fala. "Teve uma época, quando comecei a namorar meu atual marido, que ele me deu um gelo. E lembrei de mim mesma. Achou que eu iria ficar procurando ele porque a gente teve um envolvimento? Eu? Está muito enganado! Você não conhece a Maria Odete, você conhece a Gretchen. A Maria Odete se valoriza, meu bem. E não procurei mais. Não mandava mensagem, não esperava, nem olhava o contato dele. Aí ele começou a me mandar mensagem... Parece que eles gostam desse tipo de atitude da gente. Mas esse é um jogo que eu não entro.

Descobri que até a dona do rebolado mais desejado do Brasil já levou ghosting. "A hora em que eu me valorizei, ele me valorizou. Deixei claro que queria ficar com ele, mas que isso não faria com que eu rastejasse. A gente não precisa disso. O que é da gente, é da gente."

De todas as lições que escutei de Gretchen, essa foi a mais empoderadora. Para fazer o mesmo e agendar um papo com a artista, basta acessar o perfil dela no Instagram. Ela está com a agenda aberta e, inclusive, sairá em "turnê" para fazer atendimentos presenciais pelo Brasil (visitará São Paulo em março).

Descobri que até a rainha do rebolado já levou ghosting

Em uma hora de conversa, Gretchen me ensinou como a autoestima e o amor próprio podem evitar que você entre em relacionamentos tóxicos. Mais do que uma consulta com a famosa artista, a sessão foi uma conversa sincera com a Maria Odete, que não teve medo de compartilhar experiências, mostrar empatia e dar conselhos duros, mas de coração. Parecia que eu estava conversando com minha mãe. A diferença é que minha mãe não tem quase 3 milhões de seguidores nas redes sociais, nem 18 casamentos e não cobra R$ 500 para me ouvir. Ainda bem.

Experimenta