PUBLICIDADE

Topo

Alto Astral

Era de Aquário chegando? Não: faltam, pelo menos, 400 anos até lá. Entenda

Não existe consenso sobre os limites exatos do ponto em que termina uma era astrológica e começa a outra - iStock
Não existe consenso sobre os limites exatos do ponto em que termina uma era astrológica e começa a outra Imagem: iStock

Claudia Dias

Colaboração para Universa

19/02/2021 04h00

Se você está aguardando ansiosamente a chamada Era de Aquário, que promete ser um novo momento para a humanidade, melhor reduzir as expectativas de desfrutá-la. Apesar de alguns afirmarem que ela já está em vigor, ainda demora bastante para chegar lá - no mínimo, quatro séculos.

É o que explica a astróloga e terapeuta holística Virginia Gaia. Como a especialista observa, astrologicamente falando, o céu se mantém em constante mudança, já que a Terra realiza vários movimentos que impactam as estrelas, as constelações visíveis e a própria posição em relação aos diferentes signos do zodíaco.

"Culpa" da precessão

Além dos já bem conhecidos movimentos de rotação, responsável pela sucessão de dias e noites, e de translação, que gera as estações ao longo do ano, a Terra também realiza um movimento chamado de precessão. "Esse movimento foi notado já na Grécia antiga, celeiro da astrologia ocidental, por astrônomos e astrólogos, como Eratóstenes e Hiparco", comenta Virginia.

Pela visão astrológica, a precessão afeta o ponto vernal, fazendo que ele seja deslocado em relação às estrelas e constelações zodiacais. "Ponto vernal é onde acontece o equinócio da primavera, no hemisfério norte, ou o

equinócio de outono, no hemisfério sul, acontecimentos que marcam o grau zero do signo de Áries e o ano-novo astrológico", acrescenta a especialista.

Esse movimento de precessão dos equinócios faz com que a Terra gire em torno do próprio eixo, como um peão. E demora, viu? Muda em torno de um grau a cada 72 anos, o que resulta em um grande ciclo de aproximadamente 25 mil anos. "Esse ciclo é dividido em outros menores, marcando as chamadas 'eras astrológicas'; cada uma com duração de 2 mil a 2,5 mil anos", aponta a especialista.

Peixes na área

Virgínia explica que a localização do ponto vernal em cada período dá nome às eras astrológicas. "Atualmente, estamos na Era de Peixes, já que o sol passa pelo ponto vernal na área dessa constelação há mais de 2 mil anos e assim deve seguir por, pelo menos, mais 400 a 600 anos, se considerarmos os limites dessa constelação", aponta.

De acordo com ela, não existe consenso sobre os limites exatos do ponto em que termina uma era astrológica e começa a outra, pois há diferentes formas de se medir o céu.

A saber, o grande ciclo das eras astrológicas acontece na ordem oposta à sucessão dos signos no zodíaco. É por isso que, depois da Era de Peixes, será a vez da Era de Aquário - e não de Áries, se fosse seguida a ordem convencional.

Revolução e religião

Mesmo faltando, pelo menos, 400 anos para a nova fase, acredita-se que o momento atual corresponde a um período de transição, que provavelmente começou com a Revolução Francesa, entre 1789 e 1799. "O lema 'liberdade, igualdade e fraternidade' reflete valores tipicamente aquarianos", justifica Virginia.

Enquanto isso, o mundo segue tendo influência pisciana. "A principal característica relacionada à Era de Peixes é o caráter religioso, exercido majoritariamente de forma monoteísta, com forte apelo às grandes massas", continua a astróloga.

Para a Era de Aquário, é esperado o contraste, com uma maior ênfase ao racionalismo científico e à liberdade de pensamento individual.

Alto Astral