PUBLICIDADE

Topo

Universa

SC: Gêmeas trans são as primeiras no mundo a mudarem de sexo, dizem médicos

Gêmeas trans passaram por mudança de sexo em SC - Divulgação/Alex Ferrer
Gêmeas trans passaram por mudança de sexo em SC Imagem: Divulgação/Alex Ferrer

Abinoan Santiago

Colaboração para o UOL, em Florianópolis

12/02/2021 12h46

Duas gêmeas, de 19 anos, conseguiram nesta semana realizar o sonho da mudança de sexo através de cirurgia, em Santa Catarina. O procedimento é considerado inédito no mundo por ter ocorrido com duas gêmeas trans femininas idênticas e quase ao mesmo tempo, garante a equipe médica, que fez a redesignação sexual no Hospital Santo Antônio, em Blumenau.

As irmãs nasceram com o sexo biológico masculino, e desde os 15 anos iniciaram o tratamento hormonal com anticoncepcional para a transição. As gêmeas, que não quiseram ser identificadas, são brasileiras e também são as mais jovens a mudarem de sexo no país com base na resolução de 2020 do Conselho Federal de Medicina (CFM) que diminuiu de 21 para 18 anos a idade mínima para a cirurgia.

Os procedimentos das gêmeas tiveram duração de cerca de cinco horas, em cada uma. Uma delas passou pela cirurgia na quarta-feira (10) e a outra ontem. Ambas permanecem em observação no hospital por três dias, segundo a equipe médica, liderara por José Martins e Cláudio Eduardo de Souza.

"Foi uma transição jovem, pois até 2020, o CFM liberava só para maiores de 21 anos. Já no mundo, não existe nenhum relato de gêmeas operando ao mesmo tempo para a redesignação sexual", afirmou Martins.

Segundo os médicos, a escolha da cirurgia de mudança de sexo quase ao mesmo tempo nas gêmeas partiu das próprias pacientes. Elas mantêm o sonho da cirurgia desde 10 anos, quando conheceram o procedimento pela internet. Ambas passaram por acompanhamento psicológico antes de entrarem no centro cirúrgico.

"Como elas são gêmeas idênticas, iniciaram o tratamento hormonal ao mesmo tempo, seria quase que natural as duas manifestarem a vontade de fazer a cirurgia", contou Martins. "A paciente chega um dia antes de cirurgia, mas previamente passa por uma terapia com profissionais de saúde mental ao longo de um ano para termos um laudo sobre a condição de ser uma mulher trans e que rejeita o seu órgão sexual."

Técnica da cirurgia

A cirurgia nas gêmeas é considerada de caráter estético e funcional em razão de o resultado final se aproximar visualmente com uma vagina e por permanecerem com suas funções sexuais e urinárias. De acordo com a equipe médica, a literatura mostra que apenas 5% das mulheres trans optam por esse procedimento.

Como a mudança de sexo nas gêmeas foi coordenada por dois médicos, enquanto um trabalhava na parte interna da vagina, outro atuava na região externa.

"Usamos a técnica de inversão peniana com enxerto de bolsa escrotal. Pegamos a pele do pênis e suturamos a da bolsa escrotal e as colocamos dentro de uma cavidade criada na região do períneo", explicou o médico José Martins sobre a cirurgia realizada pelas gêmeas.

Universa